Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Álbum de Testamentos

Porque sou uma miúda com muitas maluqueiras e adoro escrever (e muito) sobre elas.

Músicas Não Tão Ao Calhas - Still Into You

Não esperava voltar a escrever uma entrada de Músicas Não Tão Ao Calhas tão cedo. Pelo menos não dos Paramore. Pensava que só tornaria a ouvir material novo deles quando saísse o novo álbum, no mês que vem. Fui apanhada de surpresa por Still Into You.
 
 
"Let them wonder how we got this far, 
'cause I don't really need to wonder at all"
 
Já sabíamos que os Paramore haviam adotado um som mais pop em algumas das músicas do álbum novo. Nesse aspeto, Now não era muito representativa. Still Into You é capaz de ser um melhor exemplo desta nova sonoridade. Como já tinha previsto, a polémica entre os fãs está lançada. O segundo single do álbum Paramore é muito pop-rock - mais pop do que estamos habituados a ouvir por parte da banca - com alguns elementos eletrónicos. No entanto, sinto muito espírito Paramore em Still Into You, não está totalmente desprovida de rock, em particular no refrão e pré-refrão. O refrão é, aliás, a minha parte preferida. Recorda-me o espírito de That's What You Get. A banda já havia mencionado que o álbum homónimo teria algumas músicas de amor bem divertidas - Still Into You é claramente uma delas.
 
 
Apesar do tom ligeiro, a letra deste segundo single do álbum Paramore é mais profunda do que parece à primeira audição - não muito, mais o suficiente para se distinguir da larga maioria das músicas de amor dos dias de hoje. A primeira comparação que me surgiu foi Still The One, da Shania Twain: a sonoridade é diferente, é uma balada acústica, mas em termos de conceito é muito semelhante, embora a música da Shania seja mais sentimental e Still Into You tenha um tom mais descontraído e divertido. Esta última conta a história de um romance que resiste ao teste do tempo - há quem diga que fala da relação de Hayley com o seu namorado Chad Gilbert. Como não estou familiarizada com a vida pessoal dela... Nem sempre tem sido fácil, mas amam-se o suficiente para ultrapassarem todos os obstáculos - "It's not a walk in the park to love each other but (...) can't deny you're worth it"; "And even in out worst nights, I'm into you". A paixão, a química, o apoio mútuo continuam a servir de catalisadores à relação. Tal como já afirmei acima, tudo isto é cantado em tom alegre e algo vitorioso.
 
Este último aspeto é a única coisa que Still Into You partilha com Now - de resto, os dois primeiros singles de Paramore são bastante diferentes. Aliás, não me surpreenderia se Still Into You tivesse sido também parcialmente inspirada pela situação a que a banda sobreviveu: mesmo quase dez anos depois, mesmo tendo em conta o abandono dos irmãos Farro, os membros restantes continuam de pedra e cal nos Paramore. Não me admirava se esta premissa fosse o denominador comum de praticamente todas as músicas do quarto álbum. Só o saberemos quando o disco for lançado.
 
 

 

Como podem ver, o videoclipe pode muito bem estar a ser filmado no momento em que escrevo isto. Ou começará a ser filmado dentro de poucas horas. Não sei nada do conceito mas apostaria que se centrasse num casal de velhotes recordando a sua história de amor. No que toca ao lyric vídeo, achei graça às sombras chinesas. Agora gostava de aprender a fazê-las também - não consigo descobrir como é que se fazem...
 
 Não digo que Still Into You seja uma música do outro mundo ou mesmo que seja a melhor dos Paramore. Ainda é cedo para percebê-lo. Posso, no entanto, adiantar desde já que se encontra bem acima da média, em particular por causa da sua letra. É agradável ao ouvido e, tal como uma boa música pop, eleva de imediato o humor de uma pessoa. Depois de Now e de Still Into You, estou ainda mais curiosa em relação a este quarto álbum. Se todas as músicas forem tão interessantes como os dois primeiros singles, a entrada em que analisarei Paramore será enorme. Mais um Testamento a juntar ao Álbum. Mal posso esperar. Até lá...

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Sofia

    Obrigada pelo seu feedback. Vou ter isso em conta.

  • Pedro

    Boa tarde,uso algumas destas aplicações e confirmo...

  • Sofia

    Na minha opinião, o Pocket será útil para quase to...

  • Chic'Ana

    Só conhecia mesmo o Spotify, vou investigar os out...

  • Anónimo

    Sei que o Spotify é excelente não uso com regulari...

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion