Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Álbum de Testamentos

Porque sou uma miúda com muitas maluqueiras e adoro escrever (e muito) sobre elas.

Não sejam idiotas. Vacinem as vossas crianças!

medical-vaccination-antivaccination-antivaccinator

 

Por estes dias, existem duas coisas que me irritam mais do que qualquer outra no Mundo. Uma delas é Donald Trump e tudo o que ele representa. Outra é a moda de não vacinar as crianças. Esta última é um dos assuntos da moda, tendo em conta o recente surto de sarampo que provocou a morte de uma adolescente não-vacinada. Sendo algo relacionado com a minha área - Ciências Farmacêuticas - achei por bem escrever sobre o assunto.

 

Começo por admitir um viés: eu tendo a ser pró-Medicina Tradicional e pró-Indústria Farmacêutica. Para além de ser de Ciências Farmacêuticas e ter tirado um curso em Ensaios Clínicos, tenho pais médicos. É uma questão de educação, em suma. Fui sempre uma mulher de Ciência. Não desvalorizo as medicinas alternativas, mas confio menos nelas que na Medicina Tradicional.

 

youonlyfailwhenyoustop.jpg

 

Não quero com isto dizer que a Medicina e a Indústria Farmacêutica sejam isentas de corrupção - nada o é neste mundo. No entanto, o público em geral não parece ter noção de quanta fiscalização e controlo existe na Indústria Farmacêutica. Na minha primeira aula de Farmacologia, o meu professor - julgo que foi o professor Hélder Mota-Filipe, que chegou a ser presidente do Infarmed - afirmou mesmo que o setor farmacêutico é um dos mais regulados, a par do setor da aviação civil. Nenhum medicamento ou dispositivo médico é lançado no mercado sem ser sujeito a uma infinidade de controlos e avaliações (aquando do fabrico, dos ensaios clínicos, etc). Ou seja, dificilmente lançam produtos sem eficácia e/ou com níveis de toxicidade inaceitáveis. Mesmo depois de o medicamento ter entrado no mercado, continua a haver monitorização constante de possíveis efeitos secundários.

 

E este sistema, bem como a Medicina em geral, por muitos defeitos que tenha, permitiram aumentar imenso a nossa esperança média de vida, qualidade de vida em geral e reduzir a nossa mortalidade infantil. Cá em Portugal, aliás, temos mais sorte que uma boa parte do Mundo, com o nosso Sistema Nacional de Saúde tendencialmente gratuito. Este pode já ter visto melhores dias, mas ainda permite, entre outros benefícios, cem por cento de comparticipação nos medicamentos para o HIV. Tendo em conta que foram estes medicamentos que permitiram transformar a SIDA numa doença crónica, que não mata, sim, isto é um enorme benefício.

 

Como tal, irrita-me solenemente quando as pessoas não dão o devido valor à Medicina. Ainda mais quando desdenham abertamente dela. A moda de não vacinar as criancinhas é o expoente máximo dessa filosofia.

 

why you started.jpg

 

Antes de mais nada, uma breve explicação sobre como funcionam as vacinas - acho que, no meio da polémica toda, ainda ninguém o explicou como deve ser. Quando o nosso organismo é infetado por um determinado agente patogénico (um vírus, uma bactéria, etc) pela primeira vez, a resposta do sistema imunitário - resposta primária - é relativamente lenta e pouco intensa. Aquando desse primeiro contacto e “combate” com o agente patogénico, são criadas células de memória. Estas guardam a informação específica sobre esse agente patogénico durante vários anos, às vezes mesmo durante a vida toda. Assim, quando ocorre uma segunda infeção pelo mesmo agente patogénico, uma vez que o sistema imunitário já o “conhece” e sabe tudo sobre ele, graças às tais células de memória, a resposta - resposta secundária - é muito mais rápida e intensa. Podemos nem sequer desenvolver sintomas da doença em questão.

 

Ora, o que as vacinas fazem é explorar as potencialidades dessas células de memória. As vacinas contém, ou o agente patogénico que queremos combater numa versão atenuada, ou partículas desse agente. O objetivo é que estas provoquem uma resposta primária por parte do sistema imunitário. Como usamos uma versão bem mais suave do agente patogénico em questão, ou partes dele, não ficamos doentes (embora certas vacinas, como a do tétano, possam provocar alguma reação). No entanto, se tudo funcionar como deve ser, a resposta do sistema imunitário será o suficiente para criar células de memória.

 

Depois disso, quando ocorrer uma infeção a sério por parte desse agente, o sistema imunitário pensará que é uma segunda infeção e partirá de imediato para a resposta secundária. Assim, desenvolvemos menos sintomas da doença em questão - ou não a desenvolvemos de todo.

 

Tem-se também falado, por estes dias, da imunidade de grupo. Passo também a explicar esse conceito.

 

why you started.jpg

 

Existem pessoas que não podem ser vacinadas, por motivos de saúde: pessoas imunossuprimidas, que sofrem de cancro ou que desenvolvem reações alérgicas a um qualquer componente da vacina. Consta que a bebé de treze meses que terá começado o surto e a jovem de dezassete anos que morreu não foram vacinadas por motivos de saúde.  

 

Nesses casos, é importante que as pessoas em redor desses indivíduos estejam vacinadas. Porquê? Porque, como o sistema imunitário delas combate rapidamente o agente patogénico em questão, é menos provável que contagiem uma pessoa não-vacinada.

 

Como podem ver, a decisão de vacinarem ou não os vossos filhos afeta-nos a todos. As vacinas são uma das principais razões pelas quais temos a longevidade e a qualidade de vida que temos hoje, tal como referi acima. Ajudam a prevenir doenças devastadoras como, lá está, o sarampo (cujas complicações incluem cegueira, pneumonia e encefalite - as duas últimas são, frequentemente, fatais), a tuberculose, a tosse convulsa, a difteria, a febre-amarela, a poliomielite (que pode provocar paralisia), a papeira e a rubéola (que, se contraída durante a gravidez, pode provocar malformações, abortos espontâneos e nados-mortos). Os programas de vacinação em países subdesenvolvidos têm tido resultados fantásticos - na Guiné-Bissau, por exemplo, ajudaram a reduzir a mortalidade infantil de cinquenta para sete por cento. Aliás, a UNICEF acaba de revelar que a vacinação reduziu em oitenta e cinco por cento a morte de crianças com menos de cinco anos.

 

51220152030135.jpg

 

Eu não gosto de tecer juízos de valor sobre as capacidades parentais de ninguém quando nem sequer sou mãe. Mas que pai ou mãe nega este tipo de proteção aos seus filhos? Quem é que permite que os seus filhos corram o risco de contrair doenças como estas?

 

Claro que existem riscos na vacinação, como existem em qualquer medicamento ou dispositivo médico. Um princípio que aprendemos outra e outra vez no curso de Ciências Farmacêuticas reza que tudo é um veneno, depende apenas da dose. Mesmo assim, tirando reações alérgicas graves (como, segundo consta, seria o caso da jovem que morreu) ou caso estejam imunossuprimidos, não vejo que malefícios suplantam o risco de contrair poliomielite ou tosse convulsa. Mesmo que as vacinas causassem autismo, como se chegou a alegar - e já foi mais que provado que esse estudo foi a mãe de todas as fraudes - arrisco-me a dizer que prefiro ter um filho autista do que um filho morto.

 

Ainda não conheci pessoalmente nenhum anti-vacinas confesso e militante, mas, se vier a conhecer, não devo conseguir evitar dizer-lhes umas quantas verdades. Com o devido respeito, estas pessoas julgam-se melhor informadas que médicos, enfermeiros, farmacêuticos, cientistas? Pessoas que estudam durante anos, investigam durante anos? Cujas descobertas têm se ser revistas por outros investigadores antes de serem publicadas? Um estudo aldrabado e uns quantos blogues manhosos valem mais que séculos de Medicina?

 

why you started.jpg

 

A verdade é que estamos a entrar em tempos perigosos, dos chamados “factos alternativos”, em que confundimos verdade com opinião. Não foi por acaso que, no fim de semana passado, se realizou uma marcha pela Ciência em diversos pontos do Mundo, Portugal incluído. A ignorância e a arrogância unidas são catastróficas. Eu tenho medo de viver num mundo assim.

 

Mas regressemos às vacinas. Se a decisão de não vacinar afetasse exclusivamente o decisor, ninguém se ralava. Infelizmente, a decisão afeta crianças - não apenas os filhos dos decisores, os filhos de muitos outros também. Seriam capazes de viver com a vossa consciência se o vosso filho morresse só porque vocês não querem vaciná-lo? Querem mesmo correr esse risco?

 

Não sejam idiotas. Oiçam os médicos, enfermeiros e farmacêuticos. Vacinem as vossas crianças!

 

Alguns dos artigos que consultei, só para verem que não estou a inventar nada.

 

 

6 comentários

Comentar post

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion