Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Álbum de Testamentos

Porque sou uma miúda com muitas maluqueiras e adoro escrever (e muito) sobre elas.

Músicas Ao Calhas - Renegade & Escape Route

Já descrevi este fenómeno aqui no blogue: ouvir um álbum novo de um cantor ou banda equivale a ler a sequela a um livro: depois de o fazermos, o trabalho anterior ganha novo significado ao comparamos o novo com o velho, ao repararmos em coisas que nos haviam passado despercebidas. É possível testemunhar o amadurecimento dos artistas em questão, bem como, sobretudo em bandas como os Paramore, cujo trabalho é altamente autobiográfico, a sua história.
 
Isto já tinha acontecido no ano passado com os Linkin Park. Tornou a acontecer este ano com os Paramore. A proximidade do lançamento do seu quarto álbum fez-me rever a discografia da banda ganhando, desse modo, gosto por músicas que, anteriormente, não me haviam despertado grande atenção. E depois de ouvir o quarto disco, outras músicas antigas ganharam significado.
 

15977960_855234827912217_5927008578269354388_n.jpg

 

 
Em Brand New Eyes, um álbum particularmente sombrio, dá para notar um ou outro indício de crise eminente - entre outros motivos, por se suspeitar que várias das faixas fazem referência ao relacionamento entre Hayley Williams e Josh Farro e respetivo término, um dos aspetos que terá desencadeado a traumática deserção de Josh e do irmão, Zac. Um acontecimento que marcou não apenas o álbum de estúdio seguinte, Paramore, mas também - embora isto seja eu apenas a especular - as dos Singles Club, lançadas ao longo de 2011, o ano que se seguiu à crise.
 
Estas músicas - entre as quais se encontra Renegade, tema desta entrada - parecem dizer respeito ao rescaldo, a reações imediatas à deserção. Acabam, desse modo, por serem mais do que sucessoras a Brand New Eyes e antecedentes de Paramore, são, respetivamente, sequela e prequela.
 
 
"I'm not sure where you went
Now we are just past tense"
 
Renegade é, talvez, o exemplo mais gritante disso, sobretudo no que diz respeito à crise dos Farro. Com uma sonoridade intermédia entre o rock mais pesado de Monster e o som um pouco mais pop (embora não deixe o rock de lado) de Hello Cold World, tem o arranjo musical típico de antes do quarto álbum da banda. Destaco, no entanto, a bateria forte, fazendo lembrar Let the Flames Begin, bem como dois momento em particular: o que antecede o segundo refrão, com os padrões da bateria e os vocais em eco da Hayley; e a terceira parte da música, que começa com bateria, o riff de guitarra elétrica discreto, notas de baixo e os "I'll keep running", também em eco - estes vocais dão, precisamente, a ideia de distância, de afastamento, de fuga - e que acaba com a musica a explodir e a poderosa voz da Hayley.
 
Não se pode ter certezas absolutas, evidentemente, mas, para quem tenha acompanhado os recentes conflitos da banda, é difícil não associar Renegade à deserção dos Farro. A letra aborda, claramente, traição, rejeição, abandono, perda de esperança - sentimentos que provocam vontade de fugir para um lugar seguro, longe de todos esses sentimentos negativos. Assinalo, em particular, os versos: "The spark never lit up a fire, though I tried and tried and tried. The winds came from your lungs", que fazem pensar em Let the Flames Begin, Part II e, sobretudo, Last Hope, dando mesmo a ideia de que, tal como assinalei acima, Renegade é uma prequela ao álbum Paramore.
 

 

Montei na semana passada (mais) um AMV do Pokémon, desta feita com Renegade. A ideia surgiu de Girantina que, segundo a mitologia dos jogos, é o "Pokémon Renegado", chegando a ser feita uma analogia com Lúcifer. Além desse aspeto, muitas das personagens dos filmes da saga experimentam traição, marginalização ou abandono, pelo que fazia sentido montar um vídeo com essas cenas.
 
De resto, como tenho andado a ver os filmes dos Pokémon ao longo dos últimos meses, vontade de fazer AMVs não tem faltado. E não vou ficar por aqui - tenciono fazer pelo menos mais três este verão!
 
 
"Not quite a victory to run from your problems
But it's the only plan that I've got."
 
Uma música posterior que ficou muito parecida com Renegade, tanto em termos de letra como de sonoridade, é Escape Route. Esta foi composta e gravada para Paramore mas acabou por ficar de fora da tracklist final, tendo sido lançada como b-side. De acordo com declarações da banda, foi das primeiras a começar a ser composta mas das últimas a serem terminadas. Um pouco porque, no início dos trabalhos do seu quarto álbum, os membros da banda sentiam-se pressionados para criarem música dentro do estilo clássico dos Paramore. Eventualmente, acabaram por desistir de fazê-lo.
 
Escape Route é, de facto, uma música fortemente influenciada pela sonoridade antiga da banda, sem a abertura a diferentes influências que caracteriza a maioria das faixas de Paramore. De tal forma que me recorda Ignorance, na introdução, e Renegade nalgumas partes. O refrão, contudo, soa tão poderoso como os de muitas músicas dos Paramore. Destaco, também, os vocais agudos de Hayley em "slowly", imediatamente antes dos últimos refrões.
 
Em termos de letra, Escape Route adota um tema semelhante a Renegade, ao explorar a vontade de fugir, embora com menos possíveis referências à crise dos Farro. Ao mesmo tempo, acaba por não diferir muito de certas músicas de Paramore (sobretudo Daydreaming), que também mencionam a mudança da banda de Nashville para Los Angeles, para gravar o seu quarto álbum. A diferença é que Escape Route aborda um assunto de uma forma mais sombria que as outras músicas de Paramore, como provavelmente teria acontecido aquando dos álbuns anteriores.
 
Daí que concorde com a exclusão de Escape Route da tracklist final do quarto disco dos Paramore. 
 
 

 

Neste momento, os Paramore são a minha banda preferida - o que não quer dizer que me tenha esquecido dos Linkin Park ou dos Within Temptation, que os considere inferiores - muito graças ao álbum homónimo lançado este ano. Um álbum que já analisei neste blogue mas, tal como costuma acontecer com a melhor música, tem ganho novos significados com o tempo. Começo, inclusivamente, a tomar o gosto a algumas que, inicialmente, pouco me haviam atraído. Acho que já o disse aqui, de uma forma ou de outra: numa altura em que começo a ficar um bocadinho saturada das costumeiras canções de amor e desgosto, que quase nada trazem de novo e, sobretudo, das infinitas músicas sobre borga, que infestam a rádio desde há uns anos a esta parte. Músicas como Daydreaming, Ain't it Fun, Last Hope e Be Alone, por exemplo, têm muito mais a ver comigo do que, por exemplo, Here's to Never Growing Up. A Hayley terá, aliás, afirmado que não sente a necessidade de compôr sobre "sex, drugs & rock 'n' roll" só por ser fixe ou para conquistar uma determinada audiência-alvo. É capaz de ser isto o que mais gosto nos Paramore.
 
Também não está ausente da música deles aquilo que, para mim, é o maior ponto forte dos Linkin Park e dos Within Temptation: a inspiração para a minha escrita. Músicas como as que motivaram esta entrada, bem como, por exemplo, Monster e Part II, já fazem parte da minha, já conhecida aqui, playlist de cenas de ação. Por outro lado, o tema de Paramore, centrado na ultrapassagem de um momento difícil, em crescimento e focalização no futuro, vai em linha, um pouco, com o que tenho planeado para o meu quarto livro. Este álbum pode, assim, vir a ser bastante últil, tal como Goodbye Lullaby e Living Things continuam a ser.
 
Tudo indica que ainda virão mais dois álbuns de interesse este ano: o de Avril Lavigne e o dos Within Temptation. Estou com esperança de que ambos me sejam tão marcantes como Paramore está a ser. Sê-lo-ão, certamente, em particular o primeiro. O pior é que, sobretudo no que toca ao da Avril, nunca mais dizem nada sobre eles! Em todo o caso, estando o álbum previsto para setembro e um novo single prestes a ser lançado, não deveremos  ficar na ignorância por muito mais tempo.
 
Entretanto, graças a Paramore, já não se pode dizer que 2013 está a ser um ano fraco em termos musicais!
 

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • P. P.

  • Sofia

    Obrigada pelo seu feedback. Vou ter isso em conta.

  • Pedro

    Boa tarde,uso algumas destas aplicações e confirmo...

  • Sofia

    Na minha opinião, o Pocket será útil para quase to...

  • Chic'Ana

    Só conhecia mesmo o Spotify, vou investigar os out...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion