Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Álbum de Testamentos

Mulher de muitas paixões e adoro escrever (extensamente) sobre elas.

Desilusão em dose tripla (ou Séries 2014/2015)

Alerta Spoiler: Este texto pode conter revelações do enredo das séries abordadas. Logo, se estiverem a pensar ver uma delas, ou se ainda não têm os episódios em dia, sintam-se à vontade para saltar a respetiva análise.

 

03.jpg

 

Arrow começou mal logo no primeiro episódio, na minha opinião, ao matar Sara. Esta era uma das minhas personagens preferidas, mas pelos vistos não dos guionistas - estava na cara que só a mataram para abrir caminho para que Laurel tomasse o seu lugar como Black Canary. 

 

Isto, na verdade, foi apenas o início de uma temporada muito confusa, sobretudo na segunda metade. A conspiração que envolveu a morte de Sara foi apenas uma parte do problema. Toda a minha narrativa relacionada com a Liga dos Assassinos e Ra's Al Ghul - que, segundo o que li na Internet, chegou a ser um copy-paste de Batman em certos momentos - podia ter resultado em algo fantástico, capaz de mudar as premissas da série, mas acabou por ser muito mal exectuado. Mesmo assim, o pior foi Olicity.

 

Durante as duas primeiras temporadas, Felicity Smoak era uma das melhores personagens de Arrow, uma fonte de luz e divertimento, numa série algo sombria em certas alturas e num protagonista que, por vezes, se leva demasiado a sério. Tinha também uma ótima química com Oliver. Como costuma acontecer nestas situações, uma boa parte dos fãs começou a fantasiar com um romance entre os dois - por outras palavras, surgiram shippers.

 

Nunca achei muita piada a shippers, embora, como escritora, reconheça o apelo das fan fictions: pegarmos em personagens alheias e inventarmos nós mesmos histórias para elas. Olicity é apenas um exemplo entre muitos. Os guionistas oficiais de Arrow é que cometeram a asneira de tentar agradar aos fãs, com resultados desastrosos. 

 

Não tenho nada contra o casal Felicity e Oliver por si mesmo, mas critico a maneira como o trabalharam. Deram-lhe demasiado protagonismo e melodrama, sobretudo na segunda metade da temporada. A Felicity desajeitada e divertida foi substituída, quase na sua totalidade, por uma choramingas estilo Laurel no ano anterior. Todo aquele drama de não-quero-andar-contigo-porque-te-coloco-em-perigo, para além de ser batidíssimo, não faz sentido pois Felicity já corre perigo de qualquer forma sendo o cérebro da Team Arrow. O triângulo amoroso com Ray Palmer também foi desnecessário. Chegaram ao cúmulo de colocar Ra's Al Ghul, o vilão da temporada, dando conselhos amorosos ao casalinho (WTF?!?!).

 

Tudo poderia ter sido evitado se o relacionamento tivesse tido um papel mais secundário. Se tivessem mantido a antiga dinâmica, acrescentando apenas alguns beijinhos. A esperança que tenho para a quarta temporada é de que o drama tenha acabado e que a relação perca os contornos de novela mexicana. Só com isso a série melhoraria imenso.

 

Para ser justa, vou falar das coisas boas da temporada. Apesar da morte de Sara e da maneira como lidaram com essa morte, gostei do seu crescimento até se tornar a Black Canary, redimindo-a de dois anos como uma das personagens menos interessantes. Também Thea melhorou consideravelmente aos meus olhos, este ano. A jovem teve muito com que lidar, com um pai biológico manipulador e tudo o que aconteceu com o irmão, revelando uma maturidade que não lhe conhecíamos antes. A partir do momento em que ficou por dentro do segredo de Oliver, foi recompensador testemunhar uma nova cumplicidade entre os dois irmãos. É aliás curioso que as personagens menos conseguidas das primeiras duas temporadas estejam, agora, entre as melhores enquanto Felicity, antigamente a mais popular, se tenha tornado a pior...

 

03.jpg

 

Apesar de não sentir particular anseio pelo recomeço de Arrow, sinto alguma curiosidade relativamente ao seu spin-off, Legends of Tomorrow. Principalmente por causa de Sara, que ressuscitará através do Poço de Lázaro (embora não perceba muito bem nem como nem porquê), e se juntará ao elenco. 

 

Por outro lado, consta que a primeira temporada de Flash foi boa, a minha irmã, pelo menos, gostou. Ainda não tive vontade de vê-la mas talvez experimente, um dia destes...

 

rs_634x846-150421085940-634.good-wife.cm.42115.jpg

 

Depois de uma quinta temporada interessante, em que muita coisa mudou para a eterna Good Wife, nesta sexta temporada foi tudo por água abaixo. O motivo é muito simples: tomaram uma decisão que não coadunava com a personalidade ao colocarem-na concorrendo para Procuradora Geral/State's Attourney. Alicia não tem nem nunca teve perfil para a política. Para os bastidores, talvez. Para se aproveitar da influência do marido, talvez. Como protagonista, nunca.

 

A campanha para State's Attourney durou a temporada quase toda, teve momentos medíocres, fez com que Alicia se afastasse da firma que fundara com tanto sangue, suor e lágrimas, e dos respetivos sócios. Destaco Cary, que ainda por cima esteve à beira de ser preso. A firma, de resto, acabou por perder o seu propósito ao acolher quase todos os que traballhavam na antiga Lockhart & Gardener's. Ou seja, a quinta temporada acabou por não servir para nada.

 

Mesmo assim, esforcei-me por tolerar a campanha pois, ainda que não gostasse do caminho, gostaria de ver Alicia como State's Attourney, possivelmente enfrentando antigos colegas e/ou clientes em tribunal. Mas até isso nos foi roubado e da maneira mais estúpida possível. Alicia foi eleita, mas foi expulsa do cargo uns meros dois ou três episódios mais tarde por fraude eleitoral, fazendo com que a campanha e tudo o que implicou tenham servido exatamente para nada. 

 

Como se isso não chegasse para arruinar a série, nesta temporada despedimo-nos de Kalinda - desde o início uma das personagens mais populares - com muita polémica. Isto porque alguém se lembrou de fazer contas, chegando à conclusão que Alicia e Kalinda (outrora grandes amigas) não partilhavam uma cena desde meados da quarta temporada. Acabou por se descobrir que as respetivas atrizes não gostavam uma da outra e, aparentemente, não aguentavam estar na mesma divisão o tempo suficiente para filmarem uma cena juntas. De todas as vezes que apareciam juntas no ecrã neste último ano foi através de montagens. A Internet andou obcecada com esta suposta quezília, sobretudo aquando da despedida inglória de Kalinda. Eu apenas acho triste e pouco dignificante para atrizes tão talentosas e um golpe à credibilidade de que The Good Wife não precisava.

 

Com tudo isto, não anseio particularmente o regresso da série. Tenho alguma esperança numa recuperação de qualidade, uma vez que na próxima temporada Alicia focar-se-á na advocacia, que é o seu verdadeiro elemento. A possível parceria com Louis Canning, além do mais, tem o seu potencial. Mesmo assim, acho que The Good Wife já deu o que tinha a dar (e não foi pouco, atenção!). Espero que esta seja a última temporada.

 

 

03.jpg

 

A série Anatomia de Grey é como se fosse um mau namorado. Andamos há muitos anos, como se diz em inglês, on and off. Nunca me satisfez por completo, fartei-me muitas vezes, termino o relacionamento, digo a mim mesma e aqui no blogue que é desta. Contudo, nunca consigo afastar-me permanentemente, acabo por voltar e, de cada vez que o faço, mais cedo ou mais tarde, arrependo-me.

 

No entanto, nunca me arrependi tanto como nesta temporada. Tinha voltado a ver a série há cerca de um ano na desportiva - depois de um par de anos criticando séries no meu blogue, é-me muito difícil ver séries como Once Upon a Time sem estar em modo analítico, o que estraga o prazer de ver um episódio novo. Como não me ralaria por aí além com Anatomia de Grey, podia ver só por ver.

 

E até estava a gostar. Simpatizei com a irmã perdida de Meredith, apesar de enfiada a martelo e de não roçar os calcanhares de Lexie - estou convencida que isso aconteceu porque a apresentação dela coincidiu com o meu estágio em Évora; tal como Maggie Pierce, também me sentia meio perdida numa terra estranha. Gostei imenso da história de Nicole Herman e, em paralelo, de Amelia Shepherd - o episódio da operação para remover o tumor é o meu preferido da temporada.

 

O casal MerDer é que esteve num impasse durante quase toda a temporada por causa de uma oferta de emprego que afastaria Derek de Seattle e da família - já que Meredith recusava-se a abdicar do seu emprego e a sair da cidade. Shonda Rhimes, usando uma expressão inglesa, wrote herself into a corner. Por outras palavras, meteu-se numa situação em que Derek não teria outro remédio senão deixar Meredith e os filhos. Eu, pessoalmente, não teria grandes problemas com isso. Seria uma oportunidade de retratar uma separação civilizada, ensinando que o amor nem sempre dura até à morte, mas que o respeito e a amizade se podem manter. Mesmo que não se passasse assim, seria melhor que a opção tomada. No entanto, tal não era possível para Shonda. Derek era o McDreamy, o Príncipe Encantado! O McDreamy deixar a amada? Podia lá ser!

 

A solução? Matar McDreamy.

 

A série já teve inúmeras mortes de personagens importantes, mas está foi a pior de todas. O relacionamento de Derek com Meredith foi a raison d'être para o início de Anatomia de Grey. Mesmo não sendo as minhas personagens preferidas, sempre gostei da dinâmica do casal MerDer, sobretudo após o post-it. Um casal que ia tendo os seus problemas, mas conseguia aguentar-se - um bom exemplo numa altura em que os relacionamentos são tão efémeros. Apenas para acabar desta forma. Levaram anos e anos a fazer com que Meredith amadurecesse, perdesse o medo ao compromisso, de ser feliz. Para agora acontecer exatamente aquilo que ela temia.

 

O pior de tudo foi que a personagem - recordo: o segundo protagonista - nem sequer teve direito a uma despedida decente. Como poderão ler aqui, o episódio da morte está cheio de incoerências. Condensaram um ano inteiro num episódio duplo, pelo que o elenco fez o luto muito mais depressa do que a audiência. Fez o luto é como quem diz... Mostraram-nos dois ou três minutos do funeral de Derek. Não se faz nem uma referência à eventual presença de Addison (ex-mulher de Derek), Cristina (que quereria estar com a sua pessoa na pior altura da vida dela) ou mesmo à mãe e outras irmãs dele. O luto de Meredith (pelo menos o que nos mostram) limita-se a olhares inexpressivos à distância e a flashbacks (a audiência é capaz de ter chorado mais do que ela...). Mesmo outros elementos do elenco regular pouco aparecem enlutados - acho que houve mais comoção aquando da morte de George. A única que, para mim teve uma reação adequada foi a irmã de Derek, Amelia.

 

  

Resumindo e concluindo, estou ainda mais furiosa com Shonda Rhimes do que fiquei com os guionistas de How I Met Your Mother o que não é dizer pouco. Ela quis prolongar a série mais do que devia, teve de inventar problemas para o casal protagonista, criando um imbróglio que não conseguiu resolver de outra maneira.

 

Por outro lado, todas estas críticas que tenho feito ainda se vão virar contra mim, um dia, quando começar a cometer na minha escrita os erros que aponto a outros...

 

Eu podia dizer aqui que é desta que largo Anatomia de Grey definitivamente. Pelo menos é essa a minha intenção. No entanto, não seria a primeira vez que diria tal. No entanto, uma coisa é certa: nunca me importarei com esta série da maneira como me importo com outras - está visto que dará mau resultado.

 

Como poderão concluir, parto para esta nova temporada com pouco entusiasmo, excepto no que toca a Once Upon a Time: recomeça no domingo e eu mal posso esperar. Mantenho a esperança de que Arrow e The Good Wife se redimam. Contudo, está mais que provado que prognósticos, só no fim da temporada...

Grey's Anatomy/Anatomia de Grey - nona temporada

Alerta Spoiler: este texto contém revelações sobre o enredo, pelo que só é aconselhável lê-lo caso tenha visto todos os episódios da nona temporada de Grey's Anatomy/Anatomia de Grey, até para a própria compreensão desta entrada.


No verão passado, nas primeiras entradas deste blogue, falei sobre algumas séries que acompanhava. Ainda acompanho Bones/Ossos, à medida que os episódios são emitidos na televisão portuguesa - farei . Fartei-me de Sobrenatural a meio da sétima temporada. Quanto a Anatomia de Grey, este ano apenas a segui ocasionalmente, saltei muitos episódios, em particular na segunda parte da temporada, muitos deles vi-os só para fazer companhia ao resto da família ou porque queria ver televisão e não tinha nada melhor nas gravações.

A nona temporada até teve um arranque razoável, com o rescaldo do acidente de avião que encerrara a oitava época a dar algum fulgor à série. Mas as falhas não demoraram muito a dar de si.


Começando pelo acidente de avião. Numa altura em que as vítimas e/ou familiares tentavam decidir se processavam ou não a companhia aérea, gostei do discurso de Derek, em que este traça um paralelismo entre os erros médicos e os erros aéreos, como os que haviam conduzido ao acidente, explicando que é com os erros que os médicos aprendem, evoluem, e que, desse modo, a companhia aérea devia seguir o exemplo, de modo a evitar uma nova tragédia. Um discurso muito bonito e tal mas, no fim, em vez que seguirem com esse processo para a frente, decidem processar o hospital, por terem escolhido aquela companhia aérea, levando-o quase à falência, colocando a carreira dos colegas - a larga maioria amigos deles - apenas por ser uma via mais lucrativa em termos de indemnização.

Além de que, ver o hospital em crise financeira não é novidade depois da sexta temporada.


Uma das personagens que mais me irritou foi April Kepner. Eu até gostava dela na sexta e sétima temporadas, pela sua insegurança, por se preocupar com os doentes enquanto pessoas, pela maneira como ficou marcada por um erro que cometeu, custando a vida a uma doente, o que a levou a agarra-se às regras e à burocracia. No entanto, nos últimos anos ficou reduzida ao estereótipo da virgem-que-deixou-de-o-ser, com conflitos patéticos entre a descoberta da sua sexualidade e as suas convicções religiosas, que não levam a nada e apenas magoam Jackson, o namorado que lhe roubou a virtude, que se vê reduzido ao papel de "pecado", de erro de percurso.


Um arco narrativo particularmente forçado foi o de Callie e Arizona. A amputação da perna de Arizona, consequência do acidente de avião, foi claramente uma maneira de forçar um casal feliz, que já tivera a sua quota-parte de peripécias, a ter problemas de novo. Foi uma das coisas que até funcionou durante uma boa parte da temporada. Os guionistas, no entanto, estragaram tudo ao meterem Arizona traindo Callie - algo que, pelo menos a mim, parece inverosímil num casal que já havia passado por tanto, que devia estar mais unido do que nunca. O mais ridículo ainda foi a justificação dada por Arizona: literalmente, "Tu cortaste-me a perna!". Para além de desenterrar uma questão que, ao que tudo indicava, já estava resolvida, faz Arizona parecer ainda mais ingrata e egoísta do que no início da temporada, onde Callie era obrigada a cuidar de Arizona e a ouvi-la culpá-la pelo que lhe acontecera.

Na minha opinião, a história deste casal já devia ter acabado há um ano ou dois. Callie é uma das minhas personagens preferidas mas ela e Arizona deviam ter ido viver para outra cidade depois de Arizona ter recuperado do acidente, ou mesmo antes do acidente.


Ao menos, a linha narrativa envolvendo Owen e Cristina parece, finalmente, ter sido encerrada. Com dois anos de atraso, diga-se. Os guionistas merecem um prémio pela maneira como conseguiram esticar até aos limites do ridículo a história de um casal que se sabia, há dois anos, que não tinha futuro. E, mesmo assim, não me admirava se os guionistas arranjassem outra maneira de manter o casal junto durante mais uma temporada.

Estes são apenas alguns exemplos das incoerências e falhas da série. Não posso falar de mais nenhuma pois não vi todos os episódios. Dá, no entanto, para ver que Anatomia de Grey mantém as mesmas fraquezas: melodramatismo, focalização excessiva nas relações amorosas em detrimento dos aspetos médicos - a que se soma uma absoluta falta de imaginação, uma gritante previsibilidade, em suma, um claro desgaste. Na minha opinião, a série pede encerramento urgente.

Admito que, depois de nove anos atirando peripécias atrás de peripécias para cima dos médicos, não será fácil encerrar todos os arcos narrativos assim sem mais nem menos. Há algumas temporadas que estou convencida que tudo acabará com Meredith, a protagonista, desenvolvendo Alzheimer mais cedo ou mais tarde - algo que será trágico, sobretudo agora que tem dois filhos pequenos. Talvez continue a acompanhar a série nos moldes que descrevi no início da entrada mas suspeito que será cada vez mais penoso fazê-lo. Espero, sinceramente, que o décimo seja o seu último ano e que a série tenha um encerramento minimamente digno.

Entretanto, a seguir, falarei da mais recente temporada de Bones/Ossos.

Grey's Anatomy/Anatomia de Grey

 
 
Não posso dizer que esta seja uma das minhas séries preferidas. Acompanho-a há vários anos e temos sempre tido, digamos, uma relação de amor-ódio. Penso que é aquilo a que se chama um guilty pleasure. Ainda tentei deixar de a acompanhar mas, uma vez que está constantemente em reposição na FOX Life, julgo que já vi praticamente todos os episódios emitidos pelo menos uma vez.
 
Apesar do nosso relacionamento complicado, a verdade é que Anatomia de Grey até tem sido uma fonte de inspiração para a minha escrita, sobretudo na parte mais emotiva dos meus livros. Sim, porque a série já abordou praticamente todos os tipos de relacionamentos entre humanos. Destaque para os relacionamentos amorosos, é claro - uma das críticas que já ouvi a esta série é a de que já toda a gente andou com toda a gente - mas também os fraternais, os familiares, etc. Explora também alguns conceitos relacionados com a vida real, que, em muitos dos caos, se entrelaçam com os problemas dos doentes - embora, nalguns casos, de forma algo rebuscada -  que fazem refletir e que me são francamente úteis na escrita. 
 

156360_718222284862792_194156329_n.jpg

 

Um desses conceitos é, na minha opinião, o pilar na qual toda a série assenta: o debate carreira versus vida pessoal. Praticamente todas as variantes desta dualidade, todas as perspetivas são exploradas na série. Se os cirurgiões fazem aquilo por mera ambição pessoal ou para salvar vidas. O convívio da competição com a cooperação na relação entre colegas, estejam estes no mesmo nível ou em diferentes estratos hierárquicos. O facto de os grandes cirurgiões serem vistos pelos pares como heróis, apesar de os entres queridos não conseguirem ignorar a indiferença e mesmo o desprezo com que são tratados. A escolha entre fazer aquilo que se ama ou estar com a pessoa que se ama. Assemelhando-se um pouco ao debate de ficções como "Sobrenatural", o desejo de se marcar a diferença, de fazer algo com significado, de se ser extraordinário, contrastando com o desejo de ter uma vida relativamente mais fácil, uma família, um lar para onde regressar todas as noites.

 

Outro aspeto que me cativa na série é a parte da Medicina, pois frequento um curso de saúde. É claro que, à semelhança do que acontece um pouco noutras séries médicas, nem tudo é cem por cento realista. Algo que igualmente não me parece realista é o facto de os alegados melhores cirurgiões do país, ou mesmo do Mundo, estarem concentrados no mesmo hospital. Além de que, em Anatomia de Grey, quando tudo parece perdido para o doente, há sempre alguém com uma terapia inovadora - na vida real, sobretudo no nosso País, duvido que uma ideia dessas fosse exequível ou que sequer coubesse no orçamento de um hospital.
 
 
O problema da série é ter momentos em que se torna demasiado melodramática, como se quisesse, a todo o custo, arrancar lágrimas às pedras da calçada. A mim, pelo menos, tirando uns quatro ou cinco casos, tais cenas apenas me provocam impaciência pela lamechice toda. Também não ajuda o facto de muitas das personagens serem completa e irritantemente disfuncionais, negando até à loucura aquilo que sentem, chegando ao ponto de se rirem quando deviam chorar. Como uma das personagens, das mais secundárias, disse uma vez, não passam de "crianças com bisturis".
 
Além disso, enquanto algumas das reflexões em voz off no início e no fim dos episódios e certos diálogos das personagens podem, como exemplifiquei acima, fazer-nos pensar, não são raras as vezes em que se dizem banalidades disfarçadas de pensamentos profundos.
 
 
No entanto, quando não estão todos a chorar, a série tem momentos bem divertidos. Isto deve-se, sobretudo, ao contraste entre as diferentes personalidades. Tenho um punhado de personagens preferidas mas a minha favorita é a Dra. Bailey. No início, é-nos apresentada como a mentora rígida e autoritária dos internos recém-chegados ao hospital. No entanto, acaba por equilibrar bem o seu carácter autoritário com a afeição que nutre pelos doentes, pelos colegas e, em particular, o amor maternal que nutre pelos seus internos, até mesmo depois de eles concluírem o internato.
 
 
A série já teve oito temporadas, umas melhores do que outras. A mais recente foi, até ao momento, a pior. Não nos podemos queixar por aí além quando uma série começa a dar sinais de desgaste ao sétimo ou oitavo ano de vida - outras séries têm apresentado tais sinais bem mais cedo. De facto, Anatomia de Grey chegou a um ponto em que já não traz praticamente nada que já não tenha exibido antes. As frágeis tentativas de dar uma lufada de ar fresco à coisa - por exemplo, o episódio do "What If?/E se?" - não resultam. Perdi também a conta às vezes que revirei os olhos nesta temporada.
 
 
Um dos problemas desta temporada é o facto de alguns dos casais estarem na fase do "viveram felizes para sempre". Ora, a ficção assenta, não digo na infelicidade, mas nos problemas das personagens, nos obstáculos com que se deparam, nos desejos delas. Nota-se que os argumentistas da série andam com dificuldades em arranjar problemas a, por exemplo, Callie e Arizona. Na minha opinião, o casal lésbico já deu o que tinha a dar, já teve a sua atribulada história de amor com final feliz. Eu já as teria despachado. 
 
 
Outro caso desses, ainda que de maneira diferente, é o casal-centro de Anatomia de Grey, Meredith e Derek. Aqui, as fraquezas da história já vêm desde a temporada anterior: a história do ensaio clínico como tentativa de curar uma doença neurodegenerativa que termina quando um dos médicos o sabota a favor de um ente querido já tinha sido vista em House; a infertilidade de Meredith, então, é um tema batidíssimo em séries. Durante a primeira metade da oitava temporada, enrolaram a história da adoção até a custódia da órfã que querem adotar lhes cair do céu. E mesmo os problemas no casamento se resolveram sem grandes complicações.
 
Depois, existem linhas narrativas ainda mais fracas, nesta temporada. O caso de Cristina e Owen é um deles. Já se notava no fim da época anterior que o casamento estava condenado pelo simples facto de ele querer filhos, ela não e nenhum de ambos parecer disposto a ceder nesta matéria. A maior parte dos casais - incluindo um na mesma série - já se teria separado após a constatação deste facto. No entanto, a história de eles foi enrolada até ao infinito ao longo da temporada inteira. A partir de certa altura, sobretudo depois de ele a ter traído, ficava com vontade de lhes gritar: "Divorciem-se de uma vez, caramba!". O casamento não me parece ter salvação, tendo em conta tanto a discordância no que toca a filhos como a traição dele - há quem se divorcie por apenas um destes requisitos ou por ainda menos. No entanto, a oitava temporada terminou e nem sequer há certezas sobre se vai haver divórcio ou não. O que me parece ridículo.
 
 
Outro arco narrativo que também deixou bastante a desejar foi a relação de Lexie e Mark. O romance entre ambos tem estado on e off desde a sexta temporada, com ambos sempre incertos dos seus sentimentos, mesmo quando andam com outras pessoas, eternamente separados pela diferença de idades, por se encontrarem em fases de vida diferentes, por ele querer constituir família e ela não - olha, afinal são dois casais... Na oitava temporada, então, enrolaram ainda mais a história. Neste último ano, Lexie pouco mais fez do que suspirar por Mark, incapaz de se decidir se o quer ou não.
 
Acabou por não ser muito surpreendente a sua morte, no encerramento da temporada. Era óbvio que os argumentistas já não sabiam o que fazer com a personagem, portanto, adotaram a solução mais fácil. A morte de Lexie é um cliché em todos os aspetos - é claro que Mark só se lembra que quer uma vida com Lexie quando esta está a morrer!
 
Lexie era uma das personagens mais queridas da série, era uma das minhas preferidas, pela sua graça, pela memória fotográfica, pela teimosia que lhe permitiu estabelecer uma ligação com Meredith, mesmo depois de a meia-irmã ter deixado bem claro que não queria ter nada a ver com ela. Na minha opinião, merecia mais do que ter passado estas últimas duas temporadas fazendo pouco mais que suspirar por Mark.
 
Com tudo isto, ainda não sei se me darei ao trabalho de acompanhar a próxima temporada. O último episódio termina em suspense com o acidente de avião mas, para ser sincera, as pontas soltas não me interessam por aí além, não estou propriamente ansiosa por ver o que acontece aos sobreviventes. Isto porque duvido que aconteça algo que não tenha já sido visto em Anatomia de Grey: já antes se lidou com eventos traumáticos; já antes se lidou com a morte de colegas, amigos, parentes ou amantes; já antes se lidou com lesões comprometedoras das capacidades cirúrgicas. Só se, eventualmente, fizessem alterações no elenco é que a série ganharia fôlego. E mesmo assim... Na minha opinião, devia começar a pensar-se em encerrar a série. Já deu o que tinha a dar sobre o tema vida e medicina/cirurgia, duvido que, a partir de agora, surja algo de novo. 
 
A acontecer isso em breve, não terei grandes saudades de Anatomia de Grey. Pelo menos, não tantas como de outras séries, como Friends e House - como já mencionei acima, nunca coloquei Anatomia de Grey entre as minhas preferidas. No entanto, não duvido que sentirei uma certa nostalgia por mais uma boa série, à sua maneira, daquelas que já duram há uns anos, ter terminado.

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

  • Sofia

    Claro, a maior parte das pessoas é̶ ̶n̶o̶r̶m̶a̶l, ...

  • Simple Girl

    Li esta análise (e a primeira parte), não costumo ...

  • Sofia

    Missão cumprida, ah ah! Piadas à parte, não é prec...

  • Anónimo

    eu estou completamente v-i-c-i-a-d-o nas suas anal...

  • Anónimo

    Nada, eu que agradeço por você analisar tão bem. S...

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion