Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Álbum de Testamentos

Mulher de muitas paixões e adoro escrever (extensamente) sobre elas.

Música 2021 #1: Flowers For Vases e o que farão os Paramore a seguir

Chegámos àquele período em que olhamos para trás e refletimos sobre o ano que termina. Quem acompanha este blogue há algum tempo saberá que, nesta altura, gosto de fazer um apanhado da música que mais me marcou ao longo do ano. 

 

Uma espécie de Spotify Wrapped por escrito.

 

Estes têm sido textos difíceis de escrever, contudo. Em parte por ter menos tempo, já que coincidem com as festas. Mas também tenho tido dificuldades em decidir os moldes adequados para a retrospetiva. 

 

Este ano decidi regressar ao básico e fazer como fazia nos primeiros anos deste blogue: uma publicação para cada artista ou banda, sensivelmente (poderão haver exceções). Mesmo que me atrase e só consiga concluir a retrospectiva em inícios ou mesmo meados de janeiro (espero que não), na pior das hipóteses já tenho esta primeira parte publicada. E talvez seja mais apelativo, tanto para mim como para quem leia.

 

Vou seguir uma ordem mais ou menos cronológica. As primeiras artistas vêm em continuidade de 2020. Começando por Hayley Williams, que, depois de ter encerrado 2020 com o EP Petals For Armor: Self-Serenades, de ter deixado pistas nas redes sociais e ter “vazado” o tema My Limb, lançou o seu segundo álbum a solo, Flowers For Vases em inícios de fevereiro. 

 

 

Vários temas de Flowers For Vases aparecem no meu Spotify Wrapped, mas isso não é representativo. Conforme expliquei aqui, tirando quando tenho o Premium, geralmente só uso o Spotify no meu computador, enquanto escrevo ou preparo textos para publicação. 

 

Assim, as músicas de Flowers For Vases terão acumulado reproduções enquanto eu tratava da análise. Eu nem sequer gosto assim tanto de Inordinary ou de Good Grief. O álbum foi marcante no início do ano, sim. Mas, tal como previ na altura, regressei pouco a este trabalho, tirando as minhas músicas preferidas – My Limb, Over Those Hills, Find Me Here, Just a Lover. Asystole quando estou para aí virada. 

 

Conforme escrevi na análise, Flowers For Vases tem os seus momentos, mas é um álbum demasiado minimalista em termos de instrumental. As músicas são demasiado curtas e, nalguns casos, pouco intensas, incapazes de me cativar. 

 

Na minha opinião, Hayley precisa de pelo menos uma outra pessoa com quem compôr. As músicas de Flowers For Vases, mesmo deixando a desejar, continuam acima da média no que toca a música no geral. Ainda assim, mesmo as melhores neste álbum mal conseguem competir com os temas de Petals For Armor e da maioria da discografia dos Paramore. Adaptando uma frase que citei na análise a PFA, Hayley até se pode safar muito bem a solo, mas sozinha já não se safa tão bem.

 

Além disso, só prova que aqueles que dizem que os Paramore são Hayley-mais-dez não sabem do que falam. Hayley é claramente uma jogadora de equipa.

 

Captura de ecrã 2021-12-18, às 23.53.49.png

 

A mim parece-me que o início de 2021, quando saiu Flowers For Vases, foi há imenso tempo. Foi um ano muito comprido para mim, tanto quanto 2020 pareceu na altura. 

 

Isto será em parte porque mudei de emprego este ano. Tenho rotinas diferentes, questões de trabalho que me apoquentavam há um ano hoje nada significam. Mas mesmo tirando estas questões mais pessoais, as coisas mudaram. Em janeiro/fevereiro estávamos na pior fase da pandemia, no nosso segundo confinamento, sem sequer podermos beber um café “ao postigo”. Desde aí a pandemia melhorou significativamente à medida que a vacinação se disseminou. Tornou a piorar nas últimas semanas e os próximos meses são muito incertos, mas longe da gravidade do início do ano. 

 

Assim, quando oiço certas músicas de Flowers For Vases, sobretudo aquelas que oiço menos vezes, tenho recordações do início do ano. Entretanto, Hayley entrou em estúdio com Taylor e Zac e, agora, o sexto álbum dos Paramore já esteve bem mais longe. Hayley praticamente confirmou-o para 2022 e acho que está na altura. Até porque os Paramore acabam de ter o seu melhor ano de sempre no Spotify – um feito notável para uma banda que não lança música nova há mais de quatro anos. A ideia que eu tenho é que eles têm ganho popularidade no Tik Tok.

 

Eles têm de aproveitar.

 

Captura de ecrã 2021-12-19, às 00.05.42.png

 

 

Tenho-me esforçado por não pensar muito no próximo álbum dos Paramore. Em parte por, como referi quando escrevi sobre All We Know is Falling, ter precisado de me alhear um pouco do universo cinemático deles (embora tenha começado a ouvir este podcast, que recomendo). 

 

Ao mesmo tempo, não quero especular demasiado nem criar expectativas, que correm o risco de serem defraudadas. Estou a tentar manter a minha mente o mais aberta possível. Ao contrário de uma grande fatia dos fãs, não tenho preferência pelo género musical do próximo trabalho. Podem trazer o som mais pesado dos primeiros álbuns – juntando-se a Avril Lavigne, Travis Barker e companhia – podem trazer as influências de synth pop e new wave de After Laughter ou seguir uma direção completamente diferente. A mim é-me igual, desde que a qualidade seja a mesma de sempre.

 

Só tenho dois desejos. O primeiro, o mais importante, é que Hayley não cante sobre o ex-marido. Falando por mim, estou farta, ela que enterre esse cavalo morto de vez. Que cante antes sobre o Taylor sobre a nova relação saudável que diz ter neste momento. 

 

O segundo desejo é que Hayley aplique as lições aprendeu com os seus trabalhos a solo. Que suje as mãos com a instrumentação, mesmo que use algumas das influências de Petals For Armor e Flowers For Vases. Não seria absolutamente essencial, mas seria interessante. 

 

A ver no que dá. 2022 vai ser bom pois a minha santíssima trindade – o meu cantor preferido, a minha cantora preferida e a minha banda preferida – irá toda lançar música nova. Não tenho grande pressa com o álbum novo dos Paramore – até me covinha que eles “deixassem” Avril e Bryan lançarem os seus trabalhos primeiro antes de anunciarem o seu. 

 

Ficamos por aqui, para já. Se não conseguir publicar antes, votos de Boas Festas e de boas entradas em 2022, sempre com os devidos cuidados porque pandemia. Até à próxima!

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Inês

    Eu viciei no álbum Happier Then Ever. E o single q...

  • Sofia

    Ventanni é gira! E gostei do videoclipe.

  • Inês

    As baladas que eles têm são absolutamente linda: T...

  • Bibliotecário

    Estou há 3 anos à espera da continuação da saga "O...

  • Sofia

    Claro, a maior parte das pessoas é̶ ̶n̶o̶r̶m̶a̶l, ...

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion

Em destaque no SAPO Blogs
pub