Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Álbum de Testamentos

Mulher de muitas paixões e adoro escrever (extensamente) sobre elas.

Digimon Frontier #6 – Takuya e Kouji mais quatro

01.png

 

Quero resistir à tentação de dizer que Takuya e Kouji são meras cópias de Taichi e Yamato de Adventure. É uma leitura demasiado comum, demasiado simplista, que se torna preguiçosa. 

 

Não que esteja errada. Sim, existem semelhanças entre os dois pares de personagens e é óbvio que estas foram intencionais. Veja-se a maneira como as linhas digievolutivas incluem referências às linhas do Agumon e do Gabumon. 

 

No entanto, existem pontos de divergência claros entre as personagens mais velhas e as personagens mais novas. Para começar, Takuya e Kouji são menos desenvolvidos que Taichi e Yamato em Adventure. Além disso, as suas situações familiares podem ser parecidas à primeira vista (o líder é um irmão mais velho com uma típica família nuclear, o “lancer” vive com o pai divorciado e tem um irmão que vive com a mãe), mas olhando mais de perto não são assim tão semelhantes. E é sobretudo daí que, na minha opinião, nascem as diferenças.

 

Começando por Takuya, que tem um irmão mais novo, Shinya. Aliás, os eventos de Fronteira começam – podemos dizer mesmo que decorrem – no dia de anos de Shinya. Longe do estranho vínculo que Taichi e Hikari cultivavam em Adventure, Takuya tem uma relação mais normal com Shinya: não se dão particularmente bem, mas aparentemente não há nada de tóxico entre eles. Como irmão mais velho, Takuya ressente-se por os pais serem mais indulgentes para com o irmão mais novo (sei o que isso é…), mas não deixa de reconhecer que ele também não é perfeito como irmão.

 

No entanto, quando vem para o Mundo Digital, um dos companheiros de Takuya é Tomoki, um miúdo da idade de Shinya. Quando Tomoki tem um descontrolo emocional quase suicida ao chegar à Aldeia do Fogo, o primeiro instinto de Takuya é protegê-lo – o que o leva ao seu Espírito Humano.

 

02.png

 

Aliás, uma das coisas de que mais gosto em Fronteira é o vínculo entre Takuya e Tomoki. A maneira como estes se adotaram um ao outro como irmãos. Na versão original, Tomoki trata o amigo mais velho por Takuya-oniichan. Não sei se é habitual em japonês, mas imagino que seja precisamente para ilustrar a maneira como Tomoki vê Takuya. Ao mesmo tempo, é possível que Takuya esteja a tentar compensar com o amigo mais novo pelas suas falhas com o seu irmão biológico.

 

Tendo tudo isto em conta, eu diria que, no início da história, Takuya tem mais em comum com Yamato do que com Taichi. Um episódio em que isso se vê bem é o sétimo, imediatamente depois da primeira derrota perante o Grottemon. Takuya, Kouji e Tomoki são separados do resto do grupo e falam sobre o que aconteceu no episódio anterior. 

 

Eu acho piada a este episódio pois faz de Takuya e Kouji pais adotivos de Tomoki, em conflito sobre a melhor maneira de educar o filho. Kouji é o pai mais severo. Como veremos adiante, nesta parte da história, ele é o mais motivado do elenco para cumprir a missão. Está preocupado com a derrota recente e não tem paciência para os choradinhos de Tomoki, acha que o miúdo não tem estaleca para ser uma Criança Escolhida e que Takuya o mima demasiado. Por sua vez, Takuya considera que Kouji é demasiado duro para com Tomoki, que é um par de anos mais novo que eles e nem sequer veio para o Mundo Digital de livre vontade.

 

É um daqueles casos em que nenhum dos lados está cem por cento ou errado. Sim, Tomoki precisa de se adaptar às dificuldades da sua missão no Mundo Digital. No entanto, já tínhamos visto em Adventure o que acontece quando insistimos em seguir em frente às cegas, sem pararmos para cuidarmos de nós mesmos e lidarmos com o que está a acontecer.

 

Os papéis de Takuya e Kouji invertem-se mais tarde, quando Duskmon se junta à festa. E a quem os miúdos não conseguem fazer um arranhão que seja, ficando obrigados a bater em retirada. Kouji em particular percebe que este adversário não é como os anteriores, não está ao alcance deles. Por muito determinado que esteja em levar a missão para a frente, Kouji não é estúpido, não tenciona arriscar a vida ao desbarato. 

 

03.png

 

Por seu lado, Takuya formula um plano para enfrentarem o Duskmon. Basicamente, ele digievoluirá para Agnimon, agarrará o Duskmon pelas costas e os outros atacá-lo-ão em conjunto.

 

Como se o Duskmon aceitasse placidamente ser agarrado pelo Agnimon.

 

Kouji discorda e di-lo abertamente, mas também não tem nenhuma ideia melhor que ir fugindo ao Duskmon. Na minha opinião, este é outro caso em que ninguém está cem por cento errado. Kouji faz bem em alertar os amigos para o poder do adversário. No entanto, até quando conseguiriam escapar a Duskmon? Um segundo confronto era inevitável, mesmo que a iniciativa não partisse dos miúdos. Mais valia terem um plano para quando isso acontecesse. 

 

Kouji chega a ter uma conversa em privado com Takuya. Acusa-o de não levar nada daquilo a sério, de não ter consciência da mortalidade, tanto dele como dos amigos. Conclui dizendo a Takuya para executar o plano por sua conta e risco, se morrer pela sua própria estupidez, o problema é dele. Mas que deixe Kouji e os outros de fora das consequências.

 

O Duskmon ataca-os pouco depois. Os miúdos executam o plano de Takuya que, como o previsto, dá para o torto. Agnimon fica à mercê do Duskmon, que se prepara para um ataque possivelmente fatal. Apesar do que dissera antes, Kouji (sob a forma de Garummon) não aguenta e atira-se para a frente do ataque.

 

Como disse antes, este é o meu momento preferido em Fronteira. Um plot twist bem feito que desenvolve o carácter de três personagens principais. Takuya, que vê Kouji quase morrendo por causa dos seus erros; Kouji, que revela assim não ser tão desprendido como dá a entender; Duskmon, que tem uma reação estranha ao descobrir a identidade do Digimon que atacou e enche o campo de batalha com uma estranha névoa. Takuya decide embarcar num Dark Trailmon de regresso ao Mundo dos Humanos. 

 

242827541_3163188530583007_3759990953965849347_n.j

(fonte)

 

As semelhanças deste evento ao que aconteceu a Taichi em Adventure, no final do arco do Etemon, são evidentes. Para além do óbvio, ocorrem numa parte da história em que tanto Taichi como Takuya são confrontados com a sua própria imprudência. Ao mesmo tempo, ambos os eventos são a antítese um do outro. Taichi regressa ao Mundo dos Humanos num ato de coragem. Takuya regressa num ato de cobardia.

 

Mais: Takuya nem sequer regressa como ele mesmo. Regressa como Flamon, a forma Infantil do Agnimon. Algo que impede Takuya de retomar a sua vida normal, algo que o recordará daquilo que fez sempre que se olhar ao espelho. A marca da vergonha. É brilhante, na verdade. 

 

Não podendo ficar ele mesmo no Mundo dos Humanos, Takuya decide tentar impedir o seu eu do passado de regressar ao Mundo Digital – por motivos que não são explicados, Takuya viaja ligeiramente para trás no tempo. O jovem passa, também, todo o episódio sendo assombrado pelo espectro do Duskmon. Como era de esperar, no último momento, Takuya muda de ideias e decide regressar para proteger os amigos. 

 

É facilmente um dos melhores episódios da temporada. É uma pena que a repercussão no resto da história seja mínima. Takuya reencontra os amigos com relativa facilidade no episódio seguinte e ninguém torna a comentar o facto de Kouji lhe ter salvo a vida, depois de ter prometido que não o faria. O impacto emocional teria sido maior se a visita de Takuya ao Mundo dos Humanos (fruto da sua própria cobardia, recordo) tivesse feito com que o grupo se dividisse, como aconteceu em Adventure (hum…). 

 

Aliás, depois deste evento, o desenvolvimento de Takuya é quase inexistente. As únicas exceções serão quando ajuda Kouji a salvar Kouichi (mais sobre isso mais tarde) e o último episódio, quando ele finalmente vai abaixo depois de tantas derrotas – e mesmo assim não dura muito. Infelizmente não é caso único em Fronteira – e nem sequer é dos piores casos.

 

Falemos sobre Kouji, que sempre é um bocadinho mais interessante como personagem. Como referimos antes, o jovem é o mais motivado do grupo para salvar o Mundo Digital. Isto porque a missão é pessoal para ele: o apelo de Ophanimon inclui a possibilidade de o Mundo Digital lhe dar respostas sobre si e a sua família.

 

04.png

 

Kouji vem de uma situação familiar muito particular. Descobrimos durante o arco do Sephirotmon que ele é órfão de mãe (isto é… mais ou menos). O pai voltou a casar e praticamente obriga o filho a tratar a madrasta por “mãe”. Kouji estava a preparar-se para dar esse passo quando recebeu a mensagem de Ophanimon. 

 

Se formos a ver, isto é basicamente a mesma história de Juri. No entanto, a maneira como as personagens lidam com isso é diametralmente oposta – Kouji parece-se mais com Ruki nesse aspeto. Além de que Juri está mais longe de aceitar a madrasta. 

 

Aliás, acho interessante que, apesar de estar a meio do ato de comprar flores para a madrasta, Kouji larga tudo para ir para o Mundo Digital. Prova que, apesar de tudo, o jovem ainda tinha dúvidas – e a mensagem de Ophanimon reforçou-as. Isso serve-lhe de motivação durante os primeiros episódios de Fronteira, mas por alturas do arco do Sephirotmon, Kouji está mais determinado do que nunca a regressar a casa e a adotar a madrasta como mãe. Isso não muda, nem mesmo com os eventos dos episódios seguintes – mais sobre isso noutra ocasião.

 

No fundo, Kouji é parecido com Yamato, sim, mas com um Yamato sem Takeru. O Yamato do Reboot, aliás, é mais parecido com Kouji do que o Yamato original. Nenhum deles tem um irmãozinho com eles no Mundo Digital e estão mais motivados que os outros para cumprir a missão. No caso do Yamato do Reboot, este tem Takeru sozinho no Mundo dos Humanos e quer protegê-lo à distância do efeito dos distúrbios no Mundo Digital. 

 

Para além deste aspeto, tanto Kouji como o Yamato do Reboot são introvertidos (também se aplica ao Yamato original), preferem agir sozinhos no início da respetiva história, não têm grande consideração pelo resto do elenco de heróis mas acabam por se juntar ao grupo quase sem darem por isso. No caso de Kouji, mesmo quando entra na equipa, são várias as vezes em que se afasta e procura resolver os seus problemas a solo. 

 

No entanto, é de notar que, no momento mais difícil de Kouji – quando descobre a verdade sobre a sua família e sobre Kouichi – ele apoia-se nos amigos. Sobretudo Takuya. Ele explica-lhe, da melhor maneira que consegue, o que é ser irmão e, mais importante, dá-lhe o equivalente psicológico a um murro à 02 – para que Kouji se recomponha e salve o irmão da influência de Cherubimon. 

 

05.png

 

Depois disto, Kouji torna-se um pouco mais caloroso, ainda que seja quase só com Kouichi e, vá lá, um pouco com Takuya – mais em situações de combate. 

 

Uma vez mais, não existe um desenvolvimento por aí além de Kouji. A partir de certa altura a história é “Takuya e Kouji mais quatro” em termos de combates, Fronteira é infame por isso, mas nem sequer temos um desenvolvimento decente dos dois. Mas esse é um problema global, como vimos no texto anterior. 

 

E ficamos por aqui hoje. Continuaremos a analisar as personagens individualmente no próximo texto. Eu já me demorei mais do que queria com este e o próximo poderá demorar outra vez – a Seleção irá regressar ao ativo e terei de dar prioridade ao meu outro blogue. Em todo o caso, obrigada pela vossa visita. Até à próxima!

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Inês

    Eu viciei no álbum Happier Then Ever. E o single q...

  • Sofia

    Ventanni é gira! E gostei do videoclipe.

  • Inês

    As baladas que eles têm são absolutamente linda: T...

  • Bibliotecário

    Estou há 3 anos à espera da continuação da saga "O...

  • Sofia

    Claro, a maior parte das pessoas é̶ ̶n̶o̶r̶m̶a̶l, ...

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion

Em destaque no SAPO Blogs
pub