Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Álbum de Testamentos

Porque sou uma miúda com muitas maluqueiras e adoro escrever (e muito) sobre elas.

Desilusão em dose tripla (ou Séries 2014/2015)

Alerta Spoiler: Este texto pode conter revelações do enredo das séries abordadas. Logo, se estiverem a pensar ver uma delas, ou se ainda não têm os episódios em dia, sintam-se à vontade para saltar a respetiva análise.

 

03.jpg

 

Arrow começou mal logo no primeiro episódio, na minha opinião, ao matar Sara. Esta era uma das minhas personagens preferidas, mas pelos vistos não dos guionistas - estava na cara que só a mataram para abrir caminho para que Laurel tomasse o seu lugar como Black Canary. 

 

Isto, na verdade, foi apenas o início de uma temporada muito confusa, sobretudo na segunda metade. A conspiração que envolveu a morte de Sara foi apenas uma parte do problema. Toda a minha narrativa relacionada com a Liga dos Assassinos e Ra's Al Ghul - que, segundo o que li na Internet, chegou a ser um copy-paste de Batman em certos momentos - podia ter resultado em algo fantástico, capaz de mudar as premissas da série, mas acabou por ser muito mal exectuado. Mesmo assim, o pior foi Olicity.

 

Durante as duas primeiras temporadas, Felicity Smoak era uma das melhores personagens de Arrow, uma fonte de luz e divertimento, numa série algo sombria em certas alturas e num protagonista que, por vezes, se leva demasiado a sério. Tinha também uma ótima química com Oliver. Como costuma acontecer nestas situações, uma boa parte dos fãs começou a fantasiar com um romance entre os dois - por outras palavras, surgiram shippers.

 

Nunca achei muita piada a shippers, embora, como escritora, reconheça o apelo das fan fictions: pegarmos em personagens alheias e inventarmos nós mesmos histórias para elas. Olicity é apenas um exemplo entre muitos. Os guionistas oficiais de Arrow é que cometeram a asneira de tentar agradar aos fãs, com resultados desastrosos. 

 

Não tenho nada contra o casal Felicity e Oliver por si mesmo, mas critico a maneira como o trabalharam. Deram-lhe demasiado protagonismo e melodrama, sobretudo na segunda metade da temporada. A Felicity desajeitada e divertida foi substituída, quase na sua totalidade, por uma choramingas estilo Laurel no ano anterior. Todo aquele drama de não-quero-andar-contigo-porque-te-coloco-em-perigo, para além de ser batidíssimo, não faz sentido pois Felicity já corre perigo de qualquer forma sendo o cérebro da Team Arrow. O triângulo amoroso com Ray Palmer também foi desnecessário. Chegaram ao cúmulo de colocar Ra's Al Ghul, o vilão da temporada, dando conselhos amorosos ao casalinho (WTF?!?!).

 

Tudo poderia ter sido evitado se o relacionamento tivesse tido um papel mais secundário. Se tivessem mantido a antiga dinâmica, acrescentando apenas alguns beijinhos. A esperança que tenho para a quarta temporada é de que o drama tenha acabado e que a relação perca os contornos de novela mexicana. Só com isso a série melhoraria imenso.

 

Para ser justa, vou falar das coisas boas da temporada. Apesar da morte de Sara e da maneira como lidaram com essa morte, gostei do seu crescimento até se tornar a Black Canary, redimindo-a de dois anos como uma das personagens menos interessantes. Também Thea melhorou consideravelmente aos meus olhos, este ano. A jovem teve muito com que lidar, com um pai biológico manipulador e tudo o que aconteceu com o irmão, revelando uma maturidade que não lhe conhecíamos antes. A partir do momento em que ficou por dentro do segredo de Oliver, foi recompensador testemunhar uma nova cumplicidade entre os dois irmãos. É aliás curioso que as personagens menos conseguidas das primeiras duas temporadas estejam, agora, entre as melhores enquanto Felicity, antigamente a mais popular, se tenha tornado a pior...

 

03.jpg

 

Apesar de não sentir particular anseio pelo recomeço de Arrow, sinto alguma curiosidade relativamente ao seu spin-off, Legends of Tomorrow. Principalmente por causa de Sara, que ressuscitará através do Poço de Lázaro (embora não perceba muito bem nem como nem porquê), e se juntará ao elenco. 

 

Por outro lado, consta que a primeira temporada de Flash foi boa, a minha irmã, pelo menos, gostou. Ainda não tive vontade de vê-la mas talvez experimente, um dia destes...

 

rs_634x846-150421085940-634.good-wife.cm.42115.jpg

 

Depois de uma quinta temporada interessante, em que muita coisa mudou para a eterna Good Wife, nesta sexta temporada foi tudo por água abaixo. O motivo é muito simples: tomaram uma decisão que não coadunava com a personalidade ao colocarem-na concorrendo para Procuradora Geral/State's Attourney. Alicia não tem nem nunca teve perfil para a política. Para os bastidores, talvez. Para se aproveitar da influência do marido, talvez. Como protagonista, nunca.

 

A campanha para State's Attourney durou a temporada quase toda, teve momentos medíocres, fez com que Alicia se afastasse da firma que fundara com tanto sangue, suor e lágrimas, e dos respetivos sócios. Destaco Cary, que ainda por cima esteve à beira de ser preso. A firma, de resto, acabou por perder o seu propósito ao acolher quase todos os que traballhavam na antiga Lockhart & Gardener's. Ou seja, a quinta temporada acabou por não servir para nada.

 

Mesmo assim, esforcei-me por tolerar a campanha pois, ainda que não gostasse do caminho, gostaria de ver Alicia como State's Attourney, possivelmente enfrentando antigos colegas e/ou clientes em tribunal. Mas até isso nos foi roubado e da maneira mais estúpida possível. Alicia foi eleita, mas foi expulsa do cargo uns meros dois ou três episódios mais tarde por fraude eleitoral, fazendo com que a campanha e tudo o que implicou tenham servido exatamente para nada. 

 

Como se isso não chegasse para arruinar a série, nesta temporada despedimo-nos de Kalinda - desde o início uma das personagens mais populares - com muita polémica. Isto porque alguém se lembrou de fazer contas, chegando à conclusão que Alicia e Kalinda (outrora grandes amigas) não partilhavam uma cena desde meados da quarta temporada. Acabou por se descobrir que as respetivas atrizes não gostavam uma da outra e, aparentemente, não aguentavam estar na mesma divisão o tempo suficiente para filmarem uma cena juntas. De todas as vezes que apareciam juntas no ecrã neste último ano foi através de montagens. A Internet andou obcecada com esta suposta quezília, sobretudo aquando da despedida inglória de Kalinda. Eu apenas acho triste e pouco dignificante para atrizes tão talentosas e um golpe à credibilidade de que The Good Wife não precisava.

 

Com tudo isto, não anseio particularmente o regresso da série. Tenho alguma esperança numa recuperação de qualidade, uma vez que na próxima temporada Alicia focar-se-á na advocacia, que é o seu verdadeiro elemento. A possível parceria com Louis Canning, além do mais, tem o seu potencial. Mesmo assim, acho que The Good Wife já deu o que tinha a dar (e não foi pouco, atenção!). Espero que esta seja a última temporada.

 

 

03.jpg

 

A série Anatomia de Grey é como se fosse um mau namorado. Andamos há muitos anos, como se diz em inglês, on and off. Nunca me satisfez por completo, fartei-me muitas vezes, termino o relacionamento, digo a mim mesma e aqui no blogue que é desta. Contudo, nunca consigo afastar-me permanentemente, acabo por voltar e, de cada vez que o faço, mais cedo ou mais tarde, arrependo-me.

 

No entanto, nunca me arrependi tanto como nesta temporada. Tinha voltado a ver a série há cerca de um ano na desportiva - depois de um par de anos criticando séries no meu blogue, é-me muito difícil ver séries como Once Upon a Time sem estar em modo analítico, o que estraga o prazer de ver um episódio novo. Como não me ralaria por aí além com Anatomia de Grey, podia ver só por ver.

 

E até estava a gostar. Simpatizei com a irmã perdida de Meredith, apesar de enfiada a martelo e de não roçar os calcanhares de Lexie - estou convencida que isso aconteceu porque a apresentação dela coincidiu com o meu estágio em Évora; tal como Maggie Pierce, também me sentia meio perdida numa terra estranha. Gostei imenso da história de Nicole Herman e, em paralelo, de Amelia Shepherd - o episódio da operação para remover o tumor é o meu preferido da temporada.

 

O casal MerDer é que esteve num impasse durante quase toda a temporada por causa de uma oferta de emprego que afastaria Derek de Seattle e da família - já que Meredith recusava-se a abdicar do seu emprego e a sair da cidade. Shonda Rhimes, usando uma expressão inglesa, wrote herself into a corner. Por outras palavras, meteu-se numa situação em que Derek não teria outro remédio senão deixar Meredith e os filhos. Eu, pessoalmente, não teria grandes problemas com isso. Seria uma oportunidade de retratar uma separação civilizada, ensinando que o amor nem sempre dura até à morte, mas que o respeito e a amizade se podem manter. Mesmo que não se passasse assim, seria melhor que a opção tomada. No entanto, tal não era possível para Shonda. Derek era o McDreamy, o Príncipe Encantado! O McDreamy deixar a amada? Podia lá ser!

 

A solução? Matar McDreamy.

 

A série já teve inúmeras mortes de personagens importantes, mas está foi a pior de todas. O relacionamento de Derek com Meredith foi a raison d'être para o início de Anatomia de Grey. Mesmo não sendo as minhas personagens preferidas, sempre gostei da dinâmica do casal MerDer, sobretudo após o post-it. Um casal que ia tendo os seus problemas, mas conseguia aguentar-se - um bom exemplo numa altura em que os relacionamentos são tão efémeros. Apenas para acabar desta forma. Levaram anos e anos a fazer com que Meredith amadurecesse, perdesse o medo ao compromisso, de ser feliz. Para agora acontecer exatamente aquilo que ela temia.

 

O pior de tudo foi que a personagem - recordo: o segundo protagonista - nem sequer teve direito a uma despedida decente. Como poderão ler aqui, o episódio da morte está cheio de incoerências. Condensaram um ano inteiro num episódio duplo, pelo que o elenco fez o luto muito mais depressa do que a audiência. Fez o luto é como quem diz... Mostraram-nos dois ou três minutos do funeral de Derek. Não se faz nem uma referência à eventual presença de Addison (ex-mulher de Derek), Cristina (que quereria estar com a sua pessoa na pior altura da vida dela) ou mesmo à mãe e outras irmãs dele. O luto de Meredith (pelo menos o que nos mostram) limita-se a olhares inexpressivos à distância e a flashbacks (a audiência é capaz de ter chorado mais do que ela...). Mesmo outros elementos do elenco regular pouco aparecem enlutados - acho que houve mais comoção aquando da morte de George. A única que, para mim teve uma reação adequada foi a irmã de Derek, Amelia.

 

  

Resumindo e concluindo, estou ainda mais furiosa com Shonda Rhimes do que fiquei com os guionistas de How I Met Your Mother o que não é dizer pouco. Ela quis prolongar a série mais do que devia, teve de inventar problemas para o casal protagonista, criando um imbróglio que não conseguiu resolver de outra maneira.

 

Por outro lado, todas estas críticas que tenho feito ainda se vão virar contra mim, um dia, quando começar a cometer na minha escrita os erros que aponto a outros...

 

Eu podia dizer aqui que é desta que largo Anatomia de Grey definitivamente. Pelo menos é essa a minha intenção. No entanto, não seria a primeira vez que diria tal. No entanto, uma coisa é certa: nunca me importarei com esta série da maneira como me importo com outras - está visto que dará mau resultado.

 

Como poderão concluir, parto para esta nova temporada com pouco entusiasmo, excepto no que toca a Once Upon a Time: recomeça no domingo e eu mal posso esperar. Mantenho a esperança de que Arrow e The Good Wife se redimam. Contudo, está mais que provado que prognósticos, só no fim da temporada...

Séries 2013-2014 #2

Alerta Spoiler: Este texto pode conter revelações do enredo das séries abordadas. Logo, se estiverem a pensar ver uma delas, ou se ainda não têm os episódios em dia, sintam-se à vontade para saltar a respetiva análise.

 
Primeira parte aqui.

 

Já vinha acompanhando esta série de há alguns anos a esta parte antes de esta a acabar, este ano. À semelhança de muito boa gente, fiquei extremamente desiludida com o final de How I Met Your Mother. Já houve muita gente pela Internet fora falando sobre o assunto, eu não vou dizer nada de inédito, apenas relatarei a minha experiência.

Comecei a ver How I Met You Mother pois, além de trazer ecos de Friends, o conceito de história contada oralmente, com as naturais incoerências, avanços e recuos no tempo, inverossimilhança de algumas partes era original e engraçado. Isto para não falar das frases-feitas, sobretudo da autoria de Barney, que se tornaram icónicas, em parte muito graças ao advento das redes sociais e dos chamados memes ("challenge accepted", "true story", "legend...wait for it... dary", entre outras). As primeiras duas temporadas foram muito boas mas, com o tempo, a qualidade foi-se desvanecendo. À volta da sétima temporada, já deixara de ter piada, passara a ser pura e simplesmente imbecil. Estive muitas vezes perto de deixar de segui-la completamente. Só não o fiz porque, que diabo, queria conhecer a Mãe! Assim, ia assistindo só a um ou outro episódio, só mesmo para não perder o fio à meada no que tocava à principal (?) trama da série.

Se, na altura, soubesse que a Mãe teria direito a pouquíssimo tempo de antena, que acabaríamos por saber menos sobre ela que sobre outras namoradas do Ted, como Victoria (uma das minhas preferidas, no primeiro ano, bem entendido), Stella e a inútil Zoey, que morreria no final, que toda a esta história era apenas Ted pedindo aos filhos permissão para namorar com Robin, teria desistido da série há muito tempo. Suponho que devíamos ter desconfiado disto mais cedo. Já se suspeitava há algum tempo que a Mãe morreria no final. Sabia-se que a cena final da série tinha sido filmada durante o segundo ano, mais coisa menos coisa, mas a atriz que faz de Mãe só foi escolhida no ano passado. Mesmo assim, acho que ninguém previu esta malfadada reviravolta.

Eu até poderia aceitar este desfecho no fim da terceira, quarta, quinta, mesmo sexta temporada, altura em que havia boa química entre os atores, em que ainda não haviam enrolado a história deles até ao enjoo e ainda não haviam imbecilizado completamente o tom da série. Mesmo agora, podiam perfeitamente ter excluído a anteriormente filmada cena final, mesmo mantendo a morte da Mãe. Podia ter acontecido o mesmo que aconteceu a House: mesmo que a qualidade tivesse decrescido nos últimos anos, o final encerrou a série devidamente, permitindo-nos recordá-la pelos bons momentos.  Ainda que as comparações não sejam assim tão legítimas (afinal, a premissa de HIMYM era mais complicada que o habitual), com How I Met Your Mother, em vez disso, fica a sensação de que os guionistas andaram a gozar com a nossa cara desde o primeiro momento.

Em suma, só tenho uma coisa a dizer: How I Met Your Mother, my ass!

 

Esta é outra série que venho seguindo há uns anos. Já falei dela aqui no blogue em duas ocasiões (aqui e aqui). Este último ano foi, na minha opinião, o pior de Bones, com a série a revelar um claro desgaste. Não se poderia esperar muito mais no nono ano da série mas, mesmo assim, houve coisas que poderiam ter sido melhoradas. A morte de Peleant veio demasiado tarde (um problema herdado da temporada anterior), a história da serial killer foi mal explorada, o caso da corrupção do FBI até era interessante, devia era ter sido um dos principais arcos narrativos da temporada, em vez de se confinar, praticamente, ao último episódio. Isto tudo intercalado com episódios aborrecidos, vários deles gritantemente formulaicos (sou capaz de apostar que os guionistas tinham um modelo pré-fabricado, em que, para além do caso da semana, inseriam um novo problema para o casal Brennan-Booth, facilmente resolvido, e um arco irrelevante envolvendo um dos estágiários para cada novo episódio), em que se contam os bons momentos pelos dedos de uma mão.

Um dos poucos pontos fortes desta temporada é a clara evolução do carácter de Temperance, muito mais aberta ao seu lado menos racional (ainda que com algumas incoerências). O casamento e tudo o que o antecede é um exemplo óbvio, mas existem outros. O ataque de histeria nos momentos finais do último episódio seria inconcebível para a personagem há alguns anos; ao mesmo tempo, adequa-se a alguém que ainda não está habituada a lidar com emoções fortes.

A verdade é que Bones devia ter terminado com o muito aguardado casamento entre Brennan e Booth (um dos melhores episódios desta temporada), pois não parece ter ideias para muito mais. Como tal, não me vou dar ao trabalho de acompanhar a décima temporada da série. Provavelmente só verei um ou outro episódio, e mesmo assim. Na minha opinião, Bones já deu o que tinha a dar - o que, mesmo assim, não foi pouco.

 

24 foi uma das primeiras séries que acompanhei, se bem que apenas a partir da quarta ou quinta temporada - nunca vi os primeiros anos da série. O seu conceito único, com a edição das imagens muito característica. o relógio, o protagonista Jack Bauer (um dos meus heróis de ação preferidos) e a parceira Chloe O' Brien, com o seu constante beicinho, algumas das deixas típicas tornaram a série num ícone para mim e uma das minhas maiores fontes de inspiração nos anos em que eu dava os meus primeiros passos na escrita de ficção. Só me apercebi das saudades que tinha dela quando, quatro anos depois, 24 regressou para uma meia temporada nova, sediada em Londres.

Tirando um aspeto ou outro (por exemplo, as premissas iniciais trouxeram ecos de Homeland), esta temporada extra de 24 não desapontou. Achei a primeira vilã brilhantemente retorcida. Gostei do Presidente "desta temporada". Fiquei de coração partido com a morte de uma personagem importante. E deu-me um gozo imenso ver Jack Bauer de novo em ação, depois de todos estes anos.

Parece que 24 (ainda) não fica por aqui. Ouve-se falar, de novo, num filme que ate as pontas que ficaram soltas no final de Live Another Day. Eu preferia uma nova temporada da série: o filme, para mim, só resultaria se mantivessem o relógio e a edição de imagem, o que não sei se será possível. De qualquer forma, um dia destes vou ver a série do princípio ao fim a ver se, entre outras coisas, esta me dá inspiração para o meu quarto livro.


Eu sei que, anteriormente, tinha falado de Homeland e Anatomia de Grey. Em relação à última, eu já tinha dado a entender que ia deixar de segui-la e foi o que aconteceu. Desta última temporada, só vi três ou quatro episódios, e isto em alturas em que não tinha melhor para fazer. Homeland, por sua vez, sofreu uma queda vertiginosa em termos de qualidade, pelo que desisti ainda a temporada não devia ir a meio (e visto que esta era apenas de doze episódios, fartei-me relativamente depressa) e não é provável que a retome.

Foi assim a última temporada de séries, pela parte que me toca. A nova já começou e ainda bem - andava com mais saudades de ter episódios novos todas as semanas do que estava à espera. Estou aqui em pulgas para ver o novo de The Good Wife. Não sei se começarei a ver alguma série nova este ano, mas é pouco provável pois não gosto de acompanhar muitas séries ao mesmo tempo. Em todo o caso, espero que este novo ano que agora começa nos traga coisas positivas nas séries que vejo, com destaque para Once Upon a Time, Arrow e The Good Wife. 

Séries 2013-2014 #1

Depois de ter falado mais exaustivamente sobre Once Upon a Time, queria agora falar rapidamente sobre as séries que vi ao longo do último ano. Isto numa altura em que já não falta muito para estas recomeçarem - se já não tiverem recomeçado à altura da publicação deste texto. Para evitar outra entrada demasiado grande, vou dividir este texto em duas partes. Publico a segunda entrada assim que puder.
 
Alerta Spoiler: Este texto pode conter revelações do enredo das séries abordadas. Logo, se estiverem a pensar ver uma delas, ou se ainda não têm os episódios em dia, sintam-se à vontade para saltar a respetiva análise.
 

 

Visto que tinha falado dela quando falei do segundo ano de OUaT, achei por bem tornar a falar deste spin-off agora. Eu tinha grandes expectativas para esta Once Upon a Time in Wonderland, mas a série acabou por se revelar um desapontamento logo nos primeiros episódios. A história de amor que guia a narrativa pareceu-me demasiado lamechas para o meu gosto. Os elementos típicos do País das Maravilhas, tal como o conhecemos há gerações, eram quase inexistentes. A Rainha Vermelha era uma imitação barata da inagualável Evil Queen de OUaT, uma mera menina mimada com uma permanente duckface. Desisti da série quando, a dez minutos do terceiro episódio, me deu o sono, parei para dormir uma sesta e nunca mais peguei naquilo - até porque tal ocorreu na altura em que saiu o CD da Avril Lavigne e eu tinha um exame na semana seguinte, logo, tinha mais em que pensar. 
 
Não fiquei surpreendida quando a série não foi renovada para uma segunda temporada. Os administradores do canal que a transmitia mostraram-se arrependidos de não terem seguido o plano inicial, que era um modelo de meia temporada para preencher o hiato de OUaT. Contudo, julgo que nem mesmo assim a história me cativaria. Parece, também, que uma das personagens, o Valete de Copas, vai integrar o elenco da série-mãe. Em todo o caso, este spin-off foi uma aposta falhada. Acontece.

 

Esta é uma série que descobri há cerca de um ano, enquanto fazia zapping e dei com um dos primeiros episódios no AXN. Julgo que é uma das séries da moda pois ambos os meus irmãos começaram a vê-la igualmente este ano, em momentos diferentes, sem serem influenciados por mim. Nunca fui particularmente fã de super-heróis, não sou capaz de identificar muitas das referências que a série faz a essa mitologia. No entanto, um dos pontos fortes de Arrow é, precisamente, a capacidade de apelar a pessoas como eu, o facto de não precisarmos de saber muito sobre super-heróis para apreciarmos a série. No meu caso particular, gosto de Arrow por, para além de ser diferente daquilo que estou habituada em séries, ter um tema e um tom parecido com o dos meus livros - embora, por vezes tenha a sensação de que Arrow se perde em lugares-comuns.

A série tem algumas incoerências: a primeira temporada foi mais consistente que a segunda, talvez por ter um enredo mais linear: Oliver tinha uma lista deixada pelo pai de alvos a abater e bastou ir seguindo essa lista para chegar ao vilão principal. No segundo ano, o rumo não estava tão bem definido e, embora até tenha tido um bom começo, a série ressentiu-se disso. Há personagens melhor construídas do que outras (Lauren, por exemplo, é demasiado Lois Lane para o meu gosto e Thea tem demasiados momentos de menina mimada. Por sua vez, Felicity é deliciosa, não é por acaso que é a favorita dos fãs). Tais falhas não impedem que Arrow, para mim, se eleve acima da média.

Este ano estreia-se um spin-off  de Arroe, centrado em Flash, que já fizera uma aparição na segunda temporada. Não estou com grande vontade de vê-la, vou ler primeiro algumas críticas, pedir opiniões sobre o piloto antes de decidir que a vejo ou não. Por outro lado, as pistas que têm saído sobre a terceira temporada de Arrow têm-me agradado. A ver se a série consegue manter a qualidade e, de preferência, se conseguirá recuperar o nível do primeiro ano.

 

Esta é uma série que já sigo há alguns anos mas nunca calhou falar sobre ela aqui. Durante algum tempo, ia assistindo à emissão da FOX Life, que se encontrava um ano atrasada relativamente à emissão americana. Este ano - que foi particularmente marcante, por sinal - finalmente apanhei o ritmo. The Good Wife sempre me atraiu pelas personagens interessantes e bem construídas, bem como pelas interpretações sublimes. A protagonista destaca-se, tanto pela evolução (passa de dona de casa submissa e humilhada pelo marido a uma mulher forte, bem mais cínica, líder de uma firma de advogados, afastando de vez o rótulo de "coitadinha"), como pelo desempenho da atriz que lhe dá vida, Julianna Margulies, que de resto já ganhou pelo menos dois prémios Emmy graças a Alicia.

Gostei muito dos primeiros dois anos da série, do terceiro e do quarto nem tanto. O relacionamento entre Alicia e Will é um dos pilares da série mas a mim confunde-me. Durante a terceira temporada, segundo o que eu percebi, a ligação é mostrada com algo meramente causal, sem grande componente emotiva, mas depois disso todos agem como se tivesse sido uma grande história de amor. Esse é, provavelmente, o aspeto de que menos gosto na série. Por sua vez, conforme já disse acima, o quinto ano foi particularmente intenso, com Alicia criando a sua própria firma de advogados e a morte (algo rebuscada) de Will. O sexto ano começa amanhã e, pelos trailers, promete ser interessante. Espero que cumpra tais promessas e que mantenha o nível que, até agora, não tem sido nada mau.

Uma coisa devo confessar, contudo: por muito que goste da série, esta fez com que me apercebesse que não gostaria nada de seguir uma carreira na área do Direito ou da Política. Não tenho perfil para alinhar em jogos como aqueles, lidar com tantas áreas cinzentas. E se o sistema americano é um pouco melhor que o português, eu vejo o Jon Stewart e, para ser sincera, acho que os políticos americanos são ainda piores que os nossos, o que é dizer alguma coisa. Prefiro mil vezes ser farmacêutica e escritora (não necessariamente por essa ordem) que me parecem profissões mais honestas. 

Era Uma Vez/Once Upon a Time - segunda temporada

Alerta Spoiler: este texto contém revelações sobre o enredo, pelo que só é aconselhável lê-lo caso tenha visto todos os episódios da segunda temporada de Era Uma Vez/Once Upon a Time, até para a própria compreensão desta entrada.
 



A segunda temporada da série de fantasia Era Uma Vez/Once Upon a Time terminou recentemente na televisão americana. Conforme já tinha afirmado quando falei da primeira temporada, comecei por ver os episódios à medida que iam sendo exibidos no AXN. No entanto, estes tornaram-se tão viciantes que comecei a acompanhá-los à medida que eram exibidos na emissão norte-americana.
 
Esse é, de resto, um dos maiores pontos fortes em relação à primeira temporada. Já não precisamos de episódios circulares para conhecer cada uma das personagens, com comprometimento do avanço da ação. Nesta temporada acontecem coisas em praticamente todos os episódios, a tensão é constante, uma pessoa deseja desesperadamente saber o que acontece a seguir.
 
Esta segunda temporada começa com a quebra da maldição e a vinda da magia para o Mundo Real, um mundo que não está preparado para tê-la. E visto que "toda a magia vem com um preço", isto terá consequências, entre as quais novos vilões - mas estes só entram em ação perto do fim da temporada. Antes, no primeiro episódio, Emma e Mary Margaret/Snow White/Branca de Neve, vão parar à Terra dos Contos de Fadas e, assim, a primeira metade da temporada é dedicada às tentativas de elas regressarem a Storybrooke. Elas regressam, mas trazem com elas novos vilões, com os seus próprios objetivos, que estavam à espera do fim da maldição para colocá-los em prática.

 

 

Começarei pelos pontos fracos da temporada. Durante a primeira parte, Emma e a mãe vivem na Terra dos Contos de Fadas, em circunstâncias medievais e, ainda por cima, ao ar livre, mas nunca aparecem sujas ou despenteadas e as roupas estão sempre em bom estado. Seems legit. Mais à frente na temporada, Regina surge disposta a sacrificar Emma e Mary Margaret para evitar que a mãe, Cora, venha para Storybrooke, mas, daí a um ou dois episódios, aparece a chorar no ombro da mãe... O que me faz ainda maior confusão é o facto de ela teimar em não perdoar Snow por, em criança, ter sido manobrada por Cora de modo a revelar o segredo sobre Daniel, o apaixonado de Regina, mas perdoa a mãe que, fria e deliberadamente, assassinou Daniel à frente da filha, em nome do seu desejo de poder.
 
Outros defeitos foram os arcos narrativos deixados a meio e/ou mal executados: aquela espécie de fantasma que recebe a designação de Qui-Shen mas que, essencialmente, é um Dementor, aparece no primeiro episódio, faz imensos estragos e depois desaparece inexplicavelmente; o ressentimento do rei George para com David é esquecido após o episódio em que este destrói o pó de fada; os sonhos das vítimas da Maldição do Sono também nunca mais são referidos após a primeira metade da temporada; toda aquela história da Dark Snow podia ter sido um bocadinho melhor aproveitada; a história do Robin dos Bosques, muito publicitada antes de "Lacey", no episódio em si é insignificante. Por fim - isto não é tanto um defeito, é apenas uma opinião pessoal - tive pena de termos visto muito pouco August/Pinóquio nesta temporada e de, pelos vistos, não podermos ver muito mais, já que foi transformado, de novo, numa criança. Ele era uma das minhas personagens preferidas no primeiro ano e gostava de tê-lo visto lutando ao lado de Emma e companhia. 
 

 

Posto isto, falemos dos pontos fortes. Um dos temas desta temporada foi redenção. Daí que os vilões - que, em teoria, teriam mais de que se redimir - se tenham destacado nesta temporada. Em boa verdade, os vilões em Era Uma Vez estão tão bem construídos que destacar-se-iam de qualquer maneira.
 
Comecemos por Rumplestilskin, uma das mais icónicas personagens de Era Uma Vez. Sempre viveu sob o estigma de filho de um cobarde, dominado pelo medo. O seu envolvimento com a magia acaba por ser uma maneira de se vingar de um Mundo que pouca piedade demonstrara para com ele. Começando pela esposa, Milah, que considero fria e egoísta. Contudo, apesar de o poder o disfarçar, Rumple nunca consegue libertar-se do medo, tornando-se incapaz de viver sem os seus poderes, o que afasta daqueles que ama - refiro-me tanto ao filho Baelfire, também conhecido por Neal, como a Belle, a primeira pessoa a ser gentil para com ele, despertando-lhe o seu lado bom mas que, mesmo assim, não consegue levá-lo a abdicar completamente do seu poder. Gosto muito da maneira como a história de Rumplestilskin se cruza com várias das histórias clássicas reinventadas em Era Uma Vez: a original, protagonizada por Cora, Cinderela, a Bela e o Monstro, Peter Pan - ainda que apenas a parte referente ao Capitão Gancho e ao crocodilo que lhe arranca a mão. Pela maneira como Rumple é capaz de nos divertir com os seus icónicos maneirismos, de nos aterrorizar com a sua implacabilidade, de nos despertar compaixão quando se mostra mais vulnerável, é uma das personagens mais interessantes de Era Uma Vez, sem a qual a série não seria a mesma.
 
Passemos a Regina, a responsável pela maldição que desencadeou a história da série. Durante a primeira temporada vimo-la quase só como a encantadora Rainha Má, a presidente algo tirana de Storybrooke e a rígida mãe adotiva de Henry. Na segunda temporada, esta surge muito mais vulnerável, tentando recuperar o filho, ser a pessoa que ele quer que ela seja. No fundo, tudo o que Regina é amar e ser amada, como qualquer outra pessoa, mas não sabe como fazê-lo e, muitas vezes, recorre aos meios errados. revela bastante ingenuidade na maneira como não compreende a diferença entre o certo e o errado.
 
Por outro lado, Henry também não tem o comportamento ideal com Regina, surgindo, por vezes, algo frio e egoísta para coma mãe adotiva. Só parece lembrar-se de Regina quando usa a afeição dela para a dissuadir de matar Emma e os pais e, depois, vira-lhe costas sem sequer se despedir dela.
 
 
 
A personalidade algo disfuncional (não sei se este é o termo mais adequado...) de Regina pode ser explicada pela relação com a mãe, Cora. Esta, a primeira grande vilã da segunda temporada, acaba por ter um percurso semelhante ao de Rumplestiskin: é para se vingar de uma vida de humilhações que ela se junta ao "Lado Negro". Contudo, não cometer o "erro" que Rumple e Regina cometeram, percebe logo que, se quiser poder, terá de abdicar de amor e vice-versa. Loso, arranca o seu coração como maneira de garantir que nenhum ente querido alguma vez interfirá com as suas ambições - achei graça quando Rumple diz, certa vez, que, se Cora era perigosa por não ter coração, Regina é pior por tê-lo. É nesta condição que se casa por interesse e usa a filha como marioneta para os seus planos.
 
Achei, na altura, que a sua morte foi algo precoce pois, ao desaparecer a grande vilã, desaparecia o grande motor da história. Acabou por não ser tão prejudicial quanto isso pois esta foi rapidamente substituída, ainda que este processo não tenha sido perfeito - mais sobre isso adiante.
 
 
 
 
Temos ainda Killian Jones, o Capitão Gancho, mais conhecido por, simplesmente Hook. Tenho uma certa dificuldade em classificá-lo como vilão - ele segue as suas próprias regras no que toca a lealdades e mesmo no que toca ao que está certo e ao que está errado. Devo dizer que gosto muito do seu estilo, encantador, galante e adoro a maneira como interage com Emma - pena só termos visto isso em apenas um episódio e pouco mais. Por fim, no final da temporada, a ligação a Baelfire, o filho de Milah, a sua amada morta, tocou muita gente.
 
Em comparação com os vilões acima descritos, os mais recentes, Greg e Tamara, parecem extremamente monodimensionais, pouco desenvolvidos. Conhecemos as motivações de Greg mas a personagem é pouco interessante e, pelo menos no meu caso, não desperta grande empatia. Tamara, então, precisa definitivamente de maior desenvolvimento pois não se percebe o que a move. Toda essa história da organização que quer erradicar a magia do Mundo Real está, de resto, muito mal explicada. Para piorar, de um momento para o outro, o casal decide raptar Henry, levá-lo para a Terra do Nunca até Peter Pan que, afinal, é o líder deles... ou não? Defendem que a magia não pertence ao Mundo Real mas trabalham para uma criatura mágica, que recorre à magia para raptar crianças do Mundo Real? Não parece fazer sentido mas também não me admirava que Greg e Tamara estivessem a ser usados como marionetas por causa do seu ódio à magia.

Devo dizer também que a maneira como, em Era Uma Vez, Peter Pan foi transformado num raptor e a Terra do Nunca numa prisão de crianças que, à noite, choram pelos pais deu-me cabo de parte da infância. Só um bocadinho, felizmente, que o Peter Pan não era dos meus heróis preferidos, mas mesmo assim... Se me vierem dizer que o Pikachu, afinal, é mau, aí sim, fico traumatizada para o resto da vida.

BWGEneLCIAAdta3.jpg

 

Mas fechemos esse aparte e, já que o mencionámos, falemos do episódio que encerra a temporada. Todo o arco do diamante-botão-de-auto-destruição foi um pouco anticlimático, ou nem por isso, pois não acho que tenha havido um único espectador a achar que Regina morreria. A maneira como, aliás, Emma arranja um plano de salvação, é traída por alguém que considerava aliado, ficando obrigada a recorrer aos seus próprios poderes para salvar o dia faz lembrar o encerramento da primeira temporada.

Outro aparte só para referir que gosto do conceito da Salvadora, que nasceu do verdadeiro amor, o que a torna invulgarmente poderosa e tive pena que tenhamos visto muito pouco desses poderes nesta segunda temporada. A personagem em si tinha muito mais graça na primeira temporada, com a sua atitude cínica e durona. espero que Emma se torne mais interessante de novo quando a série recomeçar.
 
 
Outra personagem de quem espero mais é Snowhite/Mary Margaret. Tanto antes como depois da quebra da maldição, esta em Storybrook torna-se demasiado insonsa. O seu verdadeiro potencial só é revelado quando se encontra na Terra Encantada, de arco na mão e aljava nas costas - o meu momento Snow preferido desta temporada é este "Back away from my daughter!" em "Lady of the Lake". Agora que tem de salvar o neto, estou com esperanças de ver mais desta Snow na terceira temporada.

Acho, também, que ninguém percebeu como é que Henry, num momento, estava a sufocar num grande abraço de família e, no minuto seguinte, foi levado por Greg e Tamara sem que mais ninguém notassem, sem que o miúdo, que até caminhava pelo seu próprio pé, embora guiado pelos raptores, oferecesse resistência, soltasse um grito que fosse.

Em todo o caso, é este rapto que obriga os vilões acima descritos a trabalhar juntos, mais a família biológica de Henry. Eu soube logo, no momento em que Greg e Tamara se revelaram como os novos maus da fita, que estes seriam o inimigo comum que uniria Regina e Rumplestilskin aos Charmings - cheguei a comentá-lo várias vezes na página do Facebook de fãs da série - mas não estava à espera que Hook estivesse incluído. Este, tal como Rumple, fá-lo por respeito à memória de Neal/Baelfire (que todos julgam morto, erradamente. Outra grande surpresa ou nem por isso...) e Regina fá-lo por Henry, pelos motivos já mencionados. Não estou à espera, contudo, que os três, de um dia para o outro, comecem a dar-se como Deus e os anjos. Não com o passado de ódio que os três partilham uns com os outros. E, se os vilões deixassem de ser os maus da fita assim, perderiam uma boa parte da sua piada.

BPezDOZCUAAri6v.jpg

 

Entretanto, Belle, que recupera a sua personalidade no episódio final - também não gostei deste arco, encerrado à pressa; teria sido muito mais interessante ver Rumple conquistando-a enquanto Lacey com o seu lado negro e ver a maldição sendo quebrada quando se beijassem pela primeira vez - é deixada para trás por Rumple, que receia não regressar da sua viagem de resgate, para que esta possa proteger Storybrooke de eventuais cúmplices de Greg e Tamara. Julgo que esta será uma oportunidade para novas personagens assumirem o papel de heróis, ganhando tempo de antena. Espero que esses novos heróis sejam personagens que ainda não pudemos conhecer bem, em vez dos suspeitos do costume.

A segunda temporada encerra assim respondendo a várias perguntas mas originando uma mão-cheia de novos pontos de interrogação. Começando pela razão pela qual Peter Pan deseja tanto Henry. Que terá a criança de tão especial para despertar o interesse de Peter muito antes de os pais do miúdo se terem sequer conhecido, para ser referido numa profecia sobre o seu avô? E de que maneira representará Henry a "desgraça" de Rumple? Na página do Facebook já mencionada, é colocada a hipótese de essa "desgraça" ser Rumple perdendo os seus poderes. Pode ser qualquer coisa, na minha opinião, as possibilidades são infinitas, por isso, não me arrisco a fazer um prognóstico.



Foi, além disso, referido que não é possível abandonar a Terra do Nunca - como é que Neal/Bae o fizeram, então? Conseguirá o grupo de resgate alguma vez sair? Também importa saber quem são verdadeiramente Peter Pan, Tamara e a organização para quem ela trabalha. E a história das sombras que é possível arrancar às pessoas - será um conceito parecido aos dos corações? Ou algo completamente diferente? Existe ainda o arco de Neal/Bae na Terra Encantada, com Mulan, Aurora e Phillip - como é que este regressou à vida, a propósito? Por fim, as histórias de algumas personagens permanecem uma incógnita, como por exemplo Robin dos Bosques - estará ele e a amada, Miriam, que ainda por cima estava grávida quando a conhecemos, entre os amaldiçoados? Se não estavam, porquê? Terão sobrevivido à chacina dos que escaparam à maldição perpetrada por Cora? - e Dr. Whale/Frankeinstein - que não é referido no livro de Henry.

Aquilo que referi na análise da primeira temporada como os grandes pontos fortes de Era Uma Vez mantém-se: o facto de ser diferente de todas as outras séries atuais, numa altura em que tenho cada vez menos disposição para a maior parte delas. Sabe bem ter uma série diferente, que, tal como um dos atores referiu certa vez (Jennifer Morrison?), equivale a "ver o Harry Potter todas as semanas", que desperta tantas perguntas e enigmas, fazendo-nos ansiar pelo episódio seguinte. Este é o meu género de histórias preferido, o género de histórias que escrevo atualmente, daí que Era Uma Vez funcione como fonte de inspiração. O pior é que correu o risco de ser cancelada este ano. Não posso dizer que esteja admirada, já percebi que as grandes cadeias preferem apostar em lucros fáceis (dramas clínicos, séries policiais, comédias) do que em enredos completos como os de Era Uma Vez que, parecem eles pensar, estão muito para lá da capacidade do espectador comum. Acho até que foi por esse motivo que Tru Calling foi cancelada tão precocemente.

 
 
Em todo o caso, mais um ano está para já garantido, bem como o spin-off Once Upon a Time in Wonderland - suponho que, se passar na televisão portuguesa, se intitulará Era Uma Vez no País das Maravilhas ou, pura e simplesmente, País das Maravilhas - cujo trailer é promissor. Espero, assim, que Era Uma Vez mantenha todos os pontos fortes acima mencionados nesta nova temporada e que, daqui a um ano, quando estiver de novo a escrevinhar furiosamente sobre a série, esteja a contar com uma quarta temporada.
 
Créditos: Algumas das imagens desta entrada provém da, já mencionada, página Once Upon a Time (Portugal)

Músicas Ao Calhas - Nobody's Home e similares

UMS43.jpg

 

 
Quero introduzir aqui uma pequena variante dentro da rubrica Música Ao Calhas. Conforme já afirmei nesta entrada, a cantautora Avril Lavigne e respetiva discografia são o termo de comparação com que analiso praticamente todos os artistas e respetivos trabalhos musicais. De tal forma que acabo por rotular certas músicas de acordo com o tema de Avril Lavigne que me recordam: Nobody's Fool, Naked, Innocence, When You're Gone, Goodbye, I Will Be, etc. Tenciono, então, escrever algumas entradas de Músicas Ao Calhas sobre algumas dessas faixas-rótulo, bem como sobre músicas que a elas se assemelham. Começo hoje por Nobody's Home.



"She's fallen from grace
She's all over the place"

Nobody's Home foi o terceiro single e Under My Skin, o segundo álbum de estúdio de Avril Lavigne, Este é o álbum mais pesado da cantora, tanto em termos de sonoridade - dos quatro, é o disco mais rock, chega a ter influências góticas - como em termos de letras, por vezes exagerando no dramatismo.

Nobody's Home é razoavelmente representativa do espírito de Under My Skin. Resultou de uma colaboração entre Avril e Ben Moody, ex-Evanescence. A cantora escreveu a letra pensando numa antiga colega de escola que optou por maus caminhos. A letra - tanto desta faixa como das outras faixas de que falarei nesta entrada - fala de uma personagem feminina maltratada pela vida, marginalizada, perdida em vários aspetos. Na minha mente, assume a forma de uma sem-abrigo toxicodependente, que se prostitui para sobreviver e arranjar dinheiro para a droga. Mas também podia ser uma adolescente grávida, repudiada pela família. Nestas coisas, apenas somos limitados pela nossa imaginação.

Na verdade, Nobody's Home recorda-me o livro A Lua de Joana, de Maria Teresa Maia Gonzalez. Para aqueles que não o leram, é constituído por cartas de Joana, a personagem principal, destinadas a Marta, a melhor amiga que morreu devido à droga. A própria Joana acaba por se tornar também toxicodependente e, no fim, morre da mesma forma. Não se pode dizer que Joana tenha sido marginalizada, mas esta sente-se sozinha, ignorada pela família, em particular após a morte da avó. Na última carta do livro, antes de morrer, chega, curiosamente, a usar a expressão "Não está ninguém em casa". Devem, de resto, existir imensos casos semelhantes aos descritos, tanto no livro como na música - deve ser daí que vem o verso "She's all over the place"



No entanto, apesar de este conceito ser interessante, foi, na minha opinião, mal aproveitado, pelo menos no que toca à letra. demasiado simplista, fraca, sobretudo se compararmos com Everything Burns e Stand in the Rain - de que falarei mais à frente. Infelizmente, existem demasiados exemplos de letras fracas no trabalho musical da Avril - se em Sk8er Boi isso faz parte da graça da música, a maior parte dos temas saem enfraquecidos pela letra, em diferentes graus. Nobody's Home é um bom exemplo disso. Pelo menos nesse aspeto, acho que se desperdiçou uma oportunidade.

A força de Avril reside, de resto, nas melodias, na interpretação vocal, no tratamento dos instrumentos. Toda essa parte musical está bem construída em Nobody's Home: temos uma balada rock, dramática, algo gótica, conduzida pela guitarra acústica, sendo acompanhada por guitarras elétricas e violinos, estes últimos mais evidentes na parte final da faixa.

Em algumas apresentações ao vivo - como a mostrada acima - a música aparece com um arranjo diferente mas que funciona. Começa apenas com guitarra acústica e voz até ao fim do terceiro verso - o momento do cúmulo dramático - altura em que "explodem" as guitarras elétricas e a bateria.


O videoclipe de Nobody's Home é um dos mais interessantes da carreira de Avril. Aqui, a cantora desempenha o papel da personagem que descreve na música: uma jovem sem-abrigo que vive nas ruas, à margem da sociedade, desprezada por todos. As cenas da vida da jovem - dormindo no chão, tocando guitarra na rua, tentando lavar-se numa casa de banho pública, procurando abrigo da chuva em carros estacionados - alternam com cenas de Avril cantando acompanhada por uma orquestra, tratadas de modo a  assemelharem-se a um filme antigo. Existe uma versão alternativa desse videoclipe, em que estas cenas surgem a cores e em que, em adição às cenas listadas em cima, Avril aparece vageando num supermercado, sorrindo a uma criança no colo de uma senhora que, ao reparar na atenção da jovem, afasta-se olhando-a de lado - uma cena que, no meu ponto de vista, reforça a ideia de marginalização.


"Burn it all down 'cause my anger raise 'till everything burns!
Watching it all fade away..."

Ben Moody trabalhou noutra música muito parecida com Nobody's Home. Trata-se de Everything Burns, que integra a banda sonora do filme Quarteto Fantástico. Curiosamente, o plano inicial era Avril cantá-la, juntamente com Ben, algo que não chegou a acontecer - e que não lamento pois, provavelmente, traria demasiados ecos de Nobody's Home. Estou até convencida que uma das músicas inspirou a outra - as semelhanças entre ambas as faixas são demasiadas para ser coincidência. Em todo o caso, Anastacia foi bem escolhida e, com a sua voz poderosa, pôde espelhar a sua personalidade na canção, dando um verdadeiro espetáculo.
 
Conforme afirmei antes, Everything Burns tem várias semelhanças com Nobody's Home. Começando pela temática, que é essencialmente a mesma - a letra está um pouco melhor mas não muito - acrescentando referências a dor recalcada, reprimida, que se vai acumulando até transbordar, até "explodir". Em termos de tratamento musical, também não difere muito de Nobody's Home: também é guiada pela guitarra elétrica de Ben Moody, sendo acompanhada por violinos e algumas notas de piano. Destaque para o fim do segundo refrão, em que a música "explode" - como na versão ao vivo de Nobody's Home - refletindo bem o conflito descrito pela música. 

Destas três músicas, a minha favorita é Stand in the Rain, por Superchick, uma banda do chamado christian rock, de que sei muito pouco. Descobri-a em montagens de vídeos da Avril Lavigne - e, como podem ver, eu mesma montei um vídeo da música - em 2009. Foi depois de a ouvir que me apercebi das fraquezas de Nobody's Home, em particular em termos de letra. A de Stand in the Rain descreve uma situação semelhante às descritas em Nobody's Home e Everything Burns mas fá-lo de uma forma bem melhor, acrescentando uma mensagem de força e coragem, como forma de não se deixar afogar pela dor.

Stand in the Rain também se destaca das outras pela parte musical: conduzida por arpejos de guitarra, a que se juntam guitarras elétricas distorcidas e pesadas, notas de piano suaves e violinos frenéticos, dando uma nota dramática à faixa. Destaque para os solos após o segundo e o terceiro refrões, bem como para a sequência de piano no desfecho da música.


Há pouco mais de uma semana, Avril anunciou no Twitter o nome do primeiro single do seu próximo álbum. Nós, os fãs, assumimos que isso significa que o disco está, finalmente, pronto a ser editado. Aposto em maio ou junho para o lançamento. Quanto ao primeiro single, Here's to Never Growing Up, devemos ouvi-lo pela primeira vez algures nas próximas semanas - e mesmo só com o nome tenho já vários tópicos que planeio abordar quando escrever sobre a música. As próximas semanas, em particular após o lançamento de Here's to Never Growing, serão muito entusiasmantes, à medida que as informações sobre o álbum forem sendo reveladas. Já está a ser divertido acompanhar esse processo em relação ao álbum dos Paramore, quando for o álbum da Avril sê-lo-á ainda melhor. Nessa altura, talvez publique algumas entradas de antecipação ao álbum.

Uma vez que a médio prazo teremos bastante Avril aqui no blogue, nos próximos tempos vou evitar publicar sobre o tema - a menos que Here's to Never Growing Up seja lançada nos próximos dias. Tenho até várias entradas planeadas sobre outros cantores e músicas e tenciono tê-las publicadas em breve. Mantenham-se ligados. 

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados

Comentários recentes

  • Sofia

    Muito obrigada pelos elogios, significam mais do q...

  • Dimitri Gabriel

    Sofia, em primeiro lugar quero lhe parabenizar pel...

  • P. P.

    Somente não concordo com "Já de si é vulgaríssimo ...

  • Sofia

    Sim, Iddle Worship e No Friend são músicas difícei...

  • Anónimo

    After Laughter é uma obra-prima, de certeza. Idle ...

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion