Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Álbum de Testamentos

Porque sou uma miúda com muitas maluqueiras e adoro escrever (e muito) sobre elas.

Pokémon através das gerações – Ainda mais geologia, ainda mais trompetes #1

Com vários meses de atraso, vamos finalmente acabar a nossa análise à sexta geração com Omega Ruby e Alpha Sapphire. Mais uma vez, tive de dividir o texto em dois. Esta é a primeira parte. 

 

IMG_20180411_140530.jpg

 

Nos anos anteriores a Omega Ruby e Alpha Sapphire, muitos fãs esperavam remakes de jogos de Hoenn na quinta geração – algo que não se confirmou. Uma parte da comunidade de fãs tornou-se tão obcecada que a frase “Hoenn Confirmed!” se transformou num meme – com pessoas apontando para os pormenores mais triviais e interpretando-os como indícios de remakes de Hoenn.

 

A Internet tem destas coisas.

 

A frase, no entanto, transformou-se numa expressão de júbilo quando, em maio de 2014, a Nintendo anunciou o lançamento de Omega Ruby e Alpha Sapphire para novembro do mesmo ano.

 

A meu ver, a sexta geração era mesmo a melhor para se fazerem remakes dos jogos de Hoenn. Ruby e Sapphire também se caracterizaram por serem os primeiros numa nova consola, apresentando significativas melhorias gráficas relativamente aos jogos anteriores, tornando-se mesmo o tema dos jogos. A diferença é que, enquanto o foco em X&Y era a beleza em geral, os jogos de Hoenn centram-se na beleza da paisagem, da Natureza.

 

Tal como vimos anteriormente, Hoenn é a região mais rica e variada até ao momento (não sei se Alola lhe fica atrás, no entanto). E nos gráficos melhorados de Omega Ruby e Alpha Sapphire, essa variedade resplandece, com toda a sua glória – sobretudo quando voamos sobre ela nas costas de um dos Latis.

 

nmlobo.png

  

Já que falo sobre isso, umas palavrinhas sobre a melhor funcionalidade destes jogos. O velhinho Fly leva-nos diretamente do ponto A para o ponto B mas com o Soar voamos e conseguimos ver e controlar o nosso percurso nos céus – faz-me lembrar o “Flyover” da Wii Sports Resort. Podemos apreciar a beleza de Hoenn a partir de cima – é sem dúvida a melhor região para ter esta funcionalidade.

 

Porém, na minha opinião, o Soar podia ter regressado para os jogos de Alola.

 

Outra funcionalidade gira destes jogos é o DexNav – para além de ajudar a encontrar Pokémon com bons IVs e certos Egg Moves, numa fase mais avançada do jogo, ajuda a encontrar Pokémon que não fazem parte da Pokédex habitual de Hoenn. Deu imenso jeito para completar a Pokédex em Alpha Sapphire – foi a primeira vez que o fizemos num jogo de Pokémon

 

Não foi só na parte estética e mecânica que estes remakes sofreram uma melhoria significativa em relação aos originais: no enredo também. ORAS pegou na história de Groudon/Kyogre e o Team Magma/Aqua, que já era bastante boa, e passou-a ao nível seguinte – com personagens melhor desenvolvidas e, sobretudo, integrando o conceito de Mega Evolução (introduzido em X&Y). Tal fez com que a sexta geração num todo se tornasse mais coesa tematicamente.

 

Antes de falarmos da intriga principal dos jogos, falemos sobre outras personagens importantes – que surgem mais desenvolvidas e interessantes, em parte devido aos bonecos em 3D, ao facto de podermos ver os seus gestos e expressões.

 

npnnojb.png

  

Um bom exemplo disso é o nosso rival (May caso escolhêssemos jogar como rapazes, Brendan caso escolhêssemos jogar como raparigas). Depois de, em Ruby, Sapphire e Emerald terem tido um papel insignificante (nem chegamos a ver as terceiras evoluções dos starters que escolheram), em ORAS têm bastante mais tempo de antena. Estão longe de ser os rivais mais interessantes da franquia, mesmo assim.

 

Essencialmente, seguem a fórmula das gerações mais recentes: alguém que se torna o melhor amigo do jogador, que emparceira com ele quando este enfrenta as equipas vilanescas, que às vezes é usado como veículo de facilitismo, que está lá para congratular-nos aquando das nossas grandes vitórias.

 

Não que haja alguma coisa errada com esse modelo por princípio – eu gosto de alguns desses rivais – mas Brendan e May não se desviam muito dele. A única coisa em que diferem em relação a outros é o facto de Brendan e May serem pintados, subtilmente, como potenciais interesses românticos. Tem a sua graça, sobretudo quando os pais do treinador parecem encorajá-lo. Mas sinceramente, depois desta, prefiro ver Brendan namorando uma integrante do Team Magma.

 

Nesse aspeto, Wally é mais interessante. A história dele é, no essencial, a mesma que nos jogos originais. No entanto, o diálogo foi expandido, os gráficos em 3D dão-lhe personalidade e, sobretudo, ganhou um tema de combate super fixe – qualquer um que tenha uma música como este torna-se automicamente um “badass”.

 

AR-160909429.jpg

  

Brincadeiras à parte, Wally tem um papel parecido ao de Silver em Heart Gold e Soul Silver – no sentido em que somos nós a guiá-lo, em vez do oposto, conforme comentámos antes. A orientação que damos é diferente, claro – enquanto Silver teve de, em suma, aprender a deixar de ser uma besta, Wally teve de ganhar confiança em si próprio.

 

Quando o conhecemos, Wally é um miúdo adoentado, um tudo nada demasiado protegido pela família. Compreende-se, qualquer um quer proteger uma criança doente, mas o problema é que isso impede a criança de aprender a tomar conta de si mesma.

 

Assim, somos nós a ensiná-lo. Tanto pelo exemplo como de forma direta – somos nós quem o ensina a capturar Pokémon (o que sempre dá algum interesse aos secantes tutoriais que a que a Game Freak nos sujeita). Através dos combates que travamos contra ele, Wally vai aprendendo a ser treinador, determinado a, um dia, levar a melhor sobre nós.

 

Eu sinto-me mal por derrotá-lo.

 

HDACg.jpg

  

O Campeão de Hoenn, Steven Stone, também recebe mais oportunidades para brilhar. O seu papel como mentor foi alargado: é ele quem nos ensina o que é a Mega Evolução nestes jogos, ajuda-nos na crise do Kyogre/Groudon e durante o Delta Episode – chegando a emparceirar connosco para combater contra Courtney ou Matt (consoante a versão).

 

No entanto, o meu momento preferido de Steven é quando o seu pai – Mr. Stone, presidente da Devon Corporation – se mete com ele. É uma coisa pequena, mas é suficiente para humanizar uma personagem, para termos uma nova perspetiva sobre Steven: um homem digno, sábio, mentor de treinadores mais jovens, Campeão de Hoenn… mas que não deixa de ter um pai que ainda o vê como um miúdo.

 

Voltando um bocadinho atrás, vimos que é Steven quem nos ensina acerca da Mega Evolução, em ORAS. A maneira como o conceito é explorado nestes jogos é diferente de em X&Y. Por um lado, apresentam outra origem para a Mega Evolução, que nada tem a ver com a Arma Suprema – mais sobre essa origem diferente adiante, quando falarmos sobre o Delta Episode.

 

Pode haver quem aponte dedos à inconsistência entre X&Y e ORAS no que toca à história da Mega Evolução, mas não acho que seja uma falha. Na minha opinião, faz sentido que duas regiões diferentes tenham explicações e/ou lendas diferentes para o mesmo conceito.

 

8b020fe94cfc71f42fcd927fd752eedc.jpg

  

ORAS apresenta, além disso, uma variante à Mega Evolução: a Primal Reversion (em português, Reversão Primordial ou Reversão Primitiva). Em suma, os Pokémon que sofrem Reversão Primordial regressam ao seu estado primitivo. Ao estado que, no caso de Groudon, criou os continentes e que, no caso de Kyogre, criou os mares. Mais poderoso… mas também menos controlado.

 

São essas formas que os Team Magma e Aqua, consoante a versão, pretendem usar para atingir os seus objetivos. Tendo em conta aquilo que descrevi acima, qualquer pessoa com dois dedos de testa saberia que tentar apoderar-se de uma força da Natureza feita carne é uma péssima ideia, com 99,9% de probabilidades de dar para o torto.

 

Mas já se sabe. Se os vilões em Pokémon tivessem senso comum, os jogos seriam só ginásios e Elite 4, o que seria um bocadinho seca.

 

Ainda assim, as motivações do Team Magma e do Team Aqua surgem um pouco mais desenvolvidas em ORAS, em relação aos jogos originais. O Team Magma, em Omega Ruby, procura expandir as placas continentais, para benefício dos humanos. Por sua vez, o Team Aqua, em Alpha Sapphire, procura expandir os oceanos, para benefício dos Pokémon, que têm perdido os seus habitats para os humanos – dando o exemplo de cidades, como Pacifidlog.

 

IMG_20170306_1238851_HDR.jpg

  

Tanto os líderes como os principais administradores das organizações têm diferentes personalidades e relações uns com os outros. Comecemos pelo Team Magma. O seu líder, Maxie, é um homem calmo, discreto, senhor do seu nariz, que mantém sempre a compostura… isto é, quando não é apanhado de surpresa. O seu homólogo do Team Aqua, Archie, é corpulento, muito mais intempestivo. Se por um lado é mais amigável para com o protagonista, por outro tem mau génio e é teimoso.

 

Cada um dos líderes tem dois subordinados administradores: um cegamente leal ao seu superior – ao ponto de continuar a tomar atitudes vilanescas, mesmo depois de o seu querido líder já ter passado para o lado dos bons – outro mais comedido, que a certa altura chega a “trair” o seu líder, quando se apercebe que estão prestes a cometer um erro terrível.

 

No caso do Team Magma, o primeiro é Courtney, que já conhecemos de Generations: meio maluca, devota a Maxie. Tabitha, por sua vez, apesar de extrovertido, é mais ajuizado e acaba por se aliar aos adversários do Team Magma para travar o seu líder.

 

No caso do Team Aqua, Shelly é a “vira-casacas” – sendo ela amiga de infância de Archie, não terá sido uma decisão fácil. Por sua vez, Matt é bastante parecido com Archie: extrovertido, rudemente afável. Ele e Archie parecem, aliás, ter um bromance.

 

griezmann em festa alheia.jpg

  

É um aspeto curioso: Archie trata os seus administradores como iguais, enquanto Maxie é mais distante. Não porque não sinta afeição por Courtney e Tabitha, antes por ser um homem mais para o estóico, menos à vontade para mostrar os seus sentimentos.

 

Tirando as personagens mais desenvolvidas, as Primal Forms e uma ou outra alteração, a história é essencialmente a mesma que nos jogos originais: o Team Magma/Aqua tenta ganhar controlo sobre Groudon/Kyogre, não conseguem, acabam por desencadear um desastre natural e tem de ir a criança de onze anos (ou doze?) resolver a asneira dos adultos.

 

Ao menos desta vez o líder da equipa não-vilanesca em cada jogo (Archie em Omega Ruby, Maxie em Alpha Sapphire) pede-nos desculpa pela situação. E o líder da equipa vilã ajuda-nos a corrigir o imbróglio que ele mesmo criou: oferecendo-nos um fato e guiando-nos até Groudon ou Kyogre.

 

O que nos leva ao clímax da narrativa, que ganhou vários níveis de epicidade nestes remakes: em vez de apenas encontrarmos o respetivo Lendário na Cave of Origins, desta feita saltamos para as costas do Groudon, que nos leva através da lava, e mergulhamos no mar, atrás de Kyogre. A sequência em que estes Lendários assumem as formas primordiais é espetacular – é mesmo para cenas como esta que Pokémon passou à terceira dimensão! 

 

 

 

Tudo se resolve quando capturamos ou derrotamos Groudon ou Kyogre. Desta vez, os líderes vilanescos parecem genuinamente arrependidos do que fizeram, decididos a corrigir os erros que cometeram e a não repeti-los.

 

Courtney e Matt, porém, não receberam o memorando. Mais tarde, durante o Delta Episode, tentam boicotar os planos de travagem do meteorito (eu explico adiante) como forma de vingar os respetivos queridos líderes…

 

…embora eu não perceba de que forma deixar o planeta ser destruído iria ajudar Maxie ou Archie. Mas quem me manda tentar entender a lógica de vilões de Pokémon?

 

De qualquer forma, este pequeno desenvolvimento sempre leva a um momento bonito, no final do Delta Episode: Courtney e Matt pedem desculpa a Maxie e Archie, respetivamente. Estes, por sua vez, pedem desculpa aos seus subordinados por os terem arrastado para o fiasco com Groudon e Kyogre. Os líderes sabem que precisam de abrir as mentes, alargar horizontes, escutar os demais. Comprometem-se a reconstruir as respetivas organizações do zero e pedem ajuda a Courtney, Tabitha, Matt e Shelly.  

 

  

A moral desta história acaba por não ser muito diferente da dos jogos da quinta geração. O que é um ponto a favor, mesmo que possa parecer um pouco repetitivo. Archie e Maxie aprendem o mesmo que N: que não existe um único ponto de vista com todas as respostas, que precisamos de sair da nossa zona de conforto, ouvir os outros, para crescermos enquanto pessoas.

 

Mas não pensem que a história de ORAS acaba aqui. O melhor ainda está para vir... na segunda parte desta análise. Não percam!

 

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion