Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Álbum de Testamentos

Mulher de muitas paixões e adoro escrever (extensamente) sobre elas.

Coldplay - A Head Full Of Dreams (2015)

Algo que me acontece com frequência é queixar-me da demora que os artistas de quem gosto levam a lançar álbuns. O que aconteceu com os álbuns Goodbye Lullaby e o homónimo de Avril Lavigne foi ridículo. Estava à espera que Get Up, de Bryan Adams, tivesse saído uns meses antes. Estou há pelo menos um ano à espera do álbum novo dos Sum 41. Os Simple Plan, por sua vez, finalmente anunciaram o nome e data de lançamento do quinto disco de estúdio, depois de lançarem uma data de singles: Taking One For the Team, previsto para 19 de fevereiro.

 

No entanto, a verdade é que também não gosto muito quando os artistas lançam álbuns com pouco tempo de intervalo. Regra geral, levo mais ou menos um ano a digerir um disco na sua totalidade. Às vezes preciso de mais tempo. Escrevi sobre Ghost Stories, por exemplo, há pouco menos de um ano e ainda não me desliguei completamente - Ink continua a ser uma das minhas músicas preferidas neste momento e ainda não me cansei de temas como Magic e Midnight. Ainda não precisava de outro álbum dos Coldplay.

 

Por outro lado, conforme me tenho queixado amiúde aqui no blogue, 2015 foi um ano fraquinho em termos de música nova dos artistas de que gosto - razão pela qual nem me dei ao trabalho de escrever uma entrada de Música de 2015, ao contrário de anos anteriores. Ao menos sempre tenho algo mais sobre que escrever aqui no blogue.

 

 

Depois do introspetivo Ghost Stories, A Head Full Of Dreams adota um tom completamente diferente: alegre, otimista, refletindo, suponho eu, o novo capítulo na vida de Chris Martin, o vocalista. Mesmo as canções mais calmas e intimistas focam-se no lado mais positivo do tema que abordam. Existem imensas músicas em A Head Full Of Dreams que falam de otimismo, felicidade, esperança e tal, embora o façam através de letras pouco notáveis: ou demasiado vagas, ou resvalando para clichés ou armando-se em intelectuais. No entanto, em quase todas as músicas neste disco, a sonoridade - tanto em termos de melodia como de instrumentação - apesar de por vezes demasiado produzida, compensa facilmente as fraquezas das letras.

 

Devo dizer que o início do álbum é a parte de que menos gosto. As faixas A Head Full Of Dreams e Birds são, a meu ver, aborrecidas. Não me dizem nada. Apenas me dão vontade de passar à frente, sobretudo a segunda. Hymn For the Weekend tem subido na minha consideração, mas não ao ponto de se encontrar entre as minhas preferidas. Tem uma sonoridade interessante, não o nego: o piano, as palmas, um som que se assemelha a talheres batendo em copos - algo que condiz com a letra, na qual o narrador diz-se embriagado pela vida e pelo amor em geral. A voz de Beyoncé enriquece a música.

 

Com o primeiro single, Adventure of a Lifetime, passa-se um pouco o mesmo que em Hymn for the Weekend: de início, a música não me entusiasmava particularmente. Com várias audições fui gostando mais, mas continua a não estar entre as minhas preferidas. A letra fala de um romance numa fase inicial, mas que se pode vir a tornar em algo fantástico. Muitos apontam as semelhanças com Get Lucky. É definitivamente é muito mais dançante que aquilo que esperaríamos dos Coldplay, mesmo depois de A Sky Full Of Stars.

 

 

 

Não considero X Marks the Spot como verdadeiramente parte de A Head Full Of Dreams, por vários motivos. Para começar, é uma hidden track.

 

Um rápido aparte só para dizer que, na minha opinião, as hidden tracks estão obsoletas, numa altura maioritariamente digital. Eu ainda vou comprando CDs (cada vez menos...), mas extraio sempre as músicas para o meu computador e, depois, para o meu telemóvel. Aqui, gosto de rearranjá-las em playlists temáticas, para a minha escrita, ou pura e simplesmente coloco em shuffle. Nestas circunstâncias, não dá jeito nenhum ter duas músicas na mesma faixa - muito menos quando gosto imenso da primeira e não muito da segunda.

 

Fechando o aparte, conforme dizia eu, para além de ser uma hidden track, X Marks the Spot tem uma sonoridade do resto do álbum: mais eletrónica, mais à R&B. A ideia com que fico é que isto foi apenas uma pequena experiência da banda, devendo ser tomada apenas como uma curiosidade, um gracinha, quase uma b-side. Não parte integrante de A Head Full Of Dreams.

 

Por sua vez, os interlúdios Colour Spectrum e Kaleidoscope nada acrescentam ao álbum, do meu ponto de vista, embora compreenda a sua inclusão.

 

CXEvjwFWEAEfJtm.jpg

 

Army Of One é uma canção de amor com uma letra vulgar, explorando os clichés "as maravilhas do Mundo não são nada comparadas contigo" e "vou lutar pelo teu amor". No entanto, tem uma melodia extremamente cativante e um órgão que dá à música uma nota de euforia, tornando-a irresistível.

 

Amazing Day é uma balada muito suave, baseada em piano, notas de guitarra e em violinos, que se integraria bem na minha entrada sobre Innocence e músicas similares. A letra pinta a imagem de um momento de romance, de intimidade, debaixo das estrelas.

 

Por sua vez, Up&Up pega no tema dominante do álbum - otimismo e esperança. Começa com uma sequência de piano e batidas leves. No refrão juntam-se várias vozes a cantar (supostamente todos os convidados a colaborar neste álbum) - é difícil não apreciar. Também gostei do solo de guitarra, cortesia do guitarrista dos Oasis, Noel Gallagher.

 

Everglow e Fun são, do meu ponto de vista, as melhores músicas em A Head Full Of Dreams. Curiosamente, ambas vêm em linha com os temas de Ghost Stories, funcionando mais ou menos como sequelas - por outras palavras, tudo indica que se referem à relação de Chris Martin com Gwyneth Paltrow. Fun é uma daquelas canções cuja letra se esforça demasiado por soar intelectual, com várias metáforas e uma referência ao mito de Ícaro que não parecem fazer muito sentido no contexto da música. No entanto, sempre pinta a imagem de um pôr-de-sol numa praia tropical, que eu imagino sempre que a oiço. Fun está muito bem conseguida tanto em termos de melodia como de arranjo musical. A voz de Tove Lo soa muito bonita ao lado da de Chris Martin. Pena é terem-na reduzido a pouco mais que um backvocal. Ela merecia ter cantado pelo menos a segunda estância. Em Fun, o narrador terminou um relacionamento, mas procura focar-se nos aspetos positivos desse relacionamento, dando mesmo a entender que, se calhar, nem todas as pontas ficaram atadas entre ele e a antiga amada.

 

 

Finalmente, Everglow é uma balada conduzida pelo piano, com uma produção mais simples que quase todo o resto do álbum. A sonoridade é reconfortante, aquece o coração, o que combina com a letra. A ideia principal desta é que as pessoas que amamos nunca nos deixam verdadeiramente, deixam qualquer coisa em nós, algo a que a música chama uma... luz eterna (é a melhor tradução que encontro para o título da faixa, que de resto é um neologismo). Algo que permanece, mesmo num mundo em que tudo é efémero. Algo que, por vezes, é suficiente para conseguirmos sobreviver. É sem dúvida a mensagem mais bonita de todo o álbum. Mais bonita... e menos batida. 

 

Resumindo e concluindo, o ponto forte de A Head Full of Dreams é a sonoridade das músicas e a mensagem geral de esperança e otimismo. O seu ponto fraco é essa mensagem resvalar frequentemente para lugares-comuns, parecendo por vezes vaga e impessoal. Nesse aspeto, um álbum melhor conseguido é o Self-Titled dos Paramore - mas também este álbum está muito melhor conseguido em todos os aspetos que a larga maioria dos álbuns (por favor, não me perguntem pela saída do Jeremy ou eu começo a chorar...). No fim, acho que gosto mais de Ghost Stories, sobretudo por causa dos temas mais pessoais e pelo conceito geral. 

 

Tal como escrevi no ano passado, não me considero grande fã dos Coldplay. Não estou investida neles tanto como noutros artistas sobre quem escrevo neste blogue. Por outro lado, pelo que li em artigos e criticas publicados aquando do lançamento de A Head Full Of Dreams, é considerado "cool" odiar os Coldplay (eu podia jurar que essa honra pertencia aos Nickelback...). Ainda que compreenda e concorde, parcialmente, com algumas das críticas (não se desviam do mainstream e do radiofónico, preocupam-se demasiado em agradar ao público, não arriscam, não são grande coisa em termos de letras), na minha opinião, uma boa parte deste ódio é mesquinhez.

 

CYEdt0sUAAAb57h.jpg

 

Não que eu não tenha os meus odiozinhos de estimação, movidos a mesquinhez. Ainda sou do tempo em que era Britney Spears versus Avril Lavigne - ainda hoje não tenho grande consideração por Britney, quer como cantora quer como pessoa, embora até ache piada a algumas músicas dela. Embirro com os Maroon 5 desde This Love, embora seja difícil manter essa embirração depois de momentos como este. Aquando dos EMA de 2010, fartei-me de dizer mal de Lady Gaga, de tal forma que, poucos dias depois, a minha irmã sonhou que eu ia a tribunal por ter dado um tiro na cantora... De qualquer forma, procuro não perder tempo com coisas de que não gosto - a vida é demasiado curta para isso. Acredito cada vez menos em guilty pleasures - se gosto de alguma coisa é porque os seus criadores fizeram algo como deve ser.

 

É certo que a música dos Coldplay não se destaca pelo arrojo, mas isso não significa que não haja espaço para a banda. Há alturas em que queremos ouvir coisas novas, ver os limites da música esticados. Há alturas em que queremos apenas algo familiar feito como deve ser. Parece ser isso que os Coldplay gostam de fazer. Quanto a mim, desde que eu goste da música que eles, ou quaisquer outros artistas, criarem, independentemente da opinião popular, eu alinho. 

Coldplay - Ghost Stories (2014)

1.jpeg

 

Ghost Stories é o sexto álbum de estúdio, editado pela banda inglesa Colplay. Foi lançado a 19 de maio do ano passado. Eu, na verdade, sinto alguma relutância em classificá-lo como "álbum", visto este só possuir nove faixas. Considero-o mais um EP. Mas isto é apenas um pormenor. 

 

Antes de dar o meu parecer sobre este trabalho, quero relembrar que só comecei a ouvir regularmente músicas da banda há menos de um ano. Sei muito pouco sobre os Coldplay - o pouco que conheço sobre os membros da banda descobriu-o através da minha irmã. Ainda nem sequer decidi qual é a minha música preferida deles, o meu álbum preferido. Não me sinto, portanto, à vontade para fazer uma crítica exaustiva, faixa a faixa, como faria habitualmente.

 

Se quisermos comparar Ghost Stories com os álbuns anteriores dos Coldplay, o primeiro, Parachutes (de que menos gosto), é o mais parecido. Sobretudo pelo tom melancólico e lento de quase todos os temas. Ghost Stories é, acima de tudo, um álbum fortemente conceptual. Todas as faixas têm um tom etéreo, umas mais do que outras, de tal maneira que todo o disco (incluindo até A Sky full of Stars) parece uma única canção com múltiplas variações. Além disso, acontece o mesmo que acontece em Viva la Vida: o final de O é compatível com o início de Always in my Head, de tal forma que é possível ouvir o álbum em loop.

 

1.jpg

 

Em termos de letra, de temática, Ghost Stories é o equivalente ao Goodbye Lullaby para os Coldplay. Foi editado escassas semanas depois do anúncio da separação do vocalista, Chris Martin, da esposa e mãe dos seus filhos, Gwyneth Paltrow. Não é de admirar que este seja um álbum fortemente introspectivo, intricado, em que praticamente todas as músicas deste álbum descrevam diversas fases do processo emocional de uma separação.

 

Especificando, em Always in My Head, o narrador revela-se assombrado por recordações. Semelhante a esta na sonoridade fortemente etérea é Anothers Arms, que se caracteriza pela amargura que o narrador sente ao imaginar a amada "nos braços de outro". O terceiro single, True Love, tem essencialmente a mesma mensagem que a música Lie to Me de Bryan Adams: o narrador pede à amada que lhe minta, pois não se sente com forças para enfrentar a verdade. Em Magic também há um certo grau de negação. O narrador teima em agarrar-se às coisas boas do seu relacionamento, em acreditar que aquilo tem condições para funcionar.

 

Magic é uma das músicas de que mais gosto em Ghost Stories, de resto. É uma balada em tom grave, com algumas semelhanças com Madness, dos Muse. Foi uma das músicas com que fomos martelados na rádio ao longo de 2014, mas esta não cansa tanto como outras. Gosto bastante da parte com a guitarra acústica antes da última estância.

 

 

 

A minha preferida em Ghost Stories é o quarto single, Ink. Tem a roupagem de uma música alegre mas, ao ouvir com cuidado, nota-se que é dolorosamente triste. Chega a dar-me vontade de chorar. A letra estabelece uma comparação entre um amor e uma tatuagem: tal como li numa crítica, fazer uma tatuagem dói, mas removê-la dói ainda mais. Os últimos versos são a melhor parte da canção, transmitindo bem - tanto no que toca à letra como à interpretação de Chris Martin - o desejo doloroso que o narrador continua a sentir pela amada. O vídeo que criaram para a música, que mostro acima, ilustra bem a história agridoce contada por Ink.

 

Midnight foi uma das primeiras faixas do álbum a serem disponibilizadas para audição. Na altura, dividiu a opinião dos fãs, mas, depois de se ouvir o disco todo, eu considero que se encaixa no conceito. É a mais eletrónica de todo o CD, encaixando-se no tom etéreo mas assumindo um carácter ainda mais misterioso e fantasmagórico. É a canção que melhor se encaixa no conceito Ghost Stories pois tanto a sonoridade como a curta letra - que fala de sentimentos de desorientação, perda de esperança, procura de um caminho - dão a ideia de alguém perdido num mar em tempestade ou numa floresta escura. Ou mesmo, se quisermos pegar na mitologia típica das histórias de fantasmas, em espíritos presos à Terra, incapazes de avançarem para "a luz". As notas eletrónicas em cascata antes da última estância ilustram bem o sentimento de confusão.

 

Queria falar, agora, das músicas de que não gosto em Ghost Stories. Oceans parece retirada de Parachutes, com a monotonia e falta de sal que caracterizam várias das faixas do álbum de estreia dos Coldplay, que o colocam no fim da minha lista de preferências. A Sky Full of Stars está no extremo oposto. Produzida por Avicii, é claramente uma faixa feita para a rádio, para aqueles que foram atraídos pelos singles mais alegres de Coldplay. É, no entanto, uma faixa apenas mediana, sem a epicidade de Viva la Vida ou Paradise, tornando-se cansativa após infinitas repetições na rádio. 

 

3.jpg

 

Por fim, a última faixa de Ghost Stories é outro destaque pela positiva. Pegando de novo na comparação com Goodbye Lullaby, O é o equivalene a Goodbye, no sentido em que reflete a fase de aceitação. A letra de O pega na metáfora de um bando de aves migratórias para refletir sobre o carácter imprevisível e temporário do amor. Afinal, todos os romances terminam um dia, quer seja com uma separação quer seja com a morte.

 

Eis um pensamento adequado a vésperas do Dia de São Valentim. 

 

Em suma, considero que Ghost Stories, de uma maneira geral, é um trabalho bem conseguido. Em termos de conceito seria excelente, se não fosse o claro outlier A Sky Full Of Stars. É um álbum mais complexo do que, se calhar, alguns esperariam de uma banda mainstream como os Coldplay. Um álbum que exige múltiplas audições e consulta das letras para ser compreendido na totalidade. Sabe bem analisar música assim, numa altura em que as infinitas horas de rádio a que estive sujeita no ano passado me deixaram algo desencantada com a música em geral. Não quero assumir-me abertamente como fã mas, depois deste álbum, estarei atenta ao que os Coldplay forem fazendo. E se, por acaso, eles passarem por Portugal e a minha irmã quiser ir vê-los,terei muito gosto em acompanhá-la ao concerto.

Música de 2014 #1

E um bom 2015 para os meus seguidores! Este ano atrasei-me com as minhas tradicionais entradas sobre os artistas musicais que mais me marcaram durante o ano que finda, mas aqui está a primeira.

 

Este ano foi diferente do costume. Os meus hábitos musicais mudaram, por vários motivos. Já falei aqui nos meus problemas de audição. Ando a tentar ouvir menos música via headphones, por isso. Por outro lado, nos estágios que fiz este ano, a rádio estava sempre ligada, o que era deveras irritante (e o mais irritante é que, naquelas horas seguidas todas ouvindo a RFM ou a Comercial, nem uma vez ouvi uma música da Avril Lavigne). Acabava por ouvir mais música de que, na sua maioria, não gostava e menos da "minha" música. Isso poderá explicar o facto de este ano nenhum trabalho me ter marcado fortemente o ano da maneira que Goodbye Lullaby marcou em 2011, Living Things em 2012 e Paramore em 2013

 

Em todo o caso, houve muita música nova (da que gosto) em 2014. Este ano vou fazer isto de maneira diferente. Assim, nesta entrada, falarei, por ordem cronológica, dos artistas que editaram que me marcaram nesse ano e sobre os quais falei (ou falarei) aqui no Álbum. Começo assim por...

 

Within Tempation - Hydra

 

2.jpg

 

A banda holandesa lançou o seu álbum Hydra no início deste ano (crítica aqui). É o álbum mais consistente deste ano e talvez mesmo aquele de que gostei mais. Pelo menos é o único em que consigo ouvi-lo do princípio ao fim e apreciar cada música sem sentir a tentação de saltar nenhuma faixa. É, na minha opinião, o equivalente a Living Things no sentido em que a banda mistura sonoridades mais clássicas deles com inovações. Por outras palavras, assenta-se no passado mas projeta-se para o futuro. 

 

Os singles já tinham quase todos sido lançados aquando da minha crítica, tirando And We Run, que teve direito a videoclipe. Achei o vídeo interessante. Joga bem com aquilo que li numa crítica à faixa - a interpretação de Sharon den Adel representa a luz e o rap de Xzibit representa a escuridão - embora se torne demasiado literal.

 

Tanto quanto sei, a banda esteve em digressão durante praticamente todo o ano (embora não tenham passado por Portugal) e lançou recentemente um DVD: Let Us Burn. Não o comprei nem faço tenções de fazê-lo tão cedo. Ainda tenho esperança de vê-los ao vivo e, quando isso acontecer, não quero ter spoilers. Em todo o caso, Hydra é um disco muito bem conseguido, talvez o melhor da carreira deles, e estou ansiosa por ouvir o que fizerem a seguir. Espero que não se demorem muito!

 

Coldplay - Ghost Stories

 

1.jpeg

 

Os Coldplay foram uma banda que comecei a ouvir com regularidade este ano. São a banda preferida da minha irmã. Depois de, por minha influência, ela ter começado a ouvir Bryan Adams, Avril Lavigne, Linkin Park, Paramore, entre outros. Era justo deixar-me converter por ela a uma banda de que gostasse. Não que isso tenha sido particularmente difícil, pois já estava habituada a ouvir os singles deles na rádio há mais de dez anos e gostava de vários. 

 

Tenho estado para escrever sobre Ghost Stories praticamente desde que foi editado. Tenciono publicá-lo algures nas próximas semanas - é uma das várias entradas que tenho em planeamento. Entretanto, a minha irma já me disse que eles deverão editar um álbu novo algures no próximo ano. Eles andam a dizer que será o último álbum da banda - mas eu oiço esses rumores desde, pelo menos, o X&Y.

 

Linkin Park - The Hunting Party

 

6.jpg

 

Os Linkin Park tambem foram relevantes este ano, com o concerto no Rock in Rio a que assisti - a minha melhor noite deste ano - e a edição do álbum The Hunting Party (crítica aqui). 

 

Paa ser sincera, o ciclo deste álbum pareceu-me terminar algo abruptamente. Lançaram os singles Final Masquerade, Wastelands e Rebellion quase de seguida e ficaram-se por aí. Parece que agora é assim, os ciclos de álbum terminam quase todos num abrir e fechar de olhos. Já com Living Things aconteceu o mesmo. Eu fico, sobretudo, com pena de não ter ouvido nenhum dos singles na rádio, nem mesmo Until It's Gone ou Final Masquerade. Eles ainda lançaram White Noise, do primeiro filme realizado por Joe Hann, Mall. Não gostei música, nem me dei ao traballho de ouvir segunda vez. 

 

Os Linkin Park queriam salvar o rock, mas não sei se o conseguiram. De qualquer forma, fizeram um bom álbum no processo. Venha o próximo - se o padrão se mantiver, em 2016.

 

Bryan Adams - Tracks Of My Years & Reckless Deluxe

 

9.jpg

 

 

Já falei sobre sobre os álbuns que Bryan Adams editou este ano aqui e aqui. Conforme já expliquei nessas entradas este albuns serviram, sobretudo, para provar que, trinta anos após os seus primeiros sucessos e, numa altura em que o êxito dos artistas musicais parece tão efémero, Bryan continua a ser relevante, continua a ser apreciado, não apenas pelas gerações mais velhas mas também por pessoas da minha idade e mesmo mais novas. Tracks Of My Years fez-nos recordar os grandes clássicos da música pop. A edição Deluxe de Reckless com as músicas extra, fez-nos recordar  algumas das nossas músicas preferidas de Bryan, bem como o rock dos anos 80 em geral. Também servirão para avrir caminho para a edição do primeiro álbum de inéditos em quase sete anos (ainda não há previsão para o seu lançamento). Esse é um dos lançamentos por que anseio em 2015.

 

 

Estes foram para mim os álbuns mais importantes de 2014. Na próxima entrada, tenciono falar de outros artistas de que gosto, como correu o ano passado para eles e se, eventualmente, editarão alguma coisa no próximo ano. 

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados

Comentários recentes

  • Sofia

    Claro, a maior parte das pessoas é̶ ̶n̶o̶r̶m̶a̶l, ...

  • Simple Girl

    Li esta análise (e a primeira parte), não costumo ...

  • Sofia

    Missão cumprida, ah ah! Piadas à parte, não é prec...

  • Anónimo

    eu estou completamente v-i-c-i-a-d-o nas suas anal...

  • Anónimo

    Nada, eu que agradeço por você analisar tão bem. S...

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion

Em destaque no SAPO Blogs
pub