Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Álbum de Testamentos

Porque sou uma miúda com muitas maluqueiras e adoro escrever (e muito) sobre elas.

Digimon 02 #3 - Arcos e mini-arcos

Como já tinha desenvolvido aqui, o Enredo em Adventures é muito direto, com arcos narrativos bem definidos, o nível de dificuldade crescendo de forma mais ou menos linear. Tinha momentos em que parecia demasiado formulaico, sobretudo nos primeiros episódios, mas funcionava.

 

Infelizmente, o enredo de 02 tem problemas de consistência. Ao contrário do que acontecia com Adventures, existem muitos fillers. Certos momentos são muito leves e descontraídos, mesmo cómicos, mas, se for preciso, o episódio seguinte é muito mais sombrio. 

 

Eu dividiria o enredo de 02 em duas partes: a arco do Imperador Digimon e o arco pós-Imperador Digimon. Não vou escolher o melhor entre estes, pois ambos possuem pontos fortes e fracos de maneira mais ou menos equilibrada. 

 

05.jpg

 

O primeiro arco funciona um bocadinho como transição entre Adventure e 02. Em muitas ocasiões, os veteranos juntam-se às novas Crianças Escolhidas nas suas missões. Isso contribui para o desenvolvimento dos novos heróis, mas também deixa claro que os "caloiros" não possuem o carisma dos antigos protagonistas. O próprio conceito de ArmoDigievolução (desbloqueada através de Digiovos representantes das virtudes encarnadas pelos protagonistas de Adventure) dá a entender que, pelo menos nesta fase, as novas Crianças Escolhidas servem para substituir as antigas - uma vez que estas, por influência das Torres Negras, não conseguem fazer com que os seus companheiros digievoluam. No entanto, acaba por funcionar. E, de qualquer forma, apesar da constante ideia de transição neste arco, este é bem mais consistente que o segundo. Mas já lá vamos.

 

Na verdade, o maior defeito deste arco é a sua conclusão. As Crianças Escolhidas têm vários desafios a ultrapassar. O facto de o vilão ser um humano, uma Criança Escolhida: Ken. A apetência desta mesma Criança para a tortura de Digimons inocentes e jogos psicológicos com os heróis. A altura em que Ken consegue escravizar Agumon. Kimeramon, a monstruosidade que o próprio Imperador cria a partir de pedaços de outros Digimons. As Crianças Escolhidas apenas conseguem derrotá-lo porque encontram o Digiovo Dourado (um grande Deus Ex-Machina) e porque o companheiro Digimon de Ken, Wormon, se sacrifica. O mérito dos heróis nesta vitória é mínimo, para não dizer inexistente, o que mina a credibilidade de um grupo de Crianças Escolhidas que, já de si, empalidecem na comparação com as suas antecessoras.

 

O maior ponto forte do primeiro arco em relação ao segundo é o facto de seguir uma linha narrativa única, de forma mais ou menos consistente. As coisas, no entanto, ficam confusas após a queda do Imperador Digimon. Eu dividi este segundo arco em quatro partes, numa tentativa de dar sentido a uma narrativa que, demasiadas vezes, pouco sentido faz.

 

08.jpg

 

primeira parte vai do episódio 22 ao 29, inclusive. É a única parte para a qual não arranjei um título porque acontecem muitas coisas. Para começar, no final de um episódio em que conhecemos o passado sombrio de Ken, este recupera Wormon, dando o seu primeiro passo na busca de redenção. Nos episódios seguintes, o jovem vai-se integrando no grupo das Crianças Escolhidas. Estas, por seu lado, vão desbloqueando as Digievoluções "normais", para nível Campeão - de forma bastante anti-climática, diga-se (exceptuando Yolei), sobretudo comparando com Adventure. Entretanto, é-nos apresentada uma nova vilã: uma misteriosa mulher, que consegue criar Digimons a partir de Torres Negras e que terá influenciado as ações de Ken enquanto Imperador Digimon. Mais tarde, descobrimos que essa mulher é, na verdade, um Digimon: Arukenimon que tem ainda um companheiro, Mummymon. Por fim, é desbloqueada a primeira Digievolução ADN, entre Ex-Veemon e Stingmon (de Davis e Ken, respetivamente).

 

segunda parte compreende os episódios 30 até ao 37, inclusive. O título que lhe daria é "BlackWarGreymon e as Pedras Sagradas" (uau, dava um bom nome para uma banda... alguém que faça um meme!). Nesta parte, Arukenimon cria um Digimon de nível Hiper Campeão para derrotar as Crianças. No entanto, ao contrário das outras criações dela a partir de Torres Negras, BlackWarGreymon desenvolve uma consciência e escapa ao controlo de Arukenimon. Numa tentativa de encontrar sentido para a sua vida e, ao mesmo tempo, um adversário à sua altura (mais sobre isso adiante), BlackWarGreymon desata a destruir Pedras Sagradas (marcos que, supostamente, mantém a estabilidade do Mundo Digimon), lançando o caos no Mundo Digital.

 

Esta é a parte mais frustrante de toda a temporada. Numa altura em que as Crianças apenas conseguiram desbloquear duas Digievoluções ADN (que, de resto, são apenas de nível Super Campeão), em quase todos os episódios os heróis tentam desesperadamente impedir BlackWarGreymon de destruir as Pedras Sagradas e falham de todas as vezes. A situação melhora um bocadinho nos últimos episódios desta parte, quando só sobra uma Pedra Sagrada, depois de a terceira Digievolução ADN ser desbloqueada. Mesmo assim, a onda destruidora de BlackWarGreymon só termina quando Azulongmon (um Digimon Dragão, semi-deus, um dos quatro guardiões do Mundo Digital) é invocado. E, mesmo assim, termina porque Azulongmon, essencialmente, manda-o pastar (OK, manda-o procurar um sentido para a vida noutro lado, obrigadinho) e, de facto, BlackWarGreymon desaparece do mapa até à quarta parte deste arco.

 

08.jpg

 

Aqui é que as Crianças Escolhidas foram completamente inúteis, tirando quando usaram os D3 para invocar Azulongmon - e nem sequer foi intencional, eles queriam apenas mover a Pedra Sagrada. O melhor é mesmo passar à frente... 

 

A terceira parte deste arco (entre o episódio 38 e o 42, inclusive) é mais levezinha e agradável: é a "Digressão Mundial de Natal". Estamos na época natalícia na cronologia de 02, mas as festas são interrompidas que começam a surgir Torres Negras no Mundo Real, primeiro em Tóquio, depois um pouco por todo o Mundo. Os veteranos juntam-se aos caloiros na luta e, graças a uns cordelinhos puxados por Gennai e Azulongmon, os Digimons dos mais velhos recuoeram a capacidade de atingir o nível Super Campeão e o Paildramon - a Digievolução ADN de Davis e Ken - desbloqueia a sua forma de nível Hiper Campeão, Imperialdramon. 

 

Não gostei da forma como Davis e Ken conseguiram o nível Hiper Campeão. Foi demasiado fácil, nem eles nem os Digimon fizeram nada por merecer. Eu sei que, em Adventures, Tai e Matt conseguem-no de uma forma não muito mais brilhante, com uma profecia enfiada a martelo. No entanto, sempre obrigou Tai e Matt a emprestarem coragem um ao outro, enquanto Angemon e Angewomon lhes lançavam flechas com a luz, a esperança e o amor dos irmãos mais novos - um dos meus momentos preferidos em Digimon, chegando mesmo a ser brevemente referido em Tri.

 

São nestes pequenos pormenores que 02 empalidece em relação ao seu antecessor. No entanto, não me vou queixar muito pois, alguns episódios mais tarde, teremos um momento semelhante ao referido acima em termos de emoção e significado.

 

08.jpg

 

Convenientemente, Imperialdramon é capaz de voar a grande velocidade e de transportar as Crianças Escolhidas para diferentes pontos do planeta em duas ou três horas (sem terem de passar pelas medidas de segurança e burocracia dos aeroportos e, aparentemente, sem ficarem com as náuseas e dores de cabeça com que eu fico sempre que ando de avião. Há gente com sorte...). Nos diferentes países, os heróis colaboram com as Crianças Escolhidas locais na destruição das Torres Negras e orientação dos Digimons perdidos para que voltem para o Mundo Digital. Estes episódios pouco mais são que fillers, as Crianças Escolhidas locais não passam de estereótipos, mas eu até gosto desta parte. A ideia de Crianças Escolhidas de diversas nacionalidades colaborando em diversos pontos do planeta é, na minha opinião, muito fixe por si só. Juntem o elenco de Adventures e um tom natalício e temos uma combinação vencedora. Foram momentos divertidos, ligeiros, antes de as coisas ficarem muito sombrias nos últimos episódios da temporada.

 

Intitulo a quarta e última parte (do episódio 43, inclusive, até ao fim), Oikawa e as Sementes da Esturidão (outro nome possível para uma banda...). Nesta fase, descobrimos que Oikawa foi quem criou Arukenimon e Mummymon e quem manipulou Ken para que ele se tornasse Imperador Digimon. Oikawa tem, aliás, um novo e perigoso plano para cumprir o seu sonho de infância de visitar o Mundo Digital.

 

Conforme veremos adiante, esta situação já suficientemente complicada por si só. No entanto, os guionistas lembraram-se de enfiar a martelo mais um vilão: Daemon e uns quantos minions. Nunca se percebe muito bem o que vieram eles fazer, para além de criar confusão. Aparentemente, não têm ligação nenhuma ao vilão principal da temporada. Por fim, Daemon nem sequer é derrotado, o melhor que as Crianças Escolhidas conseguem é encurralá-lo no Mar Negro. Fica, assim, esta ponta solta no fim de 02, juntando-se ao deus do Mar Negro, Dragomon (pergunto-me se Daemon ou Dragomon regressarão em Tri...). Ao menos, este mini-arco insatisfatoriamente resolvido destaca-se de outros mini-arcos insatisfatoriamente resolvidos em 02 ao proporcionar um dos melhores momentos de toda a temporada - mais sobre isso quando falarmos sobre Ken.

 

08.jpg

 

Pelo meio, nesta parte da narrativa, BlackWarGreymon aparece no Mundo Real e a sua história resolve-se de forma aceitável. Finalmente, no antepenúltimo episódio, Oikawa consegue abrir um portal... mas não para o Mundo Digimon. Em vez disso, Oikawa, as crianças em quem ele implantou as Sementes da Escuridão (mais sobre isso adiante) e as Crianças Escolhidas vão parar ao Mundo dos Sonhos, de que já falámos antes. Aqui é revelado o vilão principal da temporada, a mão que controlava Oikawa havia já três anos. Nada mais nada menos que Myotismon.

 

Esta é a minha parte preferida da temporada. Para além de termos a resolução das várias histórias da temporada (com as exceções já referidas), temos mais desenvolvimento de carácter nesta parte que em todo o resto de 02, sobretudo no que toca aos vilões. Falarei melhor sobre isso quando analisarmos as Personagens.

 

Não falo, para já, do controverso epílogo de 02. Vou guardá-lo para o fim, depois de analisar o elenco da temporada. Algo que começo... na próxima publicação.

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • P. P.

  • Sofia

    Obrigada pelo seu feedback. Vou ter isso em conta.

  • Pedro

    Boa tarde,uso algumas destas aplicações e confirmo...

  • Sofia

    Na minha opinião, o Pocket será útil para quase to...

  • Chic'Ana

    Só conhecia mesmo o Spotify, vou investigar os out...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion