Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Álbum de Testamentos

Porque sou uma miúda com muitas maluqueiras e adoro escrever (e muito) sobre elas.

Sum 41 - 13 Voices (2016)

sum41_14.jpg

 

A banda de punk rock canadiana, Sum 41, atuou recentemente em Lisboa, no Coliseu dos Recreios e eu estive lá. A banda, liderada por Deryck Whibley, veio apresentar o seu mais recente álbum de estúdio, 13 Voices, editado em outubro do ano passado. Está na altura de, finalmente, falarmos sobre isso.

 

Não tenho um único álbum preferido bem definido dos Sum 41. A verdade é que não oiço a discografia completa deles há muito tempo, só aquelas músicas de que gosto mesmo e que fui incluindo nas minhas playlists. Os álbuns de All Killer No Filler a Underclass Hero contribuem com mais ou menos o mesmo número de músicas para essas playlists. Dito isto, considero que as melhores, de uma maneira geral pertencem ao álbum Chuck – títulos como No Reason, Open Your Eyes, We’re All to Blame, There’s No Solution e Pieces.

 

De qualquer forma, talvez um dia destes escreva Críticas Retrospetivas a alguns desses álbuns. Não nos próximos meses, mas um dia.

 

Screaming Bloody Murder é, infelizmente, o álbum de que menos gosto neles. Essa é uma opinião comum a muitos fãs, eu sei, mas garanto-vos que tentei, várias vezes. As únicas de que gosto são Reason to Believe (gostei quando o Deryck tocou a conclusão dessa música ao piano, durante o concerto), Crash, Exit Song e, um pouco, Blood in My Eyes (que chegou a estar nomeada para os Grammy).

 

CkUAXe6XIAA4y7S.jpg

 

13 Voices até se assemelha um pouco a Screaming Bloody Murder mas, na minha opinião, está uns quantos furos acima. Acho que ninguém ficou surpreendido quando se veio a saber que este álbum foi fortemente influenciado pela quase-morte por alcoolismo de Deryck e consequente recuperação. Deryck afirmou mesmo que a tracklist segue quase uma ordem cronológica. Assim, A Murder of Crows foi a primeira música a ser composta por Deryck após sair do hospital.

 

À semelhança de Reason to Believe em Screaming Bloody Murder, A Murder of Crows é uma abertura épica para 13 Voices. Para além das guitarras e da bateria, noto também alguns elementos sinfónicos – tanto quanto sei, uma novidade na discografia dos Sum 41 e voltarão a aparecer no álbum. Deryck afirmou, neste vídeo, que compôs A Murder of Crows pensando em pessoas na sua vida, que considerava amigas, que tinham estado lá para as festas e para a bebida, mas que, no pior período da vida de Deryck, voltaram-lhe costas.

 

Não que isso seja uma grande surpresa. Pelo contrário, é um denominador comum a muitos casos semelhantes. Pessoas tóxicas, abutres. Não é por acaso que esta canção se chama A Murder of Crows, “um assassino de corvos”. Já Grow Up dos Paramore faz referências a pessoas desse género. Não é de surpreender que uma das primeiras coisas que Deryck tenha feito depois de sair do hospital tenha sido cortar essas pessoas da sua vida.

 

  

Outro tema fortemente influenciado por aquilo que aconteceu a Deryck foi War, o primeiro single oficial de 13 Voices (apesar de Fake My Own Death ter sido revelada algumas semanas antes). War tem sido descrita como a Pieces deste álbum e, de facto, as semelhanças são evidentes. Porém, enquanto Pieces é guiada pela guitarra elétrica e possui um tom depressivo, War é guiada pelo piano e tem um tom mais determinado e esperançoso.

 

War vale sobretudo pela sua letra, no entanto. Costumo falar muito em música que salva vidas – segundo Deryck, War foi quase literalmente o caso. Recordar que, devido aos danos que o álcool provocou nos seus nervos, Deryck teve de começar quase do zero. Teve de aprender de novo a andar, a tocar guitarra, mesmo a viver. Não é um percurso fácil para ninguém e, naturalmente, existem dias maus. Num desses dias, Deryck esteve muito perto de desistir e pegar numa garrafa. Em vez disso, pegou em papel e lápis (ou então caneta, sei lá…) e escreveu aquilo que se tornaria a letra de War.

 

Depois de escrevê-la, Deryck encarou aquelas palavras como um contrato consigo mesmo, uma promessa de que continuaria a lutar pela sua recuperação. Antes de tocar War, no Coliseu de Lisboa,  Deryck disse mesmo que uma das coisas que o motivou nesta luta foi o desejo de gravar um disco e regressar aos palcos para ver os fãs. Chegou mesmo a agradecer-nos por isso, à “família Sum 41” – é muito amor!

 

  

Breaking the Chain (uma das minhas preferidas neste álbum) também parece refletir uma fase da sua recuperação. Tem uma sonoridade interessante pois inclui uma orquestra e tudo (algo inédito na discografia de Sum 41, tanto quanto sei), sem dispensar as guitarras elétricas. Na letra, o narrador reflete sobre o seu passado. Assume pela primeira vez, preto no branco, os erros que cometeu e decide mudar, redimir-se. A palavra “chain” pode significar  “corrente” ou “sequência de eventos”, “padrão”. No contexto desta música, ambos os significados fazem sentido. A expressão que serve de título à faixa pode, assim, referir-se à quebra das correntes que o prendem à sua vida anterior, ou então à quebra da cadeia de eventos, do ciclo vicioso, que inevitavelmente resultaria na sua morte.

 

The Fall and the Rise é uma música que tem vindo a… bem, a subir na minha consideração. Esta adota um estilo recorrente na discografia dos Sum 41, com versos cantados quase em rap – como acontece, por exemplo, em Still Waiting e I’m Not the One. O riff de guitarra e aquilo que me parece ser um órgão dramático fazem um crescendo interessante até ao refrão. Gosto, também, da terceira parte da música, em que esta abranda ligeiramente e os vocais se tornam mais melodiosos. Na minha mente, a música pinta a imagem de uma corrida num sítio agreste (uma floresta escura, por exemplo, ou um deserto), o que, de resto, condiz com a letra da música. Tudo isto dá a The Fall and the Rise um carácter desafiador, determinado. Calculo que Deryck tenha escrito estes versos numa altura em que se sentia mais esperançoso, confiante em si mesmo, decidido a recuperar-se e a voltar ao “sítio aonde pertence” – os palcos, assumo eu.

 

  

Goddamn I’m Dead Again também faz referências ao que aconteceu a Deryck. A letra é essencialmente Deryck ralhando consigo mesmo por quase ter dado cabo de si próprio. A música destaca-se, também, pelo seu excelente solo de guitarra (embora algumas partes se assemelhem, suspeitamente, ao solo de Hotel California), da autoria de Dave “Brownsound” Baksh. Deryck afirmou que Goddamn I’m Dead Again é, de resto, a canção que assinala o regresso de Dave à banda.

 

Se Goddamn I’m Dead Again é a canção de Dave, There Will Be Blood será a música de Frank Zummo, o novo baterista da banda. Segundo Deryck, There Will Be Blodd partiu de uma composição antiga de Frank, que Deryck concluiu. Esta música volta a ter alguns elementos sinfónicos, dramáticos, soa-me muito parecia à sonoridade habitual dos Within Temptation. Até a letra aborda temas semelhantes. Fugindo um pouco ao que aconteceu com Deryck, parece falar de anjos severos, prontos a castigar os pecadores. No entanto, a cena dos “the little ones” torna-se repetitiva e um pouco irritante. Não sou a única a pensar assim, de reste, tenho encontrado opiniões semelhantes na Internet. There Will Be Blood não é uma música má, recebe pontos pelos elementos sinfónicos, mas é a faixa de que menos gosto em 13 Voices.

 

Fake My Own Death foi a primeira música que conhecemos de 13 Voices, mas não me diz por aí além. A letra não é nada de especial, na minha opinião – aborda temas costumeiros na discografia da banda (o videoclipe dá a entender que se refere à cultura de Internet). Dito isto, gosto da terceira parte da música e gosto ainda mais do refrão.

 

  

Nesse aspeto, gosto muito mais de God Save Us All, apesar de “roubar” elementos a The Catalyst dos Linkin Park (ou talvez graças a isso). O próprio título remete para “God save us everyone”. A verdade é que esta nem sequer é a primeira vez que os Sum 41 imitam os Linkin Park (acidentalmente ou não). A terceira parte de I’m Not the One faz lembrar a terceira parte de A Place For My Head. O verso “How can we fake this anymore” de No Reason é muito parecido, tanto na escolha de palavras como na melodia, ao verso “I cannot take this anymore” de One Step Closer. Finalmente - esta pode ser só eu - There’s No Solution soa-me muito parecida com Crawling.

 

Li, também, na Internet que God Save Us All é muito parecida com Throne, dos Bring Me the Horizon. Já ouvi essa música e tenho de concordar que as semelhanças são claras.

 

Eventuais acusações de plágio à parte, God Save Us All tem um ritmo acelerado, bem à punk rock, fazendo lembrar os momentos mais loucos, selvagens, do concerto deles, o que até condiz com a letra. Como é do conhecimento geral, a música rock já foi mais popular e, provavelmente, terão  tentado persuadir os Sum 41 a adotar um som mais pop, mais mainstream. Deryck escreveu a letra de God Save Us All (Death to Pop) a protestar contra isso, por achar a música pop, sobretudo dos dias de hoje, vazia de sentido e de emoção – algo com que concordo.

 

  

Twisted By Design é a música que encerra 13 Voices. Esta volta a apresentar elementos sinfónicos e possui um certo carácter épico e grandioso - o que se adequa a uma canção que funciona como um epílogo para 13 Voices. Deryck descreve-a como a sua canção de vitória – a letra reflete sobre tudo por que o narrador passou, tudo aquilo a que sobreviveu. Por um lado, admite que é melhor pessoa agora. Ao mesmo tempo, sabe que está longe de ser uma pessoa perfeita e aceita que essas partes menos bonitas de si provavelmente nunca irão desaparecer. Twisted By Design marca, também, a transição da fase em que Deryck apenas sobrevive para a fase assustadora em que Deryck faz mais do que isso: vive.

 

13 Voices não é um álbum que me tenha entusiasmado por aí além, mas é bastante sólido, sem nenhuma falha significativa a apontar. A sua grande força é o seu carácter autobiográfico, conforme temos vindo a assinalar ao longo deste texto. Tal como costumo dizer várias vezes neste blogue, uma música que se baseie em experiências reais, sentimentos reais, eleva-se logo acima da mediania. O facto de 13 Voices ser um álbum de esperança, sobrevivência e redenção, à semelhança de um certo outro álbum que me marcou fortemente.

 

CkUAXe6XIAA4y7S.jpg

  

Antes de acabarmos, quero falar, então, sobre o concerto no Coliseu dos Recreios. Cheguei ao Coliseu quase uma hora antes da abertura de portas e já havia uma fila generosa para o concerto. Confesso que não estava à espera - depois de ter conseguido ficar na fila da frente do concerto de Bryan Adams com relativa facilidade (também são públicos bem diferentes...). Já sabendo que ia haver moche, não fiquei na plateia (não sou assim tão hardcore, pessoal…), mas fiquei nas bancadas junto ao palco. Apesar de ser demasiado betinha para andar ao moche, foi refrescante ver o pessoal curtindo à séria, numa altura em que, na maior parte dos concertos, metade do público está o tempo todo de telemóvel no ar.

 

Eu sabia que os Sum 41 eram bons ao vivo e não saí de lá desiludida. Deryck faz-me lembrar Chester Bennington – são ambos muito magrinhos, mas possuem uma energia inesgotável em palco (e ambos se debateram com adições em certas alturas das suas vidas...). Eu procurei retribuir com headbangs, cantando em altos berros.

 

A setlist incluiu todos, ou quase todos, os singles de cada um dos álbuns. Isso funcionou bem comigo pois muitos desses singles incluem as minhas músicas preferidas deles. Alguns dos pontos altos do concerto, para mim, foram Walking Disaster (com as luzes dos telemóveis ligadas, no início), In Too Deep, With Me (com Deryck num palco no meio da plateia e toda a gente cantando em coro), Pieces e o cover de We Will Rock You – adoro esta versão!

 

Tal como é costume quando aproveito bem um concerto, saí de lá mal me conseguindo mexer e fiquei de bangover durante dois ou três dias. Os Sum 41 não estão entre as minhas bandas absolutamente preferidas, pelo menos não neste momento, mas têm um lugar no meu coração, sobretudo depois da noite de 20 de janeiro. Faço parte da família Sum 41.

 

CkUAXe6XIAA4y7S.jpg

 

Mais do que tudo, estou grata por Deryck ter conseguido vencer esta batalha, por ter sido capaz de voltar a Lisboa, com o resto da banda, celebrar comigo e com milhares de outros fãs portugueses. No mundo da música, sobretudo da música rock, ainda existe muito a cultura do “live fast, die young” – o que acho uma treta. Com o devido respeito para lendas como Kurt Cobain, eu prefiro que os meus artistas preferidos vivos, criando música, dando concertos até não poderem mais. Que cresçam ao mesmo tempo que eu e (quando tal se aplica) que vão documentando esse crescimento sob a forma de música

 

Deryck sobreviveu porque concorda com este princípio. Um dos motivos pelos quais ele não voltou a beber foi porque, como já dissemos antes, não queria morrer, queria continuar a fazer música e regressar aos palcos. A música foi mais forte que o álcool. Que isso sirva de inspiração a outros que estejam a passar por situações semelhantes. 13 Voices contou a história dessa luta. Estaremos de volta daqui a uns anos (não tantos como os cinco que separaram este álbum do anterior, espero) com o próximo capítulo musical da história dos Sum 41.

Música de 2016 #2

 

Primeira publicação de 2017. Feliz Ano Novo! Esta é a segunda parte do meu texto sobre as músicas que me marcaram em 2016. Primeira parte aqui.

 

  • Purpose

 

 

19117429_hwzUZ.jpg

 

Bem, começámos por Lorde, passámos por Queen, David Guetta, agora estamos em… Justin Bieber. Até há relativamente pouco tempo, à semelhança de muito boa gente, não ia muito com a cara do miúdo. Não tanto por causa da música dele. Mais pelas suas fãs, cujos modos histéricos se transformaram num meme.

 

Sejamos sinceros, quase todos nós, meninas sobretudo, passámos por fases de histeria por uma celebridade, algures entre os doze e os dezasseis anos. A diferença é que agora, com as redes sociais, os chamados fanboys e fangirls fazem muito mais barulho. A verdade é que não sinto grande respeito por Bieber por ter deixado que isso tudo lhe subisse à cabeça - é certo que ela era um miúdo e a histeria à volta dele era mesmo muita, mas os adultos na vida dele podiam ter feito mais, se calhar.

 

No entanto, quando ele lançou o último álbum, Purpose, e comecei a ouvir os singles na rádio, até gostei de alguns. Love Yourself foi uma daquelas tocadas na rádio até ao enjoo, mas é bastante encantadora na sua simplicidade e ironia. De Sorry gosto imenso, com aqueles vocais algo fantasmagóricos no início. Também gosto da música dele com o DJ Snake, Let Me Love You.

 

 

 

Mas não é dessas músicas que quero falar. Quero falar de Purpose, o tema-título do álbum e… a música da final do Euro 2016 para o herói da mesma, Éder. Depois de ele o ter referido, no rescaldo do Europeu, fiquei curiosa e fui ouvir a música.

 

Purpose é uma canção muito simples, só voz e piano. O seu ponto forte é a letra - estou até surpreendida por o Bieber ter escrito isto, tendo em conta aquilo que conhecemos dele. Trata-se, essencialmente, de uma carta de despedida (na hora da morte?), em que o narrador agradece a alguém (pode ser a amada, um amigo ou familiar, pode mesmo ser Deus) a quem se abriu e que o ajudou a encontrar a de espírito e um sentido para a sua vida. Eu dispensava, no entanto, a inclusão do discurso de Bieber, recheado de clichés - estraga um pouco a canção.

 

Tendo em conta aquilo que descobrimos acerca do Éder depois da final de Paris (só depois. Que antes, quando lhe chamavam “coxo” ou “cone”, ninguém queria saber), não é de surpreender que Purpose o tenha marcado. Suponho que a letra o tenha marcado. Suponho que a letra o tenha feito pensar nos momentos mais difíceis da sua vida (e não foram poucos) e nas pessoas que o ajudaram a ultrapassá-los. Em particular, Susana Torres, a famosa mental coach que ajudou Éder a acreditar em si mesmo outra vez, a quem Éder dedicou o inesquecível golo da final.

 

 

Só sei que estarei eternamente grata a essas pessoas, que estiveram ao lado do Éder quando ele mais precisava, quando o resto do Mundo lhe virava costas. Permitiram que ele chegasse à final de Paris e fizesse aquilo que mais ninguém - incluindo nomes bem mais prestigiados do futebol português - fora capaz de fazer: marcar um golo que oferecesse a Portugal o seu primeiro título em Seleções. Como me tenho fartado de repetir, algo com que sonhava desde os meus catorze anos.



 

  • Sum 41

 

 

10.jpg

 

Começámos com o indie pop (?) de Lorde, passámos por uma das melhores bandas de todos os tempos, passámos por artistas mais mainstream e vamos acabar com punk rock - duas bandas que, por sinal, lançaram álbuns no mesmo dia, após alguns anos de pausa.

 

Os Sum 41 têm estado entre as minhas bandas preferidas desde, sensivelmente, 2011. No entanto, visto que eles não editaram nada nos últimos cinco anos, enquanto outros artistas de que gosto lançavam música, existiram alturas em que mal me lembrei deles. Pelo meio, o baterista Steve Jocz (a.k.a. Stevo-32) deixou a banda, Deryck quase foi desta para melhor por causa do álcool, conforme referi há dois anos e Dave “Brownsound” Baksh regressou à banda.

 

Finalmente, em outubro deste ano, os Sum 41 editaram 13 voices. Como ainda não tive oportunidade para me sentar e ouvir as músicas com ouvidos de ouvir, não tenho uma opinião formada sobre o álbum. Para já, uma das que gosto mais é Breaking the Chain. Também gosto dos singles God Save Us All e War. De qualquer forma, conto fazer uma análise mais detalhada a 13 voices em breve, aqui no blogue.

 

19117429_hwzUZ.jpg

 

Entretanto, no dia 20 de janeiro, os Sum 41 vão atuar no Coliseu dos Recreios e eu vou lá estar. Os bilhetes não são caros (pelo contrário, estão a metade do preço a que me habituei nos últimos anos) e consta que eles são bons ao vivo. Mas vou, sobretudo, porque, se houve coisa que aprendi com o que aconteceu ao Deryck (e, também, com os vários ícones musicais que perdemos este ano, sendo George Michael o mais recente) é que a vida é curta para desperdiçarmos oportunidades como esta. Tal como referi antes, concertos são uma forma de celebrarmos a música com os seus criadores. Se tenho possibilidades para isso, não tenciono falhar um único concerto de um artista ou banda de que gosto.

 

Depois digo como foi aqui no blogue ou, pelo menos, na página do Facebook.



 

  • Green Day

 

10.jpg

 

É de facto uma coisa curiosa: duas bandas de peso no punk rock lançaram no mesmo dia o primeiro álbum após da batalha dos respetivos vocalistas com dependências - no caso de Billie Joe Armstrong, falamos de dependência de substâncias. Confesso que tenho pouca tolerância para estas coisas. Quem não conhece os efeitos do álcool e das drogas hoje em dia?

 

Não gostei assim muito de ¡Uno!, ¡Dos!, ¡Tré!, tirando uma mão-cheia de músicas. O próprio Billie Joe admitiu, recentemente, que a trilogia foi uma má ideia, que a decisão terá sido influenciada pela sua toxicodependência. Com tudo isto, à semelhança do que aconteceu com os Sum 41, os Green Day foram ficado para trás nas minhas prioridades musicais.

 

No entanto, com a edição de Revolution Radio, estou a dar-lhes uma nova oportunidade. Até porque, dozes anos após American Idiot, a banda está de novo politicamente ativa - o que nunca foi tão importante por motivos óbvios. Até agora, ouvi Revolution Radio ainda menos vezes que 13 voices, mas também tenciono ouvi-lo melhor e escrever sobre ele aqui no blogue.

 

19117429_hwzUZ.jpg

 

E foi esta a música de 2016. Longe vão os tempos em que o assunto principal deste blogue era música: contam-se pelos dedos de uma mão os textos dedicados ao tema no ano que terminou agora. Tirando estes, de fim de ano, o último foi publicado em maio. É possível que aqui o estaminé tenha mais publicações sobre Pokémon e Digimon. Não que isso seja uma coisa má. Pelo contrário, gosto que o blogue tenha diversidade, que capte audiências diferentes. Conforme referi no início deste texto, criei o Álbum para escrever sobre o que me apetece e tenho vários interesses.

 

Por outro lado - e julgo que já o referi antes aqui no blogue - mesmo que nem sempre escreva sobre música por si só, esta é um denominador comum a praticamente todas as minhas “maluqueiras”. Montei vários AMVs com cenas de filmes de Pokémon, referi Everglow na minha carta aberta a Misty e, na minha série de textos sobre os jogos, falo sempre sobre a banda sonora. Conforme me farto de repetir, Digimon não seria a mesma coisa sem Brave Heart ou Butterfly. E, claro, a música é uma das mais importantes fontes de inspiração na minha escrita.

 

De qualquer forma, talvez em 2017 possa compensar a falta de música de 2016. Vários dos meus artistas preferidos deverão lançar material novo este ano. Já falei da Lorde. Os Linkin Park têm, também, passado os últimos meses deixando pistas promissoras sobre o seu novo álbum. A Avril Lavigne anunciou no dia de Natal que vai lançar um disco em 2017, dando a entender que refletirá a sua luta contra a Doença de Lyme (tendo em conta o que aconteceu com os seus dois álbuns anteriores, eu apontaria para um lançamento em novembro ou dezembro). Por fim, os Paramore terão passado 2016 quase todo trabalhando em música nova - não deverão demorar muito mais a lançar qualquer coisa. Depois de 2015 e 2016 terem sido pouco prolíficos em termos de música dos meus artistas preferidos, estes potenciais lançamentos deixam-me entusiasmada. A confirmarem-se, podem contar com análises a esses álbuns - e talvez também aos singles - aqui no blogue.

 

PhotoGrid_1483136611073.png

 

2016 foi um ano estranho. Teve pontos muito baixos para a Humanidade em geral - vários atentados terroristas, Brexit, Donald Trump. No entanto, também teve coisas muito boas, na minha opinião. O Euro 2016 foi uma delas, obviamente. Outra diz respeito aos filmes de Tri (Ketsui e Kokuhaku) e ao Odaiba Memorial Day. E, claro, uma das melhores coisas foi Pokémon Go e tudo o que fez pela franquia - no seu vigésimo ano de vida, ainda por cima.

 

O meu desejo para 2017 é, então, que tenha tantas coisas boas como 2016 (e uma das melhores seria livrar-nos de Donald Trump, de uma forma ou de outra) e, se possível, que tenha menos coisas más. Obrigada por terem estado desse lado em 2016. Continuem por aí em 2017 pois eu, o blogue e a página do Facebook não vamos a lado nenhum. Feliz Ano Novo!

 

 

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados

Comentários recentes

  • Anónimo

    Nada, eu que agradeço por você analisar tão bem. S...

  • Sofia

    Muito obrigada pelos elogios, significam mais do q...

  • Dimitri Gabriel

    Sofia, em primeiro lugar quero lhe parabenizar pel...

  • P. P.

    Somente não concordo com "Já de si é vulgaríssimo ...

  • Sofia

    Sim, Iddle Worship e No Friend são músicas difícei...

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion