Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Álbum de Testamentos

Porque sou uma miúda com muitas maluqueiras e adoro escrever (e muito) sobre elas.

Digimon Adventure Tri – Bokura No Mirai #1

Sem Título.png

 

Lançado no início de maio, Bokura No Mirai é o filme que encerra Digimon Adventure Tri. Esta foi uma série de seis filmes, lançados mais ou menos a cada seis meses nos últimos três anos – e analisados aqui no blogue.

 

Com os filmes anteriores, na altura de escrever sobre eles, tinha uma classificação mais ou menos firme. Saikai, por exemplo, foi um bom filme na minha opinião. Kokuhaku foi ainda melhor. Soshitsu não foi assim tão bom. No que toca a Bokura No Mirai, no entanto… não sei como classificá-lo.  Tem partes boas, algumas mesmo muito boas, mas estas não chegam para fazer um filme bom – até porque tenho uma série de falhas a apontar a Mirai.

 

Como aconteceu com as últimas análises, este texto virá em três partes. Comecemos pelo princípio – ou melhor, antes disso.

 

Conforme discutimos amplamente antes, Kyousei terminara de forma bombástica: com um confronto a quatro, envolvendo Omegamon, Raguelmon, Alphamon e Jesmon que acaba terrivelmente mal. O chão colapsara na sequência de um ataque de Jesmon, engolindo Tai e Daigo. Ao ver o primeiro caindo no abismo, a irmãzinha dele, Kari, deixara-se possuir pelas Trevas, catalisando a digievolução negra de Nyaromon para Ophanimon Fall Down Mode e a fusão desta com Raguelmon. Nascera, assim, Ordinemon: uma monstruosidade que quebra a simbiose entre o Mundo Real e o Digital, fazendo com que o segundo comece a invadir o primeiro.

 

Por outras palavras, as coisas nunca estiveram tão sombrias no universo de Adventure. Haviam inúmeras direções interessantes que a história poderia tomar, a partir daqui. Eu admito que me agarrei demasiado a essas possibilidades, às direções que eu escolheria. Isso pode ter afetado a minha opinião acerca do filme.

 

zfgns.png

 

Mirai começa com a cena da queda de Tai e Daigo vista da perspetiva de Kari. Se, conforme veremos mais à frente, para os outros Escolhidos não é líquido que Tai tenha morrido – porque não era a primeira vez que o jovem desaparecia desta forma – Kari parece assumir de imediato que virou filha única.

 

Gostei da maneira que Mirai usou para refletir o estado de espírito da jovem: recriando a cena de abertura de Saikai. Aqui, ninguém desliga o despertador em forma de ovo e, quando Kari entra no quarto para acordar o irmão, a cama está vazia.

 

Simples, mas eficaz, sem se tornar demasiado lamechas.

 

Entretanto, no Mundo Digimon, não muito após o momento fatídico, os Escolhidos observam que as distorções estão a multiplicar-se. O Mundo Real e o Digital iriam coalescer em breve. Assim, decidem procurar uma distorção que os leve de novo ao mundo dos humanos.

 

No caminho para lá, Matt e Sora afastam-se um pouco do resto do grupo – o primeiro claramente afetado pelo que acontecera. Vê-lo-emos, aliás, ao longo do filme manuseando os óculos de Tai com mais frequência do que seria necessário. Sora percebe que Matt quer ir à procura do amigo e dá-lhe luz verde para isso. O jovem recusa porque, com os princípios do Apocalipse, têm de pensar no bem universal.

 

Sem Títuloff.png

 

Ainda bem que ele decidiu assim. Se Matt tivesse ido parar ao mesmo sítio onde Tai e Daigo foram parar… aquilo ia correr ainda pior do que acabaria por correr.

 

Não nos adiantemos.

 

Tinha referido acima que a maior parte dos miúdos parece assumir que Tai e Daigo sobreviveram. Mas agora que só Matt a podia ouvir, Sora receia ter perdido de vez o amigo.

 

Suponho que seja uma boa altura para confessar que teria preferido que todo o elenco estivesse a preparar as velas para o funeral. Isto era o mais próximo que alguma vez estaríamos de ter um Escolhido original a morrer no universo de Adventure. Mas também compreendo que, depois do que aconteceu no final do segundo arco de Adventure, não seria realista.

 

A conversa é interrompida por Byomon, que pensa que é Matt quem está a fazer Sora chorar. É um momento engraçado, sobretudo quando Byomon pergunta se Matt estava a fazer uma serenata a Sora ou algo do género (eu pagava para ver isso, se fosse verdade!)... mas isso leva-me a um dos maiores problemas que tenho com Mirai – com o primeiro episódio, pelo menos.

 

Sem Títuloff.png

 

Alguns de vocês são capazes de conhecer a citação de Joss Whedon: “Make it dark, make it grim, make it tough but then, for the love of God, tell a joke”. Descreve uma técnica literária conhecida por “bathos” que consiste, essencialmente, em contrariar um momento sombrio ou dramático com um momento de humor.

 

Como tudo na vida, quando executado como deve ser, em doses terapêuticas, este truque pode resultar em cenas excelentes. Tri já usou bem esta técnica no passado – em Kokuhaku, na sequência a que gosto de chamar “último dia no Mundo Real”, na cena em que Joe diz a Gomamon que o quer apresentar à namorada, para que os seus dois parceiros de vida se conhecessem. Percebe-se que Gomamon está emocionado, à semelhança da audiência, mas acaba por se recompôr e perguntar a Joe se a sua namorada existe mesmo.

 

Mas, quando usada em excesso, esta técnica acaba por estragar a emoção das histórias, transforma-as numa caricatura de si mesmas. Segundo este vídeo, isso acontece muito nos filmes da Marvel. Eu mesma nunca vi nenhum desses filmes, tirando o primeiro Deadpool e o Black Panther, ambos exceções à regra no universo da Marvel. A minha irmã, no entanto, é uma grande fã da franquia – e até ela se queixa da obsessão da MCU com o humor. Ela disse-me que, em Infinity Wars, chegaram a pôr piadas na boca de personagens por norma sisudas.

 

Não digo que Mirai padeça do mesmo problema, ou que as tentativas de humor cheguem a arruinar cenas emotivas e/ou dramáticas. Mas o filme também abusou um bocadinho do bathos. Como referi acima, estas eram as circunstâncias mais sombrias de todo o universo de Adventure e… parecia que os digi-guionistas estavam com medo disso, de traumatizar uma audiência de… jovens adultos e um ou outro adolescente.

 

Bem, disseram-me no Twitter, que, no Japão, preferem o lado mais leve da série – eu, no entanto, sempre gostei do facto de Digimon não ter medo de abordar assuntos sérios e dramáticos, mesmo sabendo que estavam crianças a ver.

 

rga.png

  

A cena com a Byomon não foi a pior. A pior foi mais tarde, já no Mundo Real. Vendo que as coisas estão pretas – literalmente, já que os céus estão cobertos pelas trevas e o governo ordenou a evacuação das ruas – os Escolhidos abrigam-se no escritório de Izzy. Quando estes fazem o ponto da situação sobre Ordinemon, Kari diz de repente que é tudo culpa dela – antes de balbuciar pelo seu onii-chan, como se tivesse oito anos outra vez.

 

Os outros reagem como qualquer um de nós reagiria – a própria audiência, se calhar, reage da mesma maneira. Mimi nem consegue conter as lágrimas, acabando por contagiar Palmon – como uma criança que chora ao ver a mãe chorar.

 

É nesta altura que reparam que a jovem está a arder em febre… o que me irritou. É um cliché tão grande no que toca a Kari e uma desculpa para mantê-la afastada da ação até mais ou menos a meio do filme. É certo que já sabemos há anos que Kari sempre teve uma saúde frágil. Não é assim tão descabido que ela se ressentisse após dois ou três dias muito intensos, culminando na perda de dois entes queridos… mas irrita-me que os digi-guionistas não tenham arranjado um desenvolvimento novo para ela.

 

Já que estamos a apontar problemas com o desenvolvimento de Kari, um flagrante: porque é que nenhum dos outros Escolhidos comenta o facto de ter sido um deles a criar Ordinemon? Até porque pelo menos metade deles não devia suspeitar que Kari tinha poder para isso. Não há ninguém tenha ficado sequer um bocadinho alarmado? É possível que acreditem que tenha sido um caso único, que tenha sido mais culpa de Yggdrasil, que aproveitou um momento de vulnerabilidade de Kari. Mas, mesmo assim, ninguém fala sobre isso?

 

Regressemos ao escritório de Izzy. Enquanto Sora ajuda Kari a meter-se na cama, T.K. parece perigosamente à beira das lágrimas. O irmão consola-o, prometendo que cuidariam de Kari por Tai.

 

bhtr.png

 

Adorei este momento. Tenho uma certa pena de não termos visto mais cenas com os irmãos em Tri, mas compreendo. Matt e T.K. têm uma relação mais saudável, agora. Não há espaço para grande conflito.

 

Por sua vez, Meiko (Uau! Só agora, ao fim de pouco mais de mil e quatrocentas palavras sobre um filme de Tri é que falamos sobre Meiko. Parece estranho…) sente-se culpada pelo que aconteceu (grande novidade) e quer pedir desculpa a Kari. Mimi e Sora cortam o mal pela raiz, dizendo-lhe para olhar para a frente – mais ou menos o que Izzy dissera a T.K. em Kokuhaku: “O que interessa é o que farás agora”.

 

Além disso, sejamos sinceros: a auto-comiseração de Meiko não ajudara em nada até ao momento. Às vezes, só irritava.

 

É nesta altura que Mirai tenta introduzir um momento de leveza sob a forma de… Koromon com fome. Parece que é toda a profundidade a que o Digimon tem direito – apesar de ter um parceiro desaparecido combate.

 

O sacrifício de Tai foi um momento marcante para o arco do jovem em Tri. No entanto, Koromon/Agumon era o último dos Digimon que escolheria para perder um parceiro humano – pelo menos considerando a caracterização dele em Tri. Qualquer um dos outros, literalmente qualquer um, teria tido reações mais interessantes do que, apenas, encher o bandulho.

 

zfgns.png

 

Ao menos depois disso temos uma das melhores cenas de todo o filme, talvez mesmo de todo Tri. Até mesmo pessoas que não gostam destes filmes disseram que gostaram desta cena. Li algures no Twitter que fez homens adultos a chorar nas salas de cinema – e não era para menos.

 

Depois de ter visto metade dos Escolhidos manifestando a sua dor pela perda de Tai, Matt tem finalmente uns minutos a sós, para processar a perda e o peso da liderança que lhe caiu no colo. Gabumon, no entanto, como bom companheiro Digimon, quer oferecer-lhe um ombro onde chorar. Numa tentativa de fazer o jovem abrir-se, Gabumon promete ficar para sempre ao lado dele, mesmo que Matt não o deseje. Mesmo quando Matt crescer, casar, tiver filhos e envelhecer. Até que a morte os separe. Gabumon oferece-se mesmo para ajudar a tomar conta do bebé, quando Matt tiver um.

 

Eu não consigo evitar imaginar a cena: Matt com a filha recém-nascida ao colo (ele e Sora têm uma filha primeiro, certo?), no corredor da maternidade, apresentando-a ao Gabumon. E, mais tarde, os outros Escolhidos aparecem para conhecer a bebé, Matt convida Tai para ser o padrinho…

 

… e estou a desviar-me, a entrar em território de fan fiction. Regressemos a Mirai.

 

Sem Títuloff.png

 

Qualquer um ter-se-ia derretido com uma declaração de amor com a de Gabumon, mas eu imagino que tenha sido ainda mais tocante para Matt. recordemo-nos que ele nunca teve relações fáceis com ninguém. É filho de pais divorciados e, pelo que se deduz de Kyousei, por alturas de Tri ainda não tem uma relação fácil com a mãe. As coisas entre ele e T.K. estão bem agora mas, aquando de Adventure, apegara-se demasiado ao irmão. Quando este começou a querer sair da asa dele, Matt não reagiu bem (e estou a usar um enfemismo). A sua amizade com Tai baseou-se quase sempre em desacordos e conflitos e, agora, este desaparecera – talvez morrera – deixando-lhe os óculos e a liderança de um grupo de Escolhidos que nunca estivera em pior situação.

 

Gabumon era exatamente aquilo que o jovem precisava naquela altura: alguém que o amava e acreditava nele.

 

O jovem, de início, ainda tenta rir-se  e sacudir a questão, mas acaba por abrir-se. São raras as ocasiões em que o jovem permite-se a si mesmo mostrar vulnerabilidade mas, quando o faz, é sempre marcante.

 

Matt confessa que finalmentealmente compreende as antigas angústias de Tai: o peso da liderança, das decisões que podem ter consequências graves, tanto para entes queridos como para a Humanidade inteira. Continuo a achar que Matt não estava completamente errado ao acusar Tai de fugir com o rabo à seringa, mas a verdade é que tudo isto são fardos demasiado pesados para miúdos de dezassete anos.

 

Gabumon assegura a Matt que este é a melhor pessoa para assumir o lugar de Tai – o que é inquestionável, ainda que Matt não se aperceba disso.

 

Sem Títuloff.png

 

Havemos de voltar a falar sobre decisões e responsabilidades. Para já, mais um momento desnecessário de humor, quando Matt e Gabumon apanham os outros Digimon a espitorcá-los. Felizmente, Matt não faz grande espalhafato, ao contrário de outras ocasiões em Tri, mostra-se só um bocadinho irritado. Não estraga o momento.

 

No instante seguinte forma-se uma distorção (de notar que Matt tira um momento antes de pôr os óculos de Tai) e surge Ordinemon.

 

Posso tirar uns parágrafos para comentar a fisionomia da Ordinemon, da maneira como a câmara muitas vezes a apanha inclinada para a frente? Chamem-me puritana, mas incomoda-me um bocadinho. Está longe de ser inédito em Digimon: só em Tri apanhamos diversas vezes a Angewomon e a Lilimon/Rosemon voando de couro espetado. E, claro, não esquecer a infame catfight entre Angewomon e LadyDevimon, que até teve direito a reprise em 02 (embora eu admita que tenha tido piada ver a pura e angelical Kari a puxar ferozmente pela sua companheira).

 

Isto, no entanto, foi um bocadinho longe de mais. Porque Ordinemon, além de monstruosa, nem é heroína nem vilã, é pouco mais que um animal descontrolado e em sofrimento, demasiado poderoso para ser acalmado. É suposto a audiência sentir desejo por tal criatura? Quem é que se satisfaz a si mesmo vendo uma monstruosidade daquelas?

 

Eh pá, não respondam…

 

Sem Título.png

 

Outra coisa que me faz confusão em relação a Ordinemon é a maneira como todos dizem que Meicoomon absorveu Gatomon… quando foi o contrário que aconteceu. Raguelmon estava fora de combate quando a poeira assentou após o ataque de Jesmon e o desaparecimento de Tai e Daigo. Foi Kari quem se deixou possuir, despoletando a digievolução negra de Nyaromon para Ophanimon FM. Esta, por sua vez, absorveu Raguelmon, criando Ordinemon. Mesmo que Jesmon tivesse conseguido matar Raguelmon (e devia ter-se certificado de que o fizera), teríamos de lidar à mesma com Ophanimon.

 

Depois da aparição de Ordinemon, Mirai mostra-nos rapidamente um dos locais para onde os civis foram evacuados. Encontramos lá os pais de Tai e Kari e a mãe de Meiko. Nenhum deles consegue contactar os filhos. Os Yagamis, que contam muitos anos a virar frangos, não estão nada preocupados. Tentam até sossegar a mãe de Meiko, têm fé absoluta nos Escolhidos…

 

...quando, na verdade, o filho deles está desaparecido em combate, talvez morto, e a filha deles está de cama.

 

Entretanto, Ordinemon anda à solta pelas ruas, destruindo tudo em que toca, encorajada pelo Dark Gennai – que, neste filme, surge mais irritante do que nunca. Se os digi-guionistas queriam um vilão que nós desse vontade de espetar-lhe um murro nas trombas sempre que aparece no ecrã, parabéns, conseguiram.

 

Os Escolhidos – tirando Kari, que ficou de cama, e T.K., que ficou a tomar conta dela – acorrem ao local. Os Digimon passam de imediato às formas Perfeitas e, mais tarde, às formas Extremas… mas não conseguem nem arranhar a pele a Ordinemon. Quarenta e cinco segundos após Brave Heart terminar, são reduzidos às formas Bebés.

 

rga.png

 

Uma das críticas que têm sido feitas aos filmes de Tri diz respeito ao ritmo lento: a maior parte deles guarda a ação para o último episódio, episódio e meio. Bokura No Mirai foge a essa fórmula. O combate contra Ordinemon dura cerca de dois terços do filme… e, na minha opinião, Mirai sai prejudicado por isso.

 

Eu compreendo a impaciência do espectador sedento de combates épicos entre Digimon, que é brindado, em vez disso, com visitas a termas, histórias de terror e muita, mesmo muita conversa. Eu compreendo, mas na minha opinião, na maior parte dos casos, o ritmo lento serve para desenvolver as personagens e para ir acumulando tensão, que será libertada no ato final, nas cenas de combates.

 

Há filmes que o fazem melhor do que outros, é certo. Kokuhaku, nesse aspeto, fê-lo melhor que todos os outros. Mas mesmo os que não o fazem tão bem, como Soshitsu e Ketsui, sempre proporcionam bons momentos, como as dúvidas existenciais de Joe e o confronto entre Meiko e Meicoomon.

 

Mirai, por sua vez, tem várias cenas de combates, mas nelas apenas vemos os companheiros Digimon levando abadas da Ordinemon.

 

Se é para isso, mais valia que regressassem as cenas nas termas e as histórias de terror: ao menos, davam para ver a Mimi cantando perante uma data de homens em trajes menores e para ver o Matt a fazer chichi nas calças.

 

bhtr.png

 

Em todo o caso, durante o primeiro combate com Ordinemon, Huckmon confronta o Dark Gennai – o lacaio da Homeostase e o lacaio de Yggdrasil, respetivamente. Ambos papagueiam a filosofia dos respetivos patrões e o Dark Gennai observa que os métodos da Homeostase não são assim tão diferentes dos de Yggdrasil.

 

Não está errado, pois não? Isto tudo começou quando a Homeostase sacrificou o companheiro Digimon de uma criança Escolhida por ela. E agravou-se quando outros dois Escolhidos se tornaram danos colaterais.

 

Isto fica bem patente quando Huckmon confronta os Escolhidos pela primeira vez em Tri. Os miúdos descobrem logo que o Huckmon é a pré-digievolução do Jesmon que literalmente enterrou Tai e Daigo… e reagem de acordo. Gostei desse momento. No entanto, acabam por aceitar ouvir acerca do novo plano da Homeostase.

 

E que plano é esse? Um Reinício dos sistemas informáticos do Mundo Real. Porque aparentemente a Homeostase tem os recursos de um técnico amador de informática: a sua resposta para tudo é desligar e voltar a ligar.

 

Um Reinício digital do Mundo Real poderia reiniciar Meicoomon – e desta vez Izzy teria tempo para criar um campo de dados que preservasse as memórias dos Digimon. No entanto, já em 2005, metade das instituições estavam informatizadas. Reiniciar esses sistemas informáticos a nível global traria inúmeras complicações.

 

zfgns.png

 

Nos dias de hoje seria ainda pior, claro. O meu trabalho tornar-se-ia caótico, para começar – perguntem a qualquer farmacêutico o que aconteceria se o Sifarma fosse abaixo, de um dia para o outro.

 

Por outro lado, as redes sociais implodiriam… o que talvez não fosse uma coisa assim tão má, agora que penso nisso. Depois do escândalo da privacidade do Facebook, se houvesse uma maneira de reiniciar os sistemas informáticos, apagando duas décadas, ou mais, de dados acumulados, muitos de nós estariam dispostos a arriscar, penso eu.

 

Regressando a Tri, Izzy opõe-se firmemente ao plano e corre para o seu escritório, para arranjar uma ideia melhor. Era de esperar: ele conhece melhor que ninguém as possíveis consequências de um Reinício e é dos poucos capazes de conceber uma alternativa.

 

Enquanto esta não surge, no entanto, os outros Escolhidos não têm hipótese senão colaborar – com muita relutância.

 

 

Ficamos por aqui, por enquanto. Vou tentar publicar as outras partes ainda hoje. Continuem por aí, que o melhor de Mirai vem já a seguir!

 

Sem Títuloff.png

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Bibliotecário

    Eu depois empresto-te a consola com todo o gosto!

  • Sofia

    Sim, vai sair o Pokémon Let's Go Pikachu, que de f...

  • Bibliotecário

    Já está Sofia respondido!! Eu já respondera às que...

  • Sofia

    Eu já respondi a este desafio, não sei se podes no...

  • Fernando

    Oh Sofia fiquei contentíssimo e feliz por me nomea...

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion