Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Álbum de Testamentos

Porque sou uma miúda com muitas maluqueiras e adoro escrever (e muito) sobre elas.

Músicas Não Tão Ao Calhas - Heavy

545731_363465527034824_1852836536_n.jpg

 

"I don't like my mind right now..." 

 

Os Linkin Park preparam-se para lançar o seu sétimo álbum de estúdio, One More Light, no próximo dia 19 de maio. O primeiro single desse álbum, lançado no passado dia 16 de fevereiro, chama-se Heavy e inclui a participação de Kiiara nos vocais.

 

O título Heavy é irónico pois esta música é tudo menos pesada. Pelo contrário, tanto quanto sei, Heavy é a canção mais pop da discografia da banda até ao momento, o que, previsivelmente, está a causar polémica entre os fãs. Um dos motivos, de resto, pelos quais não publiquei esta análise mais cedo - para além do lançamento da segunda geração em Pokémon Go, que fez com que, pelo menos no meu caso, o hype regressasse em força - foi porque precisei de algum tempo para me afastar do barulho provocado pela polémica e formar a minha própria opinião sobre a faixa.

 

Infelizmente, esta não é muito favorável. Heavy tem uma instrumentação muito pop, muito genérica, só se tornando interessante a partir do segundo refrão. Esta faixa, a meu ver, pedia guitarras estilo Final Masquerade. A versão acústica de Heavy, que a banda apresentou em direto no Facebook, no dia em que o single foi lançado, sempre tem um pouco mais de personalidade. Os desempenhos vocais, tanto de Chester como de Kiiara, são o melhor da canção, contudo.

 

 

A letra de Heavy fala, essencialmente, de ansiedade, depressão, paranóia, mas de uma forma demasiado vaga para que possamos levá-la a sério. Acaba, também, por se tornar algo repetitiva, embora não ao nível de Until It’s Gone, verdade seja dita.

 

Não consigo, portanto, gostar de Heavy, por muito que tente. É demasiado curta, tem pouca substância, cansativa após três ou quatro audições. Até Darker than Blood tem mais personalidade que isto. Não ficará na História. Não escondo que é uma desilusão que uma das minhas bandas preferidas - que inclui Chester Bennington e Mike Shinoda, duas das minhas pessoas favoritas no mundo da música - tenha produzido um primeiro single tão fraquinho.

 

Tal como referi no início deste texto, o álbum que inclui Heavy, One More Light, sai em maio. Os Linkin Park têm falado sobre este álbum há vários meses. Eu até estava a gostar das pistas que iam deixando - sobretudo o facto de as músicas supostamente se basearem nas vidas pessoais dos membros da banda. Cunho pessoal, por norma, é um ponto forte. No entanto, se Heavy é a ideia deles de música com cunho pessoal, mais valia terem ficado quietos.

 

Os membros da banda afirmaram, também, que o seu processo de composição mudou. Antes, eles começavam pela música em si, só depois criavam a melodia e escreviam a letra. Neste álbum, eles começaram pela melodia e pela letra - chegavam a gravar cantado sobre piano ou guitarra acústica. Depois, construíam o resto da música em torno dessa melodia. Sempre explica o facto de os vocais sobressaírem tanto em Heavy.

 

20170216_151621_10272_969202.jpeg

 

Tudo muito bonito e tal, mas eu suspeito que esta não seja a história toda. Em One More Light, os Linkin Park trabalharam  pela primeira vez com compositores sem serem membros da banda: nomes como Justin Parker (que trabalhou com Lana del Rey, Rihanna e Ellie Goulding, entre outros) e Julia Michaels (que trabalhou, entre outros, com Selena Gomez, Gwen Stefani e, de todas as pessoas, Britney Spears). Isto faz-me desconfiar de propósitos comerciais.

 

Os membros da banda adotaram logo uma postura defensiva nas redes sociais. Ainda antes do lançamento de Heavy, Mike afirmou no Twitter que “O género [musical] morreu”. Mais tarde, Chester partilhou um artigo que defende o direito de as bandas mudarem de estilo (não que eu, pelo menos, alguma vez tenha questionado esse direito...). Com tudo isto, é óbvio que a polémica não vai ficar por aqui, que o resto de One More Light será igualmente polarizante e a banda sabe-o.

 

Por muito que me irritem os puristas musicais, aqueles fãs que se recusam a aceitar que os seus artistas preferidos não gravem o mesmo álbum outra e outra vez… eu não sei se quero que os Linkin Park virem cem por cento pop. Sobretudo se for com tão pouca substância como Heavy. Eles sempre foram uma banda de experimentalismo, de teorias híbridas e tal. Contudo, tal como afirmou um YouTuber crítico musical que respeito muito no Twitter, longe de explorar novos territórios, Heavy é uma amostra do pop mainstream que enche a rádio dos dias de hoje. Sinceramente, Linkin Park é melhor do que isto.

 

C5AfE2oVcAA1ATf.jpg

 

Os Linkin Park continuam a ser uma das minhas banda preferidas, atrás de Paramore. A nossa relação tem quase dez anos e inclui dois concertos inesquecíveis. Entre outras coisas, não sou capaz de ser demasiado dura com uma banda que inclui um tipo que se veste como na fotografia acima e que diz que, se não estivesse na música, seria treinador de Pokémon (quem diria que um tipo cujo trabalho, cinquenta por cento das vezes, envolve gritar para um microfone poderia ser tão adorável…?).

 

Assim, vou dar-lhes o benefício da dúvida. Talvez Heavy seja a mais comercial do álbum, daí ser o primeiro single. Talvez as outras músicas tenham letras melhores e um som mais trabalhado. Quem sabe? Voltaremos a falar quando o álbum sair ou se lançarem outro single...

 

Pokémon através das gerações #5 - Indo às origens

part_4__hey_ho_sinnoh_by_justlex-d4stzei.jpg

 

Chegamos, finalmente, à parte da franquia que só conheci vários anos depois da sua estreia – a quarta e quinta gerações – quando já tinha chegado à casa dos vinte. Isso confere-me um grande viés, não apenas por, conforme já expliquei antes, a Internet esclarecia toda e qualquer dúvida que tivesse, mas também porque, quando joguei estes jogos, o seu sistema wi-fi já tinha há muito sido desativado. Não experimentei, assim, uma das maiores inovações desta geração: a possibilidade de combater e trocar Pokémon através da Internet quando joguei Pearl, Platinum e Heart Gold (só viria a fazê-lo nos jogos da sexta geração). Por esse motivo, não falarei muito dessa faceta do jogo.

 

Isto pode ter sido propositado, por os remakes das versões Gold e Silver estarem provavelmente já nos planos da Game Freak, mas existem várias semelhanças entre a quarta geração e a segunda. Uma dessas semelhanças é evidente se olharmos para os novos Pokémon: temos várias evoluções e pré-evoluções novas para Pokémon antigos, como acontecera nos primeiros jogos de Johto. Naturalmente, algumas são melhores e/ou mais necessárias do que outras, como em tudo, mas, no geral, considero isto um ponto forte. Sobretudo porque voltou os holofotes para diversos Pokémon que antes passavam quase despercebidos e/ou eram desvalorizados (por sinal, vários deles são nativos de Johto) – como Aipom, Misdreavus, Murkrow, Sneasel, Piloswine, Gligar, entre outros. Introduziu também duas Eeveelutions, o que para mim é naturalmente um ponto a favor. O reverso da medalha disto tudo é que, por comparação, foram introduzidos relativamente poucos Pokémon completamente inéditos.

 

Na verdade, esta é capaz de ser a minha geração preferida em termos de Pokémon. Tirando uns casos específicos que explicarei no fim do texto, gosto das novas evoluções de Pokémon antigos. Ao contrário de gerações anteriores, tirando Phione (que, mesmo assim, destaca-se por ser a primeira pré-evolução de um Lendário ou Mítico e a única até à sexta geração), desta vez não tenho nada contra os Pokémon bebés. O Bonsly e o Mime Jr. recebem, aliás, palmas por, respetivamente, esta e esta cena do filme do Lucario, um dos meus preferidos. De todos os voadores-tipo de cada geração, a linha de Starly é a minha segunda preferida. Ao Kricketune, chega-lhe o seu “cry” para se destacar. Toda a gente gosta do Garschomp. Gosto do Drapion, do Toxicroak e do Abomasnow, apesar de ainda nunca ter usado nenhum deles. E isto são apenas gostos no geral. Dos meus preferidos falarei mais adante.

 

part_4__hey_ho_sinnoh_by_justlex-d4stzei.jpg

  

Outra das semelhanças com a segunda geração prende-se com o foco na História e na mitologia. A quarta geração vai mais longe ao explorar as próprias origens do mundo Pokémon. Já fiz algumas referências a essa mitologia aqui no blogue, a propósito do filme centrado em Arceus. Segundo a Bulbapedia, este foi o primeiro Pokémon a existir, nascendo de um ovo num vortex de extremo caos. Este, de seguida, criou Dialga, para que regulasse o tempo, Palkia, para que regulasse o espaço, e Girantina oara que regulasse a antimatéria e que, pelo seu comportamento destrutivo, posteriormente foi banido para o Mundo da Distorção – já referi este Lendário antes, bem como as semelhanças que apresenta com o mito de Lúcifer. Arceus criou também o chamado Lake Trio/Trio dos Lagos, cada um representando uma característica diferente. Assim, Mesperit simboliza Emoção, Uxie simboliza Conhecimento e Azelf simboliza Força de Vontade.

 

Já que falo neste trio, devo dizer que as equipas em Pokémon Go parecem seguir temas semelhantes aos do Lake Trio. A Team Valor (da qual faço parte) valoriza a força e o poder natural dos Pokémon, caracterizam-se pela competitividade – o que condiz com a Força de Vontade de Azelf. O lago onde Azelf vive chama-se Lake Valor e tudo. A Team Mystic valoriza o conhecimento e a lógica – o que condiz, naturalmente, com Uxie. O paralelismo não é tão claro no que toca a Mespirit e à Team Instinct, que valoriza os instintos, mas pode-se argumentar que estes se assemelham a emoções. Não sei se estas semelhanças entre o Lake Trio e as equipas de Pokémon Go foram propositadas. De qualquer forma, estas três virtudes (cérebro, coração e coragem) costumam aparecer em conjunto frequentemente em vários sítios, quer em mitologia, quer na ficção – o Feiticeiro de Oz é o exemplo mais óbvio.

 

part_4__hey_ho_sinnoh_by_justlex-d4stzei.jpg

  

Uma curiosidade: nos meus jogos, costumo chamar Tai ao Azelf, Izzy ao Uxie e Sora ao Mespirit.

 

Regressando à criação do mundo Pokémon, depois do trabalho de Arceus, Palkia, Dialga e Girantina ter criado as dimensões como são conhecidas, com tempo e espaço, Groudon criou os continentes, Kyogre criou os oceanos e Regigigas ficou encarregado de mover as placas tectónicas. Não tenho fontes sobre o seguinte, mas assumo que, a certa altura, Xerneas e Yveltal tenham sido criados, o primeiro para dar vida aos humanos e Pokémon criados por Arceus. O segundo para lhes conferir mortalidade, como forma de manter o equilíbrio no ecossistema.

 

Não é muito claro onde é que Mew (que se assume ser o ancestral de todos os Pokémon, por conter o DNA de todos eles) e os outros Lendários se encaixam nesta teoria. Uma hipótese possível é Mew ter sido, na verdade, o primeiro Pokémon a ser criado por Arceus, usando-o, depois, para criar todos os outros. Quanto aos outros Pokémon Lendários/Míticos, tirando casos como Mewtwo (que foi criado pelo Homem), suponho que terão um estatuto semelhante a deuses menores ou divindades locais, a quem foram atribuídos domínios e/ou terras para governarem ou protegerem – embora, nesta fase, já exista redundância nas funções dos Lendários.

 

O que me leva a uma crítica a esta geração: o número absurdo de Lendários. Temos nove no total, e não conto com os chamados Pokémon Míticos.

 

635915373538545347-1720843006_Screen Shot 2016-02-

 

Suponho que esta seja uma boa altura para referir a diferença entre Lendários e Míticos. A segunda designação é usada oficialmente para referir “Pokémon que são avistados tão raramente no mundo Pokémon que muitos questionam a sua existência”. Na prática, os Míticos são Pokémon que não é possível capturar normalmente nos jogos – exigem a participação em eventos ou, então, recorrendo a glitches (como o famoso glitch do Mew). No caso da quarta geração, os Pokémon Míticos são três: Darkrai, Shaymin e Arceus.

 

Confesso que não acho grande piada ao conceito. Ao longo das gerações, estes Pokémon vão sendo apresentados com cada vez menos histórias associadas e sem ligação ao resto do jogo. O evento de Celebi de Heart Gold e Soul Silver (de que voltaremos a falar mais adiante), por exemplo, revelou uma história até à altura desconhecida, envolvendo Giovanni e o rival Silver. Além disso, obtê-los não depende do esforço do jogador, como nos Lendários propriamente ditos (que sempre exigem uma estratégia envolvendo, por exemplo, False Swipe, um ataque que induza Sono e pelo menos cinquenta Ultra Balls). Em vez disso, depende de estarmos no lugar certo à hora certa para os eventos (ou seja, é uma questão de sorte). E hoje já nem isso é preciso: basta ter wi-fi. Como nas distribuições mensais do último ano, pelo vigésimo aniversário da franquia. Mew pode ter sido determinante para o sucesso dos jogos da primeira geração (consta que, quando circulou o rumor de que havia um Pokémon secreto escondido no código dos originais Red&Green, as vendas dispararam), mas, na minha opinião, os Pokémon Míticos tornaram-se demasiado anticlimáticos.

 

Dos muitos Lendários desta geração, queria chamar a atenção para Regigigas. O caso dele é interessante pois encontra-se ligado diretamente a Lendários de uma geração anterior (tanto quanto sei, é um caso único). Ele criou o trio Regi, pertencente à terceira geração – interrogo-me se ele terá recolhido as rochas de várias partes do mundo e o gelo dos pólos para criar, respetivamente, Regirock e Regice enquanto movia as placas tectónicas (este cartoon, que ilustra a criação do trio Regi, derrete-me o coração). Já em Ruby, Sapphire e Emerald existem referências a Regigigas. Numa das mensagens de braille, pode ler-se: “Nesta caverna vivemos. Devemo-lo tudo ao Pokémon. Mas trancámos o Pokémon. Temíamo-lo. Quem tiver coragem, quem tiver esperança. Abra uma porta. Um Pokémon eterno aguarda.” Tendo em conta que os três Regi são necessários para aceder a Regigigas (não apenas nos jogos de Sinnoh, também em Black2&White2 e em Omega Ruby e Alpha Sapphire), é possível deduzir, a partir desta mensagem, que, em tempos, o povo selou Regigigas no templo de Snowpoint, em Sinnoh, e escondeu os três Regi – as três chaves – em Hoenn. Assim, Regigigas só seria libertado por alguém suficientemente astuto. Regigigas individualmente não é nada de especial – a sua habilidade, Slow Start, prejudica-o muito – mas a sua história é fascinante, na minha opinião.

 

fond-ecran-pokemon-go-02.jpg

 

Outro dos pontos fortes destes jogos diz respeito a Cynthia, a Campeã de Sinnoh. Muitos fãs consideram-na a melhor Campeã de toda a franquia. Eu sinto-me particularmente satisfeita por esse estatuto pertencer a uma mulher… mas, por outro lado, o estatuto de pior Campeã também pertence a uma mulher (NOTA: Aquando deste texto, ainda não completei nem Sun nem Moon e, como tenho procurado evitar spoilers, ainda não sei quem é a(o) Campeã(o) de Alola). Cynthia tem um papel ativo no enredo destes jogos, sobretudo de Platinum, como estudiosa da mitologia da região e mentora do protagonista. Ganhou, no entanto, o respeito da comunidade de fãs ao possuir a equipa mais difícil de toda a franquia, com nada menos que os melhores Pokémon disponíveis na geração como, por exemplo, Lucario, Garchomp, Spiritomb (que possui uma combinação de tipos que, antes da introdução do tipo Fada, não tinha fraquezas), Togekiss e Milotic. O seu tema de combate também é muito apreciado. Por fim, gosto muito do seu visual, ao mesmo tempo sóbrio e majestoso. Bonita, sábia e poderosa, não se podia pedir mais nada.

 

Passamos, agora, aos defeitos de Diamond, Pearl e Platinum. Sinnoh é capaz de ser a região mais confusa e difícil de explorar até ao momento. O percurso que temos de fazer ao longo do jogo é muito pouco linear, com muitas estradas bloqueadas sem motivo aparente. Percurso, esse, que é dificultado ainda mais, sem necessidade, por estradas com lama, neve e, sobretudo, nevoeiro.

 

Esta última condição meteorológica é capaz de ser a pior ideia que alguma vez tiveram em Pokémon. O nevoeiro só pode ser eliminado recorrendo ao HM Defog, o que já de si é uma chatice (obriga-nos a desperdiçar um ataque dos dos nossos Pokémon) mas, para piorar, só é obtido numa área lateral do percurso do jogo – ou seja, pode passar ao lado de muitos jogadores. Passou-me ao lado quando joguei Pearl. Sem este HM, temos de combater no meio do nevoeiro, o que reduz a visibilidade dos Pokémon – ou seja, perdemos anos de vida à espera que os nossos Pokémon acertem um ataque.

 

Tudo isto, mais a menor velocidade das animações em comparação com outros jogos da franquia, torna estes jogos extremamente lentos.

 

fond-ecran-pokemon-go-02.jpg

 

A própria região de Sinnoh em si é pouco interessante, com muitas cidades esquecíveis, bem como os líderes de ginásio – tirando Fantina, o Crasher Wake e o último, do tipo elétrico, com uma crise existencial, não consigo lembrar-me de nenhum, tirando os gym puzzles.

 

Uma coisa que me irritou quando joguei Pearl pela primeira vez foi a falta de Pokémon de Fogo. Eu não quis usar o Chimchar (mais um do tipo Fogo/Luta), mas os únicos disponíveis eram Ponytas. Não que desgoste do Pokémon, mas este, em termos de stats, é Physical, mas não aprendem nenhuns ataques de Fogo desse género até ao nível quarenta. O mais estúpido é que, noutras versões, aprende o Flame Wheel ao nível 17. Parece que fizeram de propósito para chatear.

 

Por sua vez, o Team Galatic é capaz de ser uma das piores equipas vilãs até agora, rivalizando com o Team Flare. A larga maioria dos seus membros não parece saber ao certo o que está a fazer, nem o levam a sério. O seu líder Cyrus até tinha potencial como personagem (este vídeo prova-o), mas este, nos jogos, nunca ultrapassa a sua unidimensionalidade. O clímax da luta contra o Team Galatic, em Diamond e Pearl, acaba por ser… bem, anticlimático. Depois de, em Hoenn, termos chegado a ver o princípio do Apocalipse, em Diamond e Pearl, limitamo-nos a capturar Dialga ou Palkia, respetivamente.

 

635915373538545347-1720843006_Screen Shot 2016-02-

 

Muitos dos problemas de Diamond e Pearl (não todos), de qualquer forma, foram corrigidos em Platinum. No clímax, por exemplo, em vez de nos limitarmos a capturar o Lendário na capa do jogo, vamos até ao Mundo da Distorção, com leis físicas muito próprias.

 

Agora, como já é costume, falamos sobre a música em Diamond, Pearl e Platinum. A banda sonora de Sinnoh é um pouco subvalorizada, pela experiência que tenho – não possui o carácter nostálgico da música os primeiros jogos de Kanto, ou as trompetes de Hoenn ou a variedade de Unova, pelo que passa um pouco despercebida nas opiniões dos fãs. No entanto, na minha opinião, a música de Sinnoh não fica nada atrás das restantes. Nenhum jogo Pokémon (da série principal, pelo menos) tem uma banda sonora má e eu tenho sempre uma mão cheia de temas preferidos em cada jogo.

 

Em Sinnoh, gosto particularmente dos temas de combate. Desde os temas mais tocados, de combates com treinadores e Pokémon selvagens, aos temas mais especiais, como os dos Lendários e os da Campeã Cynthia, que já referi antes. Só há bem pouco tempo, com este vídeo, é que consegui identificar o instrumento comum a quase todos estes temas: o saxofone. Gosto, por exemplo, da sua melodia brincalhona na música de combate com treinadores comuns. Todo esse tema é, de resto, uma conjugação perfeita do saxofone, do baixo e do piano, com cada instrumento tendo o seu momento para brilhar. O é tão alegre e hiperativo como o próximo Barry – destaque para o xilofone (?). E como diz Ron, o autor do vídeo que referi acima, nunca um piano soou tão ameaçador como na música de Dialga e Palkia.

 

fond-ecran-pokemon-go-02.jpg

  

Fora da música de combate, outro tema de que gosto muito é o da Route 201, a primeira de Diamond, Pearl e Platinum. Em todos os jogos, os temas das primeiras routes são sempre inocentes, alegres, quase infantis. Faz sentido tendo em conta que a nossa personagem, nos jogos, é uma criança de dez anos, dando os seus primeiros passos como treinador(a) numa região desconhecida. O tema da Route 201 faz mais do que isso: é inocente, reconfortante, mas também esperançoso. Como que a dizer que estamos a entrar num lugar maravilhoso: o incrível mundo dos Pokémon. Atrevo-me a dizer que este é o melhor tema de primeira route de toda a franquia – apesar de os temas da primeira e segunda geração não andarem muito longe, tanto pela qualidade como pelo valor nostálgico.

 

Outro tema de que gosto imenso é o do Game Corner. Eu já tinha ouvido este tema em vídeos do YouTube, mas pensava que pertencia à quinta geração. É tão... moderno. Parece música de discoteca! Acreditem, há uns quatro ou cinco anos, o último sítio onde esperaria ouvir música deste género seria em jogos Pokémon.

 

Tenho, como poderão concluir, uma opinião mista relativamente aos jogos de Sinnoh. Por sua vez, os remakes de Johto, Heart Gold e Soul Silver, são considerados por quase todos dos melhores da franquia. Eu concordo. Para além dos pontos fortes que herdaram dos jogos originais, HGSS acertaram em tudo em que FireRed e Leaf Green falharam. Enriqueceram Johto e Kanto relativamente aos jogos originais. Acrescentaram o Safari Zone e a Embedded Tower. Incluíram Mewtwo, Articuno, Zapdos e Moltres, mais ou menos nos sítios devidos. Transformaram o Mt. Silver numa montanha nevada, o que tornou a escalada para encontrar Red ainda mais épica (o episódio The Climb, de Arrow, recordou-me Mt. Silver). Corrigiram os níveis baixos dos líderes de ginásio em Kanto. Introduziram a opção de tornar a combater contra cada um dos dezasseis líderes de ginásio. E, sobretudo, introduziram a mecânica de ter um dos nossos Pokémon de fora da Pokébola, seguindo-nos. Toda a gente adorou isso e têm, desde essa altura, suplicado pelo regresso dessa mecânica aos jogos. O mais perto disso que recebemos foi o Buddy System em Pokémon Go.

 

2016 - 1.jpg

  

Outra das coisas que fizeram bem em HGSS foi desenvolverem o enredo e as personagens relativamente aos jogos originais – como os Executivos do Team Rocket, que ganham nomes e rostos diferenciados. O exemplo mais flagrante, no entanto, é a do rival. Ao contrário do que aconteceu nos jogos originais, desta feita houve crescimento de Silver como personagem ao longo do jogo tornando-se, na minha opinião (e não só), no melhor rival de toda a franquia.

 

No início de HGSS, não sabemos nada sobre Silver. Só muito mais tarde no jogo, no evento de Celebi (e, agora, no episódio de Pokémon Generations, The Legacy) é que descobrimos que ele é, na verdade, filho de Giovanni, líder do Team Rocket. Três anos antes dos eventos de HGSS, depois de ser derrotado pelo protagonista dos jogos de Kanto, Giovanni decide dissolver o Team Rocket e partir para o exílio, deixando o filho para trás. Silver acusa o pai e os membros do Team Rocket de agirem em grupo para disfarçar fraquezas individuais. O jovem procura fazer o oposto, procura singrar sozinho sem depender de ninguém.

 

Tal como escrevi no meu texto sobre Generations, esta é uma posição legítima. No entanto, Silver recorre aos métodos errados, os mesmos métodos a que Giovanni recorreria: rouba o seu primeiro Pokémon, trata-o, a ele e aos outros que captura, como meras ferramentas, despreza aqueles que considera fracos.

 

Várias pessoas tentam alertar Silver para a maneira como ele trata os seus Pokémon, tais como o ancião na Sprout Tower e Lance. De início, o nosso rival faz ouvidos de mercador. No entanto, como vai perdendo constantemente para o seu rival, a partir de certa altura, começa a pensar que talvez os outros tenham razão e muda a sua atitude.

 

2016 - 1.jpg

  

Outro Pokétuber de que gosto muito apresentou uma perspetiva interessante sobre Silver. Enquanto outros rivais, como Blue Oak e Barry, estão nos jogos para nos guiar, Silver está nos jogos para que nós possamos guiá-lo, ensinar-lhe a maneira correta de se ser treinador. E os resultados veem-se. Perto do fim do jogo, vemos que o Golbat de Silver evoluiu para Crobat – uma evolução que só ocorre por amizade. Quando o encontramos no Dragon’s Den, além disso, vemos que o seu starter caminha atrás de si, fora da Pokébola – sinal de que Silver se afeiçoou a ele. Silver chega mesmo a tentar devolver o seu starter ao professor Elm. Este recusa, pois vê que o Pokémon já está muito ligado ao seu treinador, logo, não faz sentido que regresse ao seu laboratório.

 

Um aparte só para referir que, às tantas, Silver não precisava de ter roubado o seu primeiro Pokémon. Acho que o professor Elm lho daria, se Silver o pedisse. Não havia necessidade…

 

Se considerarmos o episódio de Generations como parte do cânone dos jogos, depois dos eventos de HGSS, Silver decide combater por crachás e desafiar a Elite 4. Nesta fase, tal como escrevi antes, Silver nunca foi tão diferente de Giovanni. Não só porque conseguiu chegar à Elite 4 da maneira como queria – sozinho, com os seus Pokémon – mas também porque procurou corrigir os erros que cometeu, aprendeu a respeitar e a valorizar os seus Pokémon. A sua personalidade não mudou para além do realista. No entanto, Silver evoluiu mais do que qualquer outro rival na franquia e muito mais que Giovanni, seu pai. Tal como tenho vindo a repetir, tais evoluções são a essência de Pokémon.

 

Outra das coisas que HGSS fez bem foi incorporar elementos de Crystal (que continua a ser o meu jogo preferido), nomeadamente Eusine e a possibilidade de se capturar Suicune. Eusine aparece ainda mais caricaturado que em Crystal, como um autêntico fan boy de Suicune. Sempre prolongou o enredo um bocadinho mais, até mais ou menos a meio de Kanto. Além de que ter um Lendário como stalker é sempre lisonjeador… acho eu.

 

2016 - 1.jpg

  

Como já referi antes, a banda sonora da segunda geração é a minha preferida. No entanto, na minha opinião, tirando um caso ou outro, HGSS não faz justiça aos temas originais. Em compensação, depois de se completar o jogo, ganhamos o item GB Sounds, que substitui a banda sonora pela de Gold, Silver e Crystal.

 

Existem, no entanto, algumas pequenas falhas em HGSS. Para começar, como já referi antes, chateia-me imenso que tenham substituído a protagonista feminina de Crystal por uma que mais parece uma miúda de cinco anos. Introduziram, aliás, um segundo rival – o protagonista do sexo oposto ao que escolhemos  que não chega a sê-lo. Funciona mais como guia do que como outra coisa qualquer. Fiquei com a impressão de que o Concurso de Insetos estava mais difícil – o que chateia ainda mais se tivermos em conta que, na segunda metade do jogo, estes concursos são a única maneira de ganhar certas pedras de evolução.

 

Embora continue a preferir Crystal, mais por uma questão de nostalgia, concordo quando muitos afirmam que HGSS são dos melhores jogos da franquia. São definitivamente os melhores remakes até ao momento: já falei sobre os desapontantes Fire Red e Leaf Green, sobre Omega Ruby e Alpha Sapphire falarei mais tarde. E, na minha opinião, pelo menos metade dos pontos fortes destes jogos veem dos originais. Só prova que eu tenho razão: a segunda geração é a melhor de todas!

 

pokemon_lugia_soul_silver_hooh_2560x1600_animalhi.

 

A ideia que eu tenho da quarta geração é, na verdade, que ela se apoia muito nas anteriores. Tirando um aspeto ou outro – nomeadamente a introdução do wi-fi – esta geração não inovou por aí além, não arriscou muito. Não que isso seja uma coisa má. Mas não surpreende que, depois dela, a Game Freak tenha querido fazer algo diferente, criando uma geração que, na minha opinião, é o completo oposto da quarta. Explicarei porquê no próximo texto de Pokémon através das gerações.

 

Aproveito, desde já, para dizer que a próxima entrada desta série deverá demorar. Tenho uns quantos textos que quero escrever e publicar antes (incluindo, muito provavelmente, a análise ao próximo filme de Digimon Adventure Tri). Só depois começarei a escrever sobre a quinta geração. Isto está a demorar muito mais tempo do que esperava – o meu plano era escrever e publicar sobre as seis gerações e Pokémon Go ao longo do verão de 2016 mas, por este caminho, o último texto deverá ser publicado um ano após o primeiro. Paciência. Como, de resto, quero ver se eu e a minha irmã acabamos Sun algures nas próximas semanas, talvez esta série já inclua considerações sobre a sétima geração.

 

Concluímos este texto, como já vai sendo tradição, com os meus Pokémon preferidos e os de que menos gosto.

 

Pokémon preferidos:

 

  • Lucario e Gallade

fond-ecran-pokemon-go-02.jpg

  

Estes não deverão surpreender quem já tenha lido textos anteriores meus sobre Pokémon no meu blogue. Lucario é o protagonista de um dos meus filmes preferidos de Pokémon. Além disso, toda a gente concorda que, em combate, é um dos melhores, com bons stats e uma grande versatilidade.

 

Gallade é a evolução masculina de Ralts, ou seja, é o homólogo masculino de Gardevoir – uma das minha preferidas da terceira geração. Os motivos pelos quais gosto de Gallade são, aliás, os mesmos pelos quais goste de Gardevoir e, também, de Lucario: por os três serem Pokémon nobres, leais, que valorizam a honra e o dever e, pelo menos no caso de Gallade e Gardevoir, serem ferozmente protetores daqueles que amam. O nome Gallade é, até, parecido com Galahad, um dos Cavaleiros da Távola Redonda, das lendas arturianas. Num combate duplo, Gallade faria um bom par tanto com Gardevoir como com Lucario.

 

  • Togekiss

 

fond-ecran-pokemon-go-02.jpg

 

Conforme dei a entender antes, eu tenho um fraquinho pelo Togepi: uma criatura tão amorosa, é uma coisa parva. Sobretudo em miúda, gostava de incluir Togepis na minha equipa. No entanto, apesar de amoroso e tal, nem o Togepi nem a sua evolução, Togetic, eram muito úteis em combate.

 

A quarta geração veio, felizmente, mudar isso ao introduzir Togekiss. Este possui  bons Special Attack e Special Defense, podendo aprender ataques interessantes como o Aura Sphere e o Sky Attack – isto antes de criarem o tipo Fada. Isto deixa-me feliz pois, agora, tenho uma desculpa para conservar o Togepi que recebemos em HGSS.

 

  • Torterra

 

fond-ecran-pokemon-go-02.jpg

 

Já tinha escrito antes que, nos últimos anos, ganhei apreço pelo tipo Terra, devido à sua versatilidade. Torterra, a evolução final do Turtwig, o meu starter em Platinum, foi um dos Pokémon que forneceu argumentos para essa apreciação. Diverti-me imenso usando-o. Eu sei que é um dos starters mais lentos, mas, como obtemos o Quick Claw bastante cedo no jogo, isso acaba por não ser assim tão grave.

 

Por outro lado, quando o vi pela primeira vez, soube logo que tinha sido inspirado pela teoria na tartaruga cósmica para explicar a ocorrência de sismos. Segundo esta teoria, a Terra estaria apoiada na casca de uma tartaruga gigante. Os sismos ocorreriam quando a tartaruga se mexesse demasiado e abanasse a Terra. Explica tanto o desenho como o tipo Erva/Terra. Além disso, segundo a Pokédex, outros Pokémon por vezes fazem ninho na casca de um Torterra – o que acho pura e simplesmente adorável.

 

 

Pokémon de que não gosto:

 

  • Stunky/Skunktank

 

Um Pokémon doninha, cujo cry se assemelha a um ruído de flatulência, que em HGSS aparece com o rabo para a frente? Não obrigado.

 

 

  • Rhyperior

 

Conforme referi acima, a quarta geração apostou muito em evoluções e pré-evoluções novas de Pokémon conhecidos. Existiram, contudo, algumas desnecessárias, como Tangrowth e Lickilicky. Há apenas uma de que não gosto mesmo: Rhyperior. Em termos de desenho é uma mudança radical em relação a Rhydon e, sinceramente, ridícula.

Top 10 Pokémon Generations #2

Segunda parte do meu top 10 de episódios de Pokémon Generations. Primeira parte aqui

 

5) The Cavern (A Caverna)

 

FB_IMG_1485869165871.jpg

 

Este episódio, The Cavern, resume-se de uma forma bastante simples. Foca-se no Team Aqua e no seu líder Archie. Este último encontra o Lendário Kyogre. Prepara-se para assumir controlo sobre ele quando Shelly aparece, a correr, para avisá-lo que que os seus planos resultarão numa catástrofe de proporções épicas. Archie ignora-a, claro, e os resultados são os esperados: Kyogre reverte para a sua forma primitiva e despoleta um dilúvio. Quando, mais tarde, Archie se apercebe do erro que cometeu (de que estava ele à espera, sinceramente?) e tenta ordenar a Kyogre que páre com aquilo, o Lendário volta-se contra ele.

 

Tal como referi quando falei de The Vision, na minha opinião, esse e The Cavern funcionam como um par. E, de facto, a ideia com que fico é que este é uma sequela a The Vision, que decorre na realidade de Omega Ruby, em que o Team Magma é a principal organização vilanesca, mas na realidade de Alpha Sapphire, em que o Team Aqua é a organização vilanesca (não vou entrar nas realidades e cronologias alternativas em Pokémon, que isso daria azo a um testamento inteiro à parte). Um aspeto que acho curioso é o facto de o Team Aqua ser a antítese do Team Magma, de certa forma: o líder é o louco e os subalternos são os sensatos. Mais uma vez, a subalterna feminina é a primeira a aperceber-se das consequências catastróficas que os planos dos seus líderes poderão ter. Shelly percebe-o, não graças a uma visão (que é consistente com a personalidade mais excêntrica de Courtney), mas de uma maneira bem mais prosaica: pesquisando no Instituto Meteorológico.

 

Pode-se especular se, depois de Vision, Courtney procurou avisar o seu líder, Maxie, sobre a visão que teve. No entanto, Shelly, mais sensata, avisaria sempre Maxie. Não que isso tenha valido de muito, pobre Shelly…

 

Por fim, destacar o remix do tema do Trio Groudon/Kyogre/Rayquaza - que, como referi no meu texto sobre a terceira geração, é o meu tema preferido de Hoenn. Se havia um tema musical em Pokémon que precisava de uma versão com um coro dramático era este. Daí que The Cavern esteja várias posições acima de The Vision nesta lista, apesar de estes episódios serem bastante semelhantes.




4) The King Returns (O Rei Regressa)

 

FB_IMG_1485869354254.jpg

 

O Senhor dos DNA Splicers, o Regresso do Rei… não? Ok, vou calar-me.

 

The King Returns decorre no Giant Chasm, onde Ghetsis aguarda, com Kyurem. Aquele por quem espera aparece rapidamente: N, com Reshiram. O antigo rei do Team Plasma exilara-se após a primeira derrota da organização, dois anos antes. Regressava agora, para salvar Kyurem e toda Unova de Ghetsis e do Team Plasma. Quem estiver familiarizado com o enredo de Black2&White2, saberá que esta era, desde o início, a intenção de Ghetsis: ele capturara Kyurem e congelara Opelucid City para atrair N e Reshiram. E agora, que finalmente os encontrara, podia executar o seu plano: usar os DNA Splicers para fundir Reshiram com Kyurem, obtendo o White Kyurem.

 

Não sei se sou a única, mas sempre achei a cena da formação, quer do Black Kyurem quer do White Kyruem, assustadora: ver Kyurem atacando Zekrom ou Reshiram, estes tentando fugir mas sem conseguirem escapar à fusão. É por esta cena que acho que nunca serei capaz de usar os DNA Splicers eu mesma, nos jogos. The King Returns faz justiça a esse momento - até por recorrer ao um remix do tema de combate de Ghetsis em Black&White.

 

Ghetsis ordena a White Kyurem que ataque N. Este tenta apelar a Reshiram e, aparentemente, é bem sucedido, pois White Kyurem hesita. Esta hesitação despoleta o mau génio de Ghetsis. N volta-se para ele, chama-lhe Pai, tenta apelar à sua humanidade, se é que Ghetsis tem alguma (pontos para o tema de N, que toca no fundo). Sem sucesso. Ghetsis responde com ainda mais crueldade. Ordena novo ataque e, desta feita, White Kyurem obedece. É então que aparece Hilbert, o protagonista masculino de Black&White, montado no seu Zekrom, para salvar o dia - N incluído.

 

tumblr_ok8v9ds0dI1sr18e6o1_1280.png

  

Este último desenvolvimento é o ponto forte de The King Returns. Este, até ao momento, não se desviara radicalmente do enredo original - o diálogo entre Ghetsis e N é quase um copy/paste dos jogos. No que toca à quinta geração, no entanto, isso não é uma coisa má por si só: em termos de matéria-prima para estes episódios, os jogos de Unova encontram-se entre os melhores.

 

No entanto, a entrada em cena de Hilbert, para além de conferir maior interesse ao episódio, ata uma ponta solta da quinta geração. Em Black2&White2, descobrimos que o protagonista de Black&White partira à procura de N, após os eventos de dois anos antes. Não há nenhuma indicação nos jogos que Hilbert (ou Hilda) o tenha encontrado - segundo a mãe dele(a), ele(a) nunca mais voltou a casa, o que me parte um bocadinho o coração. Generations, ao menos, oferece um cânone em que Hilbert (não Hilda, que pelos vistos as protagonistas femininas não existem neste universo) volta a ver N de novo. Faz mais do que isso: salva-lhe a vida e alia-se a ele para, mais uma vez, derrotarem Ghetsis (a título definitivo, espera-se) e salvarem Unova.

 

3) The Beauty Eternal (A Beleza Eterna)

 

Chegamos, então, ao pódio de Generations. Tenho de confessar, no entanto, que as diferenças entre estes três episódios são mínimas - mudei várias vezes de ideias em relação à ordem deste pódio. No entanto, estes três episódios estão num patamar acima de todos os outros em Generations, ainda que por motivos diferentes.

 

FB_IMG_1485869449089.jpg

 

The Beauty Eternal foca-se em Lysandre. Quem conheça os jogos X&Y saberá que este é o vilão, líder do Team Flare. No entanto, The Beauty Eternal não o retrata dessa forma, pelo menos não de início. Pelo contrário, Lysandre surge como o Steve Jobs de Kalos. Vemo-lo apresentando o mais recente gadget da Lysandre Labs, o Holo Caster (toda a gente odeia este nome, por motivos óbvios). Gadget esse que é um sucesso imediato. Lysandre também faz questão de fazer doações ao hospital - muito provavelmente para manter uma imagem pública favorável.

 

Vemos, também, que Lysandre mantém relações de amizade com outras pessoas importantes, como Diantha - estrela de cinema e campeã de Kalos. (Também sabemos, dos jogos, que Lysandre é amigo do Professor Sycamore, mas este último não aparece em Generations). A conversa que ela tem com Lysandre (mais uma vez, quase um copy/paste dos jogos) é desconcertante por dois motivos. Em primeiro lugar, Lysandre dá a entender que, na sua opinião, o dever de Diantha, como atriz, é manter-se para sempre jovem e bonita. Não consigo deixar de pensar que demasiadas pessoas de Hollywood pensam da mesma maneira. Em segundo lugar - sendo isto mais relevante para o episódio - Lysandre afirma, casualmente, que “acabaria com o Mundo num instante só para preservar a sua beleza”. É claro que Diantha não o leva a sério.

 

Pelo meio, vemos Malva como pivô de notícias. Sabemos, dos jogos, que, para além disso, Malva pertence à Elite 4… e ao Team Flare.

 

tumblr_ok8v9ds0dI1sr18e6o1_1280.png

  

Entretanto, os jornalistas começam a perguntar a Lysandre sobre um tal “projeto Y” - Lysandre, obviamente, não responde. Nem as pessoas trabalhando diretamente com ele sabem que projeto é esse. Mas quando vemos aquela que, nos jogos, é conhecida como a “arma suprema” (ultimate weapon), com Yveltal nela aprisionado, confirma-se aquilo que a audiência já sabia dos jogos: Lysandre, o grande ídolo de Kalos, o Steve Jobs lá do sítio, planeia matar toda a gente. Literalmente.

 

The Beauty Eternal faz, assim, um bom trabalho ao retratar a sociedade de Kalos: uma sociedade bela e glamourosa mas superficial e corrupta. De que outra forma se explica que tivessem deixado um psicopata como Lysandre ganhasse tanto poder? (O que, infelizmente, me faz pensar no que está a acontecer neste momento, no mundo real…). O que mais me frustra relativamente aos jogos de Kalos, de resto, é o facto de, como vemos, a região até ter uma história com potencial que X&Y não foi capaz de concluir satisfatoriamente… mas isso é conversa para outra ocasião.



2) The Legacy (O Legado)

 

FB_IMG_1485869520382.jpg

 

Chegamos, agora, ao segundo lugar desta lista e encontramos The Legacy, protagonizado por Silver, o rival dos jogos de Johto, e Looker. Não cheguei a falar de Silver  no meu texto sobre a segunda geração porque a personagem só foi decentemente desenvolvida nos remakes Heart Gold e Soul Silver. Falarei, portanto, sobre ele quando escrever sobre a quarta geração.

 

Silver é o protagonista de The Legacy, que é abordado por Looker (atentem à versão melancólica do tema de rival da segunda geração, que no fim muda para um tom triunfal). Este faz-lhe perguntas sobre o seu pai… nada mais nada menos que Giovanni, o líder dos Team Rocket, que Looker persegue há pelo menos três anos. Devo dizer que Looker mostrou um pouco de falta de tacto ao fazer perguntas tão diretas a Silver. Pedir a alguém que denuncie um familiar ou amigo é algo que nunca deveria ser feito de ânimo leve - Looker deveria sabê-lo. É uma questão de bom senso.

 

O jovem, no entanto, não parece levar a mal as perguntas de Looker. Mostra-se, aliás, mais amigável do que aquilo que conhecemos dele dos jogos… mas continua longe de ser uma pessoa simpática e calorosa. Nota-se, aliás, que ele menospreza Looker pela sua busca por Giovanni. Acho que podemos assumir que este episódio decorre depois dos eventos do enredo da segunda geração - isto é, após Silver ter ganho afeição aos seus Pokémon e de ter tentado devolver o starter que roubou ao professor Elm. The Legacy dá a entender que, depois disso, Silver decidiu combater pelos crachás de Johto, qualificando-se para a Liga Pokémon.

 

tumblr_ok8v9ds0dI1sr18e6o1_1280.png

  

É possível que nem todos os fãs soubessem que Silver é filho de Giovanni, uma vez que isso só foi confirmado oficialmente no evento de Celebi. (Há quem especule, por sua vez, que a sua mãe seja Ariana, uma dos Rocket Executives). O último diálogo entre Silver e Giovanni é essencialmente o mesmo que ocorre nesse evento. Esta conversa, de qualquer forma, mostra uma perspetiva intrigante sobre Giovanni: o facto de ele precisar de um grupo de pessoas às suas ordens para conseguir o que quer. Naturalmente, Silver quer fazer o oposto, quer fazer tudo ele mesmo, sem depender de ninguém. É uma posição legítima. No entanto, durante muito tempo, o jovem recorre aos métodos errados - métodos esses que acabam por não diferir muito aos que o pai usaria.

 

Silver não se mostra muito interessado em colaborar com Looker e não é difícil pensar em motivos para isso: restos de afeição pelo pai, não querer ver-se envolvido nos esquemas dele, achar que não vale o esforço já que, de qualquer forma, a organização criminosa dissolveu-se outra vez. De qualquer forma, a verdade é que, no momento deste episódio, Silver nunca foi mais diferente do seu pai. O jovem procurou corrigir os erros que cometeu, aprendeu a respeitar e a valorizar os seus Pokémon e ganhou os crachás necessários para a Liga de forma legítima (quero acreditar nisso, pelo menos). Tornou-se melhor treinador, melhor pessoa, que Giovanni alguma vez será. Isso, de resto, é a essência de Pokémon, tal como afirma uma citação que utilizei antes: "O coração da história de Pokémon não é combater e competir - é o espírito de crescer, explorar a natureza e ver o mundo de modo a tornarmo-nos pessoas melhores". Silver é um dos muitos bons exemplos disso e é por estas e por outras que o considero o melhor rival de toda a franquia.



1) The Scoop (O Exclusivo)

 

tumblr_ok8v9ds0dI1sr18e6o1_1280.png

  

Eis, então, o primeiro lugar desta lista. Os protagonistas de The Scoop são Gabby e Ty, a dupla de repórteres que encontramos frequentemente nos jogos de Hoenn. Estes invadem o Centro Espacial de Mossdeep, à procura de informações sobre a destruição do meteorito que estivera em rota de colisão com a Terra (ou qualquer que seja o nome do planeta onde decorre a ação de Generations). Gabby consegue encontrar um ficheiro de vídeo que mostra o protagonista dos jogos de Hoenn (não dá para ver se é Brendan ou May, a protagonista feminina) voando montado no Mega Rayquaza ao encontro do meteorito. Aí, o episódio reproduz a cena do Delta Episode de Omega Ruby e Alpha Sapphire, em que o Mega Rayquaza destrói o meteorito, revelando uma icónica placa triangular, que se transforma no Deoxys.

 

O encontro e combate com o Deoxys já é um dos momentos mais épicos de Omega Ruby e Alpha Sapphire. Em Generations, como não têm de respeitar as mecânicas rígidas dos jogos,  com os movimentos limitados e os ataques à vez, conseguem elevar o combate entre o Deoxys e o Mega Rayquaza a um nível ainda maior, mais dinâmico e eletrizante. Gostei do pormenor do treinador (ou treinadora) saltando para o satélite e assistindo ao combate a partir daí - algo que não sei se seria possível na ausência de gravidade, contudo. E, tal como acontece nos jogos, a banda sonora eleva ainda mais a  grandiosidade do momento.

 

FB_IMG_1485869172040.jpg

 

Até Gabby e Ty se deixam levar pelas imagens, descurando a vigilância. Acabam por ser surpreendidos por um cientista e vários seguranças, que lhe exigem o vídeo de volta. Gabby é uma mulher astuta e consegue enganá-los. O episódio termina com ela e Ty fugindo dos seguranças..


Fiquei desapontada por não termos podido ver Zinnia em Generations. Tirando isso, The Scoop faz tudo o que um episódio de Generations podia fazer de melhor. Mostra uma parte fixe de Omega Ruby e Alpha Sapphire (e, em Pokémon, conforme afirmei antes, poucas coisas são mais fixes que um bom combate entre Lendários) sem fazer apenas copy/paste. Ao mesmo tempo, oferece uma nova perspetiva à história que já conhecemos: quer mostrando que uma boa parte da população de Hoenn não terá percebido ao certo que história foi aquela do meteorito, quer mostrando que aqueles que sabem não têm interesse em revelar a verdade ao público, quer mostrando uma faceta diferente de personagens icónicas de Hoenn. Daí que, na minha opinião, seja o melhor episódio de Generations.

 

PhotoGrid_1485880200116.png

 

O anime em Pokémon tem como objetivo principal promover os jogos - toda a gente sabe isso. Origins, por exemplo, foi criada para cativar fãs mais velhos, com saudades da primeira geração, para X&Y - daí que, no fim, o Charizard de Red, o protagonista, obtenha uma Mega Evolução. Por essa lógica, talvez Generations tenha servido para promover Sun&Moon mas, a ser verdade, fá-lo de uma forma muito discreta - bem mais discreta que Origins, diga-se de passagem. Na minha opinião, faz mais sentido que Generations tenha vindo integrada nas celebrações do vigésimo aniversário da franquia: desta feita, celebrando os melhores momentos de vinte anos de jogos. E numa altura em que Pokémon voltava a estar na moda, como não estava havia, pelo menos, quinze anos, o timing dificilmente podia ser melhor. Eu gostei muito. As tardes de sexta-feira nunca mais foram o mesmo desde essa altura.

 

Já que falamos disso, já terão reparado que estou epicamente atrasada com os meus textos de Pokémon através das gerações - a última data que tinha prometido era o dia do lançamento de Sun&Moon. Não devia ter dado uma data sequer, não estou em condições para isso. Dito isto, tenho o texto sobre a quarta geração bastante adiantado. Devo conseguir publicá-lo algures nas próximas semanas. Continuem desse lado!

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Sofia

    Obrigada pelo seu feedback. Vou ter isso em conta.

  • Pedro

    Boa tarde,uso algumas destas aplicações e confirmo...

  • Sofia

    Na minha opinião, o Pocket será útil para quase to...

  • Chic'Ana

    Só conhecia mesmo o Spotify, vou investigar os out...

  • Anónimo

    Sei que o Spotify é excelente não uso com regulari...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion