Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Álbum de Testamentos

Porque sou uma miúda com muitas maluqueiras e adoro escrever (e muito) sobre elas.

Tru Calling - O Apelo

Depois de um interregno devido a uma - se calhar, não propriamente merecida mas, sem dúvida, muito necessitada - semana de férias, estou de volta. Queria ver se, antes de setembro e do início das novas temporadas de séries televisivas, falava aqui no blogue de séries que tenho acompanhado ou que acompanhei ao longo dos últimos anos. Para já, começo com aquela que considero, sem sombra de dúvida, uma das minhas preferidas de todos os tempos.

 


 

Para aqueles que não a conhecem, a história centra-se em Tru, uma jovem de 22 anos que trabalha numa morgue e possui a capacidade de voltar atrás no tempo para alterar o passado, impedindo, deste modo, que pessoas morram. O momento mais icónico da série acaba por ser a altura em que os cadáveres despertam subitamente e sussurram "Help me!" ou uma variante.

 

Inicialmente, a dinâmica assemelha-se a uma série policial, em vários aspetos. Dá para reparar que alguns episódios da primeira temporada têm uma estrutura semelhante. A certa altura, contudo, começam a ser introduzidos novos elementos na história: a mãe de Tru, que possuía o mesmo dom que agora tem a filha, o seu assassínio mal esclarecido, o papel do pai de Tru nessa morte, o aparecimento de Jack, que se revela o oposto daquilo que Tru representa - o papel dele é certificar-se de que as pessoas morrem à mesma, apesar de o tempo voltar para trás - e a consequente discussão Destino versus Poder de Escolha. Esta série fez-me compreender verdadeiramente pela primeira vez o conceito do heroísmo como uma bênção e uma maldição em simultâneo, as consequências para a vida pessoal, para os entes queridos. Sei agora que isto tudo está muito batido, mas eu tinha dezasseis anos quando vi esta série pela primeira vez, nunca tinha refletido sobre estes conceitos. Cheguei mesmo a transferi-los para as histórias que escrevia na altura e que serviram de base a "O Sobrevivente". Nesse aspeto em particular, ajudou-me a construir Bia, a minha personagem feminina principal.

 

Cancelarem esta série apenas seis episódios depois do início da segunda temporada, precisamente numa altura em que o enredo se adensava, que a história prometia um novo ânimo, foi crime. Tal convicção reforçou-se agora, seis anos depois, quando estive a pesquisar sobre as razões do cancelamento e encontrei uns artigos sobre a direção que a história tomaria. E nos tempos que correm, passados todos estes anos, é tão difícil encontrar uma boa série... Por outro lado, por ter sido encerrada tão precocemente, ao menos assim não fui obrigada a assistir a uma potencial degradação da qualidade da série, ao contrário do que tem acontecido com outras que tenho seguido há alguns anos. Assim, Tru Calling provavelmente manter-se-à para sempre a série perfeita.

 

Mesmo assim, continuo com esperança de que, um dia, alguém volte a pegar na série, faça um remake ou algo do género. Vou fazendo figas... 

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion