Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Álbum de Testamentos

Porque sou uma miúda com muitas maluqueiras e adoro escrever (e muito) sobre elas.

Era Uma Vez/Once Upon a Time - segunda temporada

Alerta Spoiler: este texto contém revelações sobre o enredo, pelo que só é aconselhável lê-lo caso tenha visto todos os episódios da segunda temporada de Era Uma Vez/Once Upon a Time, até para a própria compreensão desta entrada.
 



A segunda temporada da série de fantasia Era Uma Vez/Once Upon a Time terminou recentemente na televisão americana. Conforme já tinha afirmado quando falei da primeira temporada, comecei por ver os episódios à medida que iam sendo exibidos no AXN. No entanto, estes tornaram-se tão viciantes que comecei a acompanhá-los à medida que eram exibidos na emissão norte-americana.
 
Esse é, de resto, um dos maiores pontos fortes em relação à primeira temporada. Já não precisamos de episódios circulares para conhecer cada uma das personagens, com comprometimento do avanço da ação. Nesta temporada acontecem coisas em praticamente todos os episódios, a tensão é constante, uma pessoa deseja desesperadamente saber o que acontece a seguir.
 
Esta segunda temporada começa com a quebra da maldição e a vinda da magia para o Mundo Real, um mundo que não está preparado para tê-la. E visto que "toda a magia vem com um preço", isto terá consequências, entre as quais novos vilões - mas estes só entram em ação perto do fim da temporada. Antes, no primeiro episódio, Emma e Mary Margaret/Snow White/Branca de Neve, vão parar à Terra dos Contos de Fadas e, assim, a primeira metade da temporada é dedicada às tentativas de elas regressarem a Storybrooke. Elas regressam, mas trazem com elas novos vilões, com os seus próprios objetivos, que estavam à espera do fim da maldição para colocá-los em prática.

 

 

Começarei pelos pontos fracos da temporada. Durante a primeira parte, Emma e a mãe vivem na Terra dos Contos de Fadas, em circunstâncias medievais e, ainda por cima, ao ar livre, mas nunca aparecem sujas ou despenteadas e as roupas estão sempre em bom estado. Seems legit. Mais à frente na temporada, Regina surge disposta a sacrificar Emma e Mary Margaret para evitar que a mãe, Cora, venha para Storybrooke, mas, daí a um ou dois episódios, aparece a chorar no ombro da mãe... O que me faz ainda maior confusão é o facto de ela teimar em não perdoar Snow por, em criança, ter sido manobrada por Cora de modo a revelar o segredo sobre Daniel, o apaixonado de Regina, mas perdoa a mãe que, fria e deliberadamente, assassinou Daniel à frente da filha, em nome do seu desejo de poder.
 
Outros defeitos foram os arcos narrativos deixados a meio e/ou mal executados: aquela espécie de fantasma que recebe a designação de Qui-Shen mas que, essencialmente, é um Dementor, aparece no primeiro episódio, faz imensos estragos e depois desaparece inexplicavelmente; o ressentimento do rei George para com David é esquecido após o episódio em que este destrói o pó de fada; os sonhos das vítimas da Maldição do Sono também nunca mais são referidos após a primeira metade da temporada; toda aquela história da Dark Snow podia ter sido um bocadinho melhor aproveitada; a história do Robin dos Bosques, muito publicitada antes de "Lacey", no episódio em si é insignificante. Por fim - isto não é tanto um defeito, é apenas uma opinião pessoal - tive pena de termos visto muito pouco August/Pinóquio nesta temporada e de, pelos vistos, não podermos ver muito mais, já que foi transformado, de novo, numa criança. Ele era uma das minhas personagens preferidas no primeiro ano e gostava de tê-lo visto lutando ao lado de Emma e companhia. 
 

 

Posto isto, falemos dos pontos fortes. Um dos temas desta temporada foi redenção. Daí que os vilões - que, em teoria, teriam mais de que se redimir - se tenham destacado nesta temporada. Em boa verdade, os vilões em Era Uma Vez estão tão bem construídos que destacar-se-iam de qualquer maneira.
 
Comecemos por Rumplestilskin, uma das mais icónicas personagens de Era Uma Vez. Sempre viveu sob o estigma de filho de um cobarde, dominado pelo medo. O seu envolvimento com a magia acaba por ser uma maneira de se vingar de um Mundo que pouca piedade demonstrara para com ele. Começando pela esposa, Milah, que considero fria e egoísta. Contudo, apesar de o poder o disfarçar, Rumple nunca consegue libertar-se do medo, tornando-se incapaz de viver sem os seus poderes, o que afasta daqueles que ama - refiro-me tanto ao filho Baelfire, também conhecido por Neal, como a Belle, a primeira pessoa a ser gentil para com ele, despertando-lhe o seu lado bom mas que, mesmo assim, não consegue levá-lo a abdicar completamente do seu poder. Gosto muito da maneira como a história de Rumplestilskin se cruza com várias das histórias clássicas reinventadas em Era Uma Vez: a original, protagonizada por Cora, Cinderela, a Bela e o Monstro, Peter Pan - ainda que apenas a parte referente ao Capitão Gancho e ao crocodilo que lhe arranca a mão. Pela maneira como Rumple é capaz de nos divertir com os seus icónicos maneirismos, de nos aterrorizar com a sua implacabilidade, de nos despertar compaixão quando se mostra mais vulnerável, é uma das personagens mais interessantes de Era Uma Vez, sem a qual a série não seria a mesma.
 
Passemos a Regina, a responsável pela maldição que desencadeou a história da série. Durante a primeira temporada vimo-la quase só como a encantadora Rainha Má, a presidente algo tirana de Storybrooke e a rígida mãe adotiva de Henry. Na segunda temporada, esta surge muito mais vulnerável, tentando recuperar o filho, ser a pessoa que ele quer que ela seja. No fundo, tudo o que Regina é amar e ser amada, como qualquer outra pessoa, mas não sabe como fazê-lo e, muitas vezes, recorre aos meios errados. revela bastante ingenuidade na maneira como não compreende a diferença entre o certo e o errado.
 
Por outro lado, Henry também não tem o comportamento ideal com Regina, surgindo, por vezes, algo frio e egoísta para coma mãe adotiva. Só parece lembrar-se de Regina quando usa a afeição dela para a dissuadir de matar Emma e os pais e, depois, vira-lhe costas sem sequer se despedir dela.
 
 
 
A personalidade algo disfuncional (não sei se este é o termo mais adequado...) de Regina pode ser explicada pela relação com a mãe, Cora. Esta, a primeira grande vilã da segunda temporada, acaba por ter um percurso semelhante ao de Rumplestiskin: é para se vingar de uma vida de humilhações que ela se junta ao "Lado Negro". Contudo, não cometer o "erro" que Rumple e Regina cometeram, percebe logo que, se quiser poder, terá de abdicar de amor e vice-versa. Loso, arranca o seu coração como maneira de garantir que nenhum ente querido alguma vez interfirá com as suas ambições - achei graça quando Rumple diz, certa vez, que, se Cora era perigosa por não ter coração, Regina é pior por tê-lo. É nesta condição que se casa por interesse e usa a filha como marioneta para os seus planos.
 
Achei, na altura, que a sua morte foi algo precoce pois, ao desaparecer a grande vilã, desaparecia o grande motor da história. Acabou por não ser tão prejudicial quanto isso pois esta foi rapidamente substituída, ainda que este processo não tenha sido perfeito - mais sobre isso adiante.
 
 
 
 
Temos ainda Killian Jones, o Capitão Gancho, mais conhecido por, simplesmente Hook. Tenho uma certa dificuldade em classificá-lo como vilão - ele segue as suas próprias regras no que toca a lealdades e mesmo no que toca ao que está certo e ao que está errado. Devo dizer que gosto muito do seu estilo, encantador, galante e adoro a maneira como interage com Emma - pena só termos visto isso em apenas um episódio e pouco mais. Por fim, no final da temporada, a ligação a Baelfire, o filho de Milah, a sua amada morta, tocou muita gente.
 
Em comparação com os vilões acima descritos, os mais recentes, Greg e Tamara, parecem extremamente monodimensionais, pouco desenvolvidos. Conhecemos as motivações de Greg mas a personagem é pouco interessante e, pelo menos no meu caso, não desperta grande empatia. Tamara, então, precisa definitivamente de maior desenvolvimento pois não se percebe o que a move. Toda essa história da organização que quer erradicar a magia do Mundo Real está, de resto, muito mal explicada. Para piorar, de um momento para o outro, o casal decide raptar Henry, levá-lo para a Terra do Nunca até Peter Pan que, afinal, é o líder deles... ou não? Defendem que a magia não pertence ao Mundo Real mas trabalham para uma criatura mágica, que recorre à magia para raptar crianças do Mundo Real? Não parece fazer sentido mas também não me admirava que Greg e Tamara estivessem a ser usados como marionetas por causa do seu ódio à magia.

Devo dizer também que a maneira como, em Era Uma Vez, Peter Pan foi transformado num raptor e a Terra do Nunca numa prisão de crianças que, à noite, choram pelos pais deu-me cabo de parte da infância. Só um bocadinho, felizmente, que o Peter Pan não era dos meus heróis preferidos, mas mesmo assim... Se me vierem dizer que o Pikachu, afinal, é mau, aí sim, fico traumatizada para o resto da vida.

BWGEneLCIAAdta3.jpg

 

Mas fechemos esse aparte e, já que o mencionámos, falemos do episódio que encerra a temporada. Todo o arco do diamante-botão-de-auto-destruição foi um pouco anticlimático, ou nem por isso, pois não acho que tenha havido um único espectador a achar que Regina morreria. A maneira como, aliás, Emma arranja um plano de salvação, é traída por alguém que considerava aliado, ficando obrigada a recorrer aos seus próprios poderes para salvar o dia faz lembrar o encerramento da primeira temporada.

Outro aparte só para referir que gosto do conceito da Salvadora, que nasceu do verdadeiro amor, o que a torna invulgarmente poderosa e tive pena que tenhamos visto muito pouco desses poderes nesta segunda temporada. A personagem em si tinha muito mais graça na primeira temporada, com a sua atitude cínica e durona. espero que Emma se torne mais interessante de novo quando a série recomeçar.
 
 
Outra personagem de quem espero mais é Snowhite/Mary Margaret. Tanto antes como depois da quebra da maldição, esta em Storybrook torna-se demasiado insonsa. O seu verdadeiro potencial só é revelado quando se encontra na Terra Encantada, de arco na mão e aljava nas costas - o meu momento Snow preferido desta temporada é este "Back away from my daughter!" em "Lady of the Lake". Agora que tem de salvar o neto, estou com esperanças de ver mais desta Snow na terceira temporada.

Acho, também, que ninguém percebeu como é que Henry, num momento, estava a sufocar num grande abraço de família e, no minuto seguinte, foi levado por Greg e Tamara sem que mais ninguém notassem, sem que o miúdo, que até caminhava pelo seu próprio pé, embora guiado pelos raptores, oferecesse resistência, soltasse um grito que fosse.

Em todo o caso, é este rapto que obriga os vilões acima descritos a trabalhar juntos, mais a família biológica de Henry. Eu soube logo, no momento em que Greg e Tamara se revelaram como os novos maus da fita, que estes seriam o inimigo comum que uniria Regina e Rumplestilskin aos Charmings - cheguei a comentá-lo várias vezes na página do Facebook de fãs da série - mas não estava à espera que Hook estivesse incluído. Este, tal como Rumple, fá-lo por respeito à memória de Neal/Baelfire (que todos julgam morto, erradamente. Outra grande surpresa ou nem por isso...) e Regina fá-lo por Henry, pelos motivos já mencionados. Não estou à espera, contudo, que os três, de um dia para o outro, comecem a dar-se como Deus e os anjos. Não com o passado de ódio que os três partilham uns com os outros. E, se os vilões deixassem de ser os maus da fita assim, perderiam uma boa parte da sua piada.

BPezDOZCUAAri6v.jpg

 

Entretanto, Belle, que recupera a sua personalidade no episódio final - também não gostei deste arco, encerrado à pressa; teria sido muito mais interessante ver Rumple conquistando-a enquanto Lacey com o seu lado negro e ver a maldição sendo quebrada quando se beijassem pela primeira vez - é deixada para trás por Rumple, que receia não regressar da sua viagem de resgate, para que esta possa proteger Storybrooke de eventuais cúmplices de Greg e Tamara. Julgo que esta será uma oportunidade para novas personagens assumirem o papel de heróis, ganhando tempo de antena. Espero que esses novos heróis sejam personagens que ainda não pudemos conhecer bem, em vez dos suspeitos do costume.

A segunda temporada encerra assim respondendo a várias perguntas mas originando uma mão-cheia de novos pontos de interrogação. Começando pela razão pela qual Peter Pan deseja tanto Henry. Que terá a criança de tão especial para despertar o interesse de Peter muito antes de os pais do miúdo se terem sequer conhecido, para ser referido numa profecia sobre o seu avô? E de que maneira representará Henry a "desgraça" de Rumple? Na página do Facebook já mencionada, é colocada a hipótese de essa "desgraça" ser Rumple perdendo os seus poderes. Pode ser qualquer coisa, na minha opinião, as possibilidades são infinitas, por isso, não me arrisco a fazer um prognóstico.



Foi, além disso, referido que não é possível abandonar a Terra do Nunca - como é que Neal/Bae o fizeram, então? Conseguirá o grupo de resgate alguma vez sair? Também importa saber quem são verdadeiramente Peter Pan, Tamara e a organização para quem ela trabalha. E a história das sombras que é possível arrancar às pessoas - será um conceito parecido aos dos corações? Ou algo completamente diferente? Existe ainda o arco de Neal/Bae na Terra Encantada, com Mulan, Aurora e Phillip - como é que este regressou à vida, a propósito? Por fim, as histórias de algumas personagens permanecem uma incógnita, como por exemplo Robin dos Bosques - estará ele e a amada, Miriam, que ainda por cima estava grávida quando a conhecemos, entre os amaldiçoados? Se não estavam, porquê? Terão sobrevivido à chacina dos que escaparam à maldição perpetrada por Cora? - e Dr. Whale/Frankeinstein - que não é referido no livro de Henry.

Aquilo que referi na análise da primeira temporada como os grandes pontos fortes de Era Uma Vez mantém-se: o facto de ser diferente de todas as outras séries atuais, numa altura em que tenho cada vez menos disposição para a maior parte delas. Sabe bem ter uma série diferente, que, tal como um dos atores referiu certa vez (Jennifer Morrison?), equivale a "ver o Harry Potter todas as semanas", que desperta tantas perguntas e enigmas, fazendo-nos ansiar pelo episódio seguinte. Este é o meu género de histórias preferido, o género de histórias que escrevo atualmente, daí que Era Uma Vez funcione como fonte de inspiração. O pior é que correu o risco de ser cancelada este ano. Não posso dizer que esteja admirada, já percebi que as grandes cadeias preferem apostar em lucros fáceis (dramas clínicos, séries policiais, comédias) do que em enredos completos como os de Era Uma Vez que, parecem eles pensar, estão muito para lá da capacidade do espectador comum. Acho até que foi por esse motivo que Tru Calling foi cancelada tão precocemente.

 
 
Em todo o caso, mais um ano está para já garantido, bem como o spin-off Once Upon a Time in Wonderland - suponho que, se passar na televisão portuguesa, se intitulará Era Uma Vez no País das Maravilhas ou, pura e simplesmente, País das Maravilhas - cujo trailer é promissor. Espero, assim, que Era Uma Vez mantenha todos os pontos fortes acima mencionados nesta nova temporada e que, daqui a um ano, quando estiver de novo a escrevinhar furiosamente sobre a série, esteja a contar com uma quarta temporada.
 
Créditos: Algumas das imagens desta entrada provém da, já mencionada, página Once Upon a Time (Portugal)

Músicas Ao Calhas - 21 Guns & Sound the Bugle

Quando, há uns meses, estava a trabalhar numa parte do meu livro rica em ação, escrevi uma série de entradas de Músicas Ao Calhas sobre temas que definiam, um pouco, o espírito desses capítulos. Hoje, estou numa transição entre livros, a acabar o terceiro e a pensar no início do quarto. Quero, portanto, falar sobre duas músicas que representarão o estado de espírito de uma das personagens principais no início do livro. Tenho esperanças de que esta entrada me ajude a compreender melhor esse espírito e, assim, facilite a escrita dos primeiros capítulos.
 
As músicas em questão são 21 Guns, dos Green Day, e Sound the Bugle, da banda sonora do filme de animação Spirit, interpretada por Bryan Adams.

 

"Does the pain weight out the pride?"

21 Guns foi o segundo single do álbum 21st Century Breakdown, de 2009. Este foi um álbum que repetiu as fórmulas do extremamente bem sucedido American Idiot mas de que eu gostei muito na altura, por vários motivos. Um dos quais foi o facto de ter servido de pretexto para a banda atuar em Portugal, a 28 de setembro de 2009. Como já devem ter calculado, eu estive lá e diverti-me imenso. O Billie Joe Armstrong sabe bem como envolver a audiência. Isso e/ou o público português é um público que aproveita ao mácimo tais espetáculos, que se deixa envolver facilmente. O álbum acabou por ter alguma influência na génese de "O Sobrevivente", tendo mesmo inspirado a personagem Glória.

Não gostei muito da triologia ¡Uno!, ¡Dos!, ¡Tré!, apesar de ter ficado entusiasmada aquando do anúncio do seu lançamento, bem como com Oh Love. Tirando uma mão-cheia de faixas, a larga maioria das músicas não me diz nada, chegando a tornar-se cansativas e repetitivas - o que, tendo em conta que, da discografia dos Green Day, apenas conheço bem American Idiot, 21st Century Breakdown e meia dúzia de singles, diz bastante...

 

   

 

Mas regressemos a 21 Guns. Aquando do lançamento de 21st Century Breakdown, o meu irmão disse que o segundo single era uma das melhores músicas dos Green Day. Não acho que, pelo menos no que diz respeito às baladas, seja melhor que Wake Me Up When September Ends ou Good Riddance (Time Of Your Life) mas não andará muito longe. É uma balada rock, guiada pela guitarra acústica, a que se juntam guitarras elétricas e bateria. Na versão que apresentam ao vivo, também incluem notas de piano a seguir ao solo de guitarra.
 
É uma canção muito derrotista, cuja letra lamenta a perda de um motivo por que lutar, sequelas dolorosas de lutas anteriores, acabando por se optar pela rendição, pela desistência.
 
Desde o momento em que me familiarizei com a música, associei-a quase de imediato com Sound the Bugle, da banda sonora do filme Spirit. Tal como já tinha afirmado nesta entrada, a banda sonora resultante do trabalho de Bryan Adams e Hans Zimmer tem o ponto forte de não ser demasiado específica, permitindo a qualquer pessoa identificar-se com as músicas. Sound the Bugle é um bom exemplo disso.

 

"Then from on high, somewhere in the distance...
There's a voice that calls: «Remember who you are»" 

A música possui duas partes distintas. A primeira adota a linha abordada em 21 Guns, trnasmitindo os sentimentos do cavalo Spirit, que se sente abatido pela perda de Rain, a sua amada, e por ter sido de novo capturado pelos colonizadores americanos, que se dá como derrotado. O que acaba por surpreender pois, desde o início do filme, Spirit destaca-se pelo seu espírito indomável, inderrotável. Confesso que, quando vi o filme pela primeira vez, quase chorei nesta parte e a banda sonora muito contribuiu para esse efeito.

No entanto, a certa altura, dá-se uma viragem. Algo recorda o sujeito narrativo de quem ele é, dos motivos que tem para lutar, e isso dá-lhe o alento necessário para regressar ao campo de batalha. No caso de Spirit, tais motivos são a vontade de ver os entes amados de novo, regressar à sua terra natal, o que requer que ele se liberte de novo. Que é o que acaba por fazer.

 

Um momento semelhante, um momento que também podia ser ilustrado por estas duas canções, ocorre n'As Brumas de Avalon, no quarto livro, O Prisioneiro da Árvore. Vou tentar evitar os spoilers. Resumidamente, Morgaine, a personagem principal, atravessa um momento de depressão semelhante aos descritos acima e acaba por desistir da vida. Não se suicida mas fica à espera de morrer. Estabelece-se, aliás, uma certa analogia morte/vida neste tipo de situações provando, de certa forma, que difícil não é morrer, difícil é viver, suportando todas as dificuldades inerentes. "Não podia regressar de novo à vida, não podia voltar a lutar e a sofrer e a conviver com o ódio daqueles que um dia me tinham amado (...) Não. Estava ali em silêncio e em paz e, dentro em pouco, sabia-o então, entraria ainda mais para dentro dessa paz. (...) Não procures levar-me para a vida quando eu já me resignei a ficar aqui, na morte. Aqui, nestas terras imortais, tudo está em sossego, sem dor nem luta; aqui posso esquecer tanto o amor como a dor."

Aqui, são as recordações das coisas boas da vida que fazem Morgaine sair daquele limbo, em que não estava viva nem morta. "Eram as vozes dos mortos e dos vivos que me gritavam: «Volta de novo, volta, a própria vida está a chamar-te, com todo o seu prazer e toda a sua dor». Mais do que um regresso à luta, aqui trata-se mais de um regresso à vida. É, sem dúvida, um dos momentos mais belos de toda a saga.

A bondade do acto de fazê-la regressar é discutível pois Morgaine regressa apenas para assistir à perda dos entes queridos que lhe restam e à ruína daquilo que resta de tudo por que lutou toda a vida. Talvez tivesse sido menos cruel deixá-la onde estava. No entanto, no fim de tudo, ela descobre que não falhou completamente. E penso que a possibilidade de morrer com esse pequeno consolo valeu o regresso à vida.

BPezDOZCUAAri6v.jpg

 

A minha intenção é incluir uma viragem de maré semelhante no meu quarto livro. Não necessariamente tão rápida, tão imediata, nem mesmo tão fácil. Em linha com o que disse há pouco, às vezes pode ser menos doloroso permanecer no buraco onde se caiu. Nada pode garantir que, ao sair dele, não se volte a cair de novo e que, desta vez, doa ainda mais. O que planeio é, precisamente, que não seja fácil, que ocorram retrocessos, que a personagem em questão se interrogue, várias vezes, se está a seguir o caminho correto. Mas tentarei fazer com que, no fim, tenha valido a pena.

Nestes caos, pessoalmente, julgo que vale a pena levantar-se de novo, regressar à luta e/ou à vida, ou pelo menos tentar. Seja por respeito a entes queridos, seja por orgulho, por não se querer uma rendição sem primeiro dar luta, por não se querer ser cobarde, seja para não passar o resto da vida interrogando-se sobre o que teria acontecido se se tivesse tentado sair do buraco, seja porque a vida é demasiado curta para ser desperdiçada desta forma. É sobre isto que falam músicas como Sound the Bugle, Alice, de Avril Lavigne, Alive, de Leona Lewis, Last Hope, dos Paramore. Mesmo que tenhamos de dar um passo de cada vez, mesmo que o nosso objetivo seja apenas sobreviver até ao fim do dia, mais cedo ou mais tarde, valerá a pena.

É nisso que acredito, pelo menos.

Manuscrito

Depois de uma longa série de entradas sobre música, decidi escrever algo diferente. A inspiração para este texto veio-me da seguinte imagem, que me apareceu no Facebook há algum tempo:
 
 
Estive a pesquisar na Internet sobre o assunto e, pelo que li, escrever ao computador e escrever à mão são, de facto, atividades muito diferentes, em diversos níveis. Sendo a escrita manual uma atividade mais intensa a nível sensorial, estimula uma parte diferente do cérebro, a área de Broca, ligada à linguagem - talvez isso explique a maior facilidade das palavras em surgirem na escrita em papel, testemunhada por mim e por outras pessoas. Outros estudos demonstraram que, por dar mais trabalho e por requerer maior concentração, a escrita manual facilita a aprendizagem, em particular no que toca a símbolos e fórmulas e mantém o cérebro ativo, contrariando os efeitos do envelhecimento. No fundo, as diferenças entre escrever à mão e escrever no computador acabam por serem equivalentes às diferenças entre praticar um determinado desporto e ver alguém a praticá-lo. 
 
Devo dizer que fui sempre uma grande adepta da escrita à mão, em detrimento da escrita a computador. Não que nunca digite, é óbvio que não, se assim fosse não estariam a ler este texto. O que costumo fazer é rascunhar manualmente estes textos e depois passá-los a computador.
 
Foi, de resto, quase sempre a regra no que toca à minha escrita: primeiro em suporte de papel, com lápis ou caneta. Devo ter escrito milhões de páginas desde os meus oito anos. Tirando os meus diários, durante muitos anos escrevi em folhas soltas, pouco recorrendo a cadernos. Isto porque, muitas vezes, escrevia durante as aulas. Ao contrário dos cadernos, as folhas podem, facilmente, ser escondidas debaixo de um dossier ou entre as páginas de um manual ou caderno diário. Os inconvenientes eram o facto de poderem ser perdidas e a ordem das páginas baralhadas.
 
 
 
 
Só em 2010, quando comecer a pensar seriamente em escrever algo publicável, é que adotei, definitivamente os cadernos. Prática que mantenho ainda hoje. Geralmente, são cadernos A5, que podem ser levados para todo o lado na minha mala. Muitas vezes, são oferecidos aos meus pais, em congressos, outras vezes são sobras de material escolar, minhas ou dos meus irmãos, outras vezes sou eu que os compro. Se puder escolher, prefiro argolas e folhas quadriculadas. Por possuírem mais linhas - e a minha letra, ainda por cima, é grande - e por darem jeito para fazer esquemas. Como poderão ver nesta fotografia, e no topo do blogue, gosto de guardá-los e exibi-los. Em parte por vaidade, para poder olhar para eles e pensar: "A minha "obra" está toda ali". Também gosto de folhear os cadernos, ver os rascunhos de certos capítulos ao lado de notas ou rascunhos de entradas para os meus dois blogues, para me recordar das circunstâncias em que escrevi aquelas passagens (jogos da Seleção, episódios de séries que acompanhava, músicas recém-lançadas...). Mas sobretudo por conterem imensas notas para as sequelas de "O Sobrevivente".
 
Posso acrescentar às que disse acima mais umas quantas vantagens da escrita manual: é mais prática, pois não tenho de carregar com um computador portátil, com o risco de esgotar a bateria e não ter acesso a eletricidade. É claro que, para a escrita manual, estou dependente de papel e caneta, mas estas últimas são bem mais fáceis de transportar - um aparte só para referir que sou a maior consumidora do mundo de canetas bic - e, mesmo que me esqueça do caderno, existem sempre guardanapos em cafés e restaurantes. 
 
Outra vantagem de estar longe do computador é estar longe da Internet. Eu, aliás, nos últimos tempos, tenho escrito relativamente pouco em casa. Se tenho um computador por perto, fico irremediavelmente presa ao Twitter, ao Facebook, ao YouTube e afins. Sou muito mais produtiva à mesa de um café, por exemplo. E agora, com o regresso do bom tempo, tenho escrito bastante em jardins públicos e esplanadas, enquanto faço a fotossíntese. 
 

BWGEneLCIAAdta3.jpg

 

A maior vantagem já foi, contudo, mencionada aqui: as palavras saem-me com mais facilidade quando escrevo à mão.
 
Vou dar um exemplo relacionado com o meu primeiro blogue, sobre a Seleção Nacional. No primeiro ano, ano e meio, de entradas (não conto com o ano que estive sem publicar nada), escrevia diretamente no editor do blogger. Só em meados, finais de 2010, é que me habituei aos rascunhos manuscritos. Ora, aquando do particular com a Argentina, em fevereiro de 2011, andava cheia de exames, só tive tempo de trabalhar na entrada de antecipação do jogo na tarde do dia do próprio encontro. Como achava que não teria tempo para o rascunho manuscrito, resolvi escrever o texto diretamente no computador. Levou-me a tarde toda. Só consegui terminar menos de uma hora antes do início do jogo.
 
Daí que, agora, escreva sempre à mão antes. Dá bastante mais trabalho e consome-me bastante tempo - durante o Euro 2012, às vezes, só conseguia publicar as entradas vários dias depois dos respetivos jogos. A do jogo com a Espanha, então, levou-me uma semana - mas, quando comparo entrada, as que foram manuscritas primeiro estão melhores. Mesmo pequenos textos, para as páginas no Facebook, por vezes custam-me a sair quando escritas diretamente no computador. Por fim, o ato de passar os rascunhos a limpo já constitui uma primeira correção.
 
 
Por outro lado, passar os rascunhos das minhas histórias a computador sempre foi uma das minhas partes preferidas, nem eu sei bem porquê. Ao longo de uns bons doze anos, tenho tido muitas tardes felizes, ou mesmo noites, de férias em particular, digitando rascunhos das minhas pequenas "obras" de ficção, ao som da minha música. As memórias mais antigas que tenho disso remontam aos meus onze anos de idade. Na altura, penso que eram histórias inspiradas n'"Os Cinco" e/ou n'"Uma Aventura" e a música era a banda sonora do Pokémon. Hoje, as histórias são as sequelas d"O Sobrevivente" e as músicas são playlists por mim compiladas de modo a adequarem-se ao espírito da cena em que estou a trabalhar. 
 
Sei perfeitamente que sou uma raridade, que a tendência é a digitalização de tudo. Não sei por mais quanto tempo fabricarão papel e caneta. Duvido que seja tão cedo, contudo, nem que seja porque a eletricidade pode, sempre, falhar. De qualquer forma, enquanto me for possível, não deixarei de recorrer ao suporte em papel e, quando a altura chegar, farei questão de que os meus filhos aprendam a escrever manualmente. Nem que os tenha de ensinar eu mesma.
 
Entretanto, terminei na semana passada o rascunho do meu terceiro livro. Quase dois anos depois de o ter começado... Estou, portanto, a entrar numa parte de que gosto muito. O que também significa que terei de fazer uma pausa aqui no blogue. Não convém estar a aumentar a resma de papel que tenho de passar a computador com entradas para o Álbum. Com a agravante de ter imenso trabalho para a Faculdade este semestre.
 
Esta pausa não se deve prolongar muito, no entanto, já que se aproxima o término da temporada de séries e quero falar, pelo menos, de Era Uma Vez.
 
Em todo o caso, não deixem de visitar aqui o Álbum de vez em quando, caso continuem interessados nestes meus monólogos, primeiro manuscritos e depois digitalizados.

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • P. P.

  • Sofia

    Obrigada pelo seu feedback. Vou ter isso em conta.

  • Pedro

    Boa tarde,uso algumas destas aplicações e confirmo...

  • Sofia

    Na minha opinião, o Pocket será útil para quase to...

  • Chic'Ana

    Só conhecia mesmo o Spotify, vou investigar os out...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion