Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Álbum de Testamentos

Mulher de muitas paixões e adoro escrever (extensamente) sobre elas.

Pokémon através das gerações - Geologia e muitas trompetes

 11.jpg

 

Inicialmente, a Game Freak tinha as coisas planeadas até à segunda geração de jogos Pokémon. O combate entre o protagonista da primeira geração e o protagonista da segunda, em Gold, Silver e Crystal, fora idealizado para ser a grande conclusão da franquia. No entanto, com o sucesso que Pokémon estava a ter à escala global, era óbvio que o mundo precisava de mais jogos - sobretudo com o lançamento do Game Boy Advance.

 

Para a terceira geração de Pokémon, os criadores tomaram uma decisão arriscada: fizeram uma espécie de tábua rasa à franquia, com uma região nova, novos Pokémon, mantendo apenas uma mão-cheia dos antigos e... impossibilitando a obtenção dos que ficaram de fora. Foi uma decisão arrojada que, naturalmente, polarizou a comunidade de fãs.

 

Confesso que, imediatamente após o lançamento de Ruby e Sapphire, eu embirrei com esses jogos, à semelhança de muitos. Uma boa parte dessa birra devia-se ao facto de estes jogos não serem a versão Crystal (eu tinha doze ou treze anos na altura, em minha defesa. Nestas idades ainda considero birras como esta mais ou menos aceitáveis). Continuo mesmo assim a achar que a grande falha destes jogos é não ser possível obter muitos dos Pokémon dos jogos mais antigos (é a única geração que não é compatível com a anterior para trocar Pokémon, visto terem mudado o funcionamento dos I.V.s de uma geração para a outra. Felizmente, isso vai ser em parte corrigido na sétima geração) e, sobretudo, que tivessem deixado cair muitas das funcionalidades introduzidas na segunda geração, como o ciclo dia/noite, os dias da semana, as animações dos sprites dos Pokémon, a possibilidade de voltar a combater com treinadores (apesar de introduzirem várias outras funcionalidades para compensar, como meteorologia, Natures e Abilities e combates a pares). Além disso, o nosso rival, comparado com Blue e Silver, era uma autêntica mosquinha-morta e Wally pouco dizia.

 

Admito, no entanto, que a birra acabou por passar quando joguei a versão Sapphire eu mesma. Para começar, a terceira geração inaugurou uma das minhas partes preferidas dos jogos Pokémon: meteu o protagonista a salvar o mundo. Julgo que já falei disto, noutra ocasião, mas, se formos a ver, a fórmula básica dos jogos tem sido sempre a mesma: primeiro Pokémon, rival, treinadores comuns, Elite 4, Campeão. É o enredo colateral que dá carácter a cada jogo, um tema próprio. E o de Ruby e Sapphire é bastante interessante. As equipas criminosas de cada jogo - Team Magma para Ruby, Team Aqua para Sapphire - tentam, respetivamente, usar Groudon e Kyogre para, respetivamente, expandirem a porção continental ou oceânica. Quando, no fim, conseguem o que querem - em Ruby, Groudon faz com que o Sol brilhe como nunca; em Sapphire, Kyogre despoleta o princípio de um dilúvio - os líderes das equipas criminosas percebem que aquilo foi uma péssima ideia, pode matar todos os seres vivos no planeta. Tem de ir o protagonista, a criança de dez anos, corrigir as asneiras dos adultos apanhando ou derrotando o lendário em questão, travando o desastre natural.

 

10.jpg

 

Em Emerald (a versão melhorada de Ruby e Sapphire, o equivalente a Yellow na primeira geração e Crystal na segunda), esse conflito é elevado a outro nível, uma vez que tanto o Team Aqua e o Team Magma levam a cabo os seus próprios planos ao mesmo tempo, ou seja, acordarem Kyogre e Groudon, respetivamente. Mais uma vez a coisa dá para o torto - claro - desta feita fazendo Groudon e Kyogre lutando entre si, causando um distúrbio meteorológico. Mais uma vez, tem de ir a criança de dez anos resolver a situação: desta feita, correndo até ao Sky Pillar chamar Rayquaza, para que este acalme os dois arruaceiros.

 

Devo confessar que teria gostado de um remake de Emerald para a Nintendo 3DS, só mesmo para ver esta cena com os gráficos melhorados da sexta geração.

 

Já voltaremos a Emerald. O tema destes jogos, de resto, é precisamente esse: geologia, natureza. A região de Hoenn e as próprias funcionalidades do jogo exploram a fundo esse tema: com a introdução de variações meteorológicas, com influência nos combates, por exemplo. Além do mais, os criadores dos jogos tomaram partido dos gráficos mais sofisticados do Game Boy Advance para criar a região mais rica e variada até ao momento. Hoenn tem de tudo: uma proporção quase fifty-fifty de terra e mar (ainda que nem todos sejam fãs disso. Coff coff7.8/10, too much water), campo, floresta, praias, desertos, uma caverna de gelo, vulcões com queda de cinzas, uma cidade construída numa antiga cratera vulcânica, cavernas subaquáticas. Em consonância com o tema, conforme dei a entender acima, o lendário Groundon é responsável pela criação das placas continentais e Kyogre pela criação das placas oceânicas. Por sua vez, Rayquaza vive na atmosfera, na camada de ozono. Mesmo o trio de Regis, outros lendários desta geração, possuem um conceito inspirado em geologia. Segundo textos da Pokédex, Regirock é formado por rochas de diferentes partes do planeta; é dado a entender que Registeel é constituído por um metal do centro da Terra; por sua vez, Regice será constituído por gelo semelhante ao do Pólo Sul.

 

Num registo diferente, outra funcionalidade introduzida nesta geração diz respeito aos concursos. Aqui, os Pokémon, em vez de combater, competem entre si perante uma audiência e um júri, que os avalia consoante a categoria do concurso - Beleza, Inteligência, Fofura, entre outros. O sucesso nestes concursos depende do uso de Pokéblocks, por sua vez fabricados a partir de Berries específicas, bem como de uma escolha cuidada dos ataques. Pode, por isso, ser tão exigente como escolher e treinar uma equipa para combater ginásios e a Elite 4. Nunca fui grande fã de concursos, mas reconheço que apresenta uma faceta dos Pokémon diferente do habitual.

 

11.jpg

 

Queria, agora, voltar a falar sobre a versão Emerald. Este jogo é muito acarinhado pelos fãs por, para além de incluir melhorias relativamente a Rube e Sapphire, como o regresso dos sprites animados, a possibilidade de voltar a combater com treinadores e uma maior frequência de combates duplos, introduzir a Battle Frontier. Esta é uma área, acessível apenas no post-game (isto é, depois da Elite 4), que pega no conceito da Battle Tower de jogos anteriores e introduz múltiplas variações, como usar Pokémon alheios ou os Pokémon combaterem sem instruções nossas (o seu comportamento depende das "Natures"). Ao fim de um número fixo de vitórias, combatemos os chamados Frontier Brains e a vitória sobre eles dá direito a um Símbolo. Acaba por ser um campeonato à parte, independente do esquema habitual de ginásios-mais-Elite-4. Os fãs adoraram. Um dos critérios mais levados em conta na comunidade de fãs na avaliação dos jogos é o post-game. A inclusão de algo que nos faça continuar a jogar para além da Elite 4 - ou seja, que tenha um bom post-game - é muito apreciada. A Battle Frontier funciona de forma excelente, nesse aspeto. Eu, infelizmente, da única vez que joguei a versão Emerald, parei logo a seguir à Elite 4, logo, nunca experimentei a Battle Frontier de Emerald eu mesma - embora tenha frequentado bastante a dos jogos da Battle Frontier da quarta geração. 

 

Passemos à música. O sistema do Game Boy Advance já permitia música mais sofisticada que o tradicional 8-bit do Game Boy propriamente dito e estes jogos tomam partido dessas melhorias. A banda sonora de Hoenn é famosa pelas suas trompetes - destacando-se o tema da route 120. Vários temas em Hoenn incluem trompetes, sobretudo os temas de combate. Gosto de todos e o meu preferido é o da Elite 4. Em termos de cidades, destaco o festivo tema de Slateport City; o melancólico tema de Verdanturf Town, guiado pelo piano, adequado a uma terra sossegada e pacífica; o relativamente calmo mas divertido tema de Fortree City. No entanto, o melhor tema destes jogos, na minha opinião, é o do encontro com Kyogre, Groudon e/ou Rayquaza. Começa com um som semelhante a sinos, seguidos de tambores, antes de se juntarem as trompetes, conferindo logo imenso dramatismo a um momento já de si dramático e grandioso.

 

blaziken_by_all0412-d54vao7.jpg

  

Está na altura de falarmos, então, dos remakes FireRed e LeafGreen. Existe alguma controvérsia na comunidade de fãs em relação aos remakes, se estes pertencem à geração em que foram lançados ou à geração dos jogos originais. Eu sou apologista do primeiro caso. Os remakes reutilizam as mecânicas dos jogos da mesma geração e essas mecânicas influenciam a experiência do jogo. Mesmo em termos de conteúdo e enredo, jogos originais e remakes na mesma geração acabam por ter temas semelhantes (quer isso tenha sido intencional ou não). Por fim, em termos de cronologia da história dos jogos, o enredo dos remakes da primeira e da segunda geração (FireRed e Leaf Green, Heart Gold e Soul Silver) decorre sensivelmente ao mesmo tempo que a história dos jogos originais da mesma geração (respetivamente Ruby/Sapphire/Emerald e Diamond/Pearl/Platinum).

 

Infelizmente, FireRed e Leaf Green são os remakes mais fraquinhos de toda a franquia. Na minha opinião, aliás, são os jogos mais fraquinhos de toda a franquia. Estas versões foram feitas para compensar pela falta de compatibilidade com os jogos da geração anterior. (Em parte, pelo menos. Na verdade, para se completar a Pokédex nesta geração, era necessário ter pelo menos quatro dos sete jogos Pokémon lançados nesse intervalo de tempo: dois deles, Pokémon Colosseum e Pokémon XD:Gale of Darkness, são para a Nintendo Cube.) Há quem pense que estes jogos foram criados para apaziguar fãs de longa data, zangados por tantos elementos dos jogos anteriores terem sido deixados de fora de Ruby e Sapphire. No entanto, Tsunekazu Ishihara, o CEO da The Pokémon Company (na altura pelo menos), em entrevistas concedidas aquando do lançamento dos remakes, afirmou que o objetivo de FireRed e Leaf Green era captar uma nova audiência "que visse o Pikachu e o Charizard como novas personagens"

 

Esta declaração resume muito bem o problema destes jogos: são ótimos para quem nunca tenha jogado Pokémon na vida, uma seca para quem se tenha estreado na franquia com a primeira geração, como eu, ou mesmo com jogos da segunda geração ou com Ruby/Sapphire. Para começar, os remakes começam com uma série de introduções e tutoriais, que são sempre um bocadinho irritantes para quem já joga há anos (e aprendeu a jogar por si mesmo, sem a necessidade de nos fazerem a papinha toda). Isto até se tolerava melhor se estes jogos, tirando umas partes aqui e ali, não fossem um copy/paste/paint format dos jogos originais. Quando o joguei pela primeira vez, passei o jogo todo à espera que, no fim, fôssemos até Johto ou Hoenn, mas não. Depois de termos conhecido Hoenn em Ruby/Sapphire, uma região linda e variada, cheia de lendas e histórias interessantes, Kanto, na comparação, é extremamente insossa e a história com o Team Rocket monótona. Perdeu-se uma ótima oportunidade para enriquecer Kanto introduzindo mais variações morfológicas, meteorologia e mesmo concursos nalgumas cidades, bem como para desenvolver um pouco melhor o enredo e as personagens. Tal como escrevi antes, nos jogos originais isso não era grave, pois eram os primeiros, era tudo novo. No entanto, naquela altura do campeonato, depois de vários jogos notáveis, a fasquia estava mais alta. 

 

IMG_20160811_190112.jpg

 

As únicas coisas que acrescentaram foram as Sevii Islands, algumas delas só acessíveis no post-game e com Pokémon da segunda e terceira geração (inexistentes em Kanto propriamente dita). Na minha opinião, contudo, não passam de um fraco substituto do melhor que Johto e Hoenn têm para oferecer. Um caso específico são os códigos em braille que aparecem numa das cavernas da Seven Island. Em Ruby/Sapphire/Emerald, temos de decifrar códigos semelhantes para chegar aos três Regis. Eu, que sempre gostei dessa faceta dos livros de aventuras infantis (resolver enigmas, descobrir passagens secretas), adorei essa parte em Ruby e Sapphire. A parte equivalente em FireRed e LeafGreen, por sua vez, é bastante anticlimática: serve apenas para desbloquear as trocas com os outros jogos da terceira geração. Além disso, existem várias localizações nas Sevii Islands, como as Tanoby Ruins, igualmente desperdiçadas (servem apenas para capturar Unowns). Localizações como esta podiam ter sido melhor desenvolvidas e, vá lá, incluir lendários da segunda geração (no jogo, só é possível capturar uma das três bestas, Suicune, Raikou ou Entei, dependendo do starter que escolheram). 

 

Era por estas e por outras que, quando completava FireRed ou LeafGreen, nunca me sentia completamente satisfeita, ficava sempre a sensação de falta de sal ao jogo. O facto de estes remakes terem sido desenvolvidos à pressa, ao mesmo tempo que trabalhavam em Emerald, explica a maior parte das suas falhas. Na minha opinião, mais valia terem adiado o lançamento por mais um ano - talvez mesmo lançarem Emerald primeiro - e criarem uns jogos melhores. Tendo em conta tudo isto, não torceria o nariz a outros remakes da primeira geração. Kanto merece melhor do que isto.

 

Resumindo e concluindo, houveram muitas coisas que podiam ter sido melhor feitas, ou não terem sido feitas de todo, nesta geração. No entanto, considero que tudo o resto enriqueceu a experiência dos jogos. No fim do dia, o saldo é positivo.

 

Pokémon preferidos:

 

  • Gardevoir

gardevoir_by_poketix-d31ywbd.jpg

 

Este é o meu Pokémon do tipo Psíquico preferido (com o Espeon num segundo lugar muito próximo). Na sexta geração, ganhou ainda o tipo Fada. Se já antes era um adversário respeitável, com este tipo adicional, tornou-se ainda mais versátil em combate. Gosto, também, do seu conceito: é uma espécie de feiticeira, com poderes de vidência, que não hesita em dar a sua vida pela do seu treinador. Tendo em conta que este último é um traço é característico de muitas personagens criadas por mim, não é de surpreender que eu tenha afinidade com Gardevoir - remete, aliás, para Guardian. Eu, de resto, tenho afinidade com Pokémon com sentido de dever e honra.

 

Gardevoir é, além disso, um dos Pokémon mais belos de toda a franquia (tão bela que desperta a imaginação menos puritana de certas pessoas...). Confesso que passei a gostar ainda mais dela depois de eu e a minha irmã termos usado uma da primeira vez que jogámos Alpha Sapphire - ainda a temos, chamámos-lhe Desiree. O seu modelo em 3D movimenta-se com uma elegância inimitável, sobretudo quando usa ataques Special. A sua Mega Evolução não é a mais imaginativa, admito, mas adequa-se à nobreza característica deste lindo Pokémon.

 

  • Absol

 

absol_by_all0412-d4jlios.jpg

 

Segundo a Pokédex, a história de Absol é cruel. Ele é conhecido como o Pokémon das desgraças. Possui a capacidade de antecipar desastres naturais e outras situações más. Assim, quando aparece perante humanos, fá-lo para avisá-los do perigo eminente. Se formos a ver, algumas das localizações deste Pokémon nos diferentes jogos são zonas onde acontece alguma coisa relevante para o enredo. Por exemplo, em Diamond/Pearl, podemos encontrar Absol perto do Lake Valor, onde o Team Galatic explodirá uma bomba que secará o lago. Em Platinum, Absol encontra-se no Mt. Coronet, onde Girantina arrastará Cyrus para o Mundo da Distorção. Em Black/White, ele pode ser encontrado no Giant Chasm, onde, dois anos mais tarde, ocorre o clímax dos jogos Black 2/White 2.

 

O povo, no entanto, acaba por interpretar mal as aparições de Absol, culpando-o pelas desgraças que o Pokémon tenta prevenir. A minha Pokétuber preferida, Tamashii, fez-me, no entanto, olhar para Absol de maneira diferente. Tamashii diz que este Pokémon lhe fax lembrar a capacidade que os animais possuem de sentir a eminência de desastres naturais, como sismos. Sofrendo ela de ansiedade, sobretudo no que toca precisamente a desastres naturais, o facto de ter animais calmos ao pé de si (os gatos são os seus preferidos) ajudam-na a manter a ansiedade sob controlo. Um Absol teria o mesmo efeito, se existisse. Gosto, assim, de pensar neste Pokémon, não como num íman de desgraças, e sim como num guardião. A sua Mega Evolução contribui para isso, já que lhe confere um par de asas de anjo.

 

Mais sobre o Absol num texto futuro.

 

  • Blaziken

blaziken_by_all0412-d54vao7.jpg

 

 Gosto bastante dos starters da terceira geração, mas o Blaziken é o meu preferido. Tal como noutros casos, parte dos motivos para essa preferência vêm da série animada, nomeadamente o combate entre Ash e Harrison (que se seguiu ao combate entre Ash e Gary, referido antes). Além do mais, o Blaziken tem um desenho fixe (que, mais uma vez, tem semelhanças com um Digimon da linha evolutiva do Byomon, neste caso o Garudamon. Mais uma vez, estes foram provavelmente inspirados pela mesma figura mitológica, neste caso o Garuda, um pássaro humanóide) e uma combinação de tipos interessante... pelo menos, até as duas gerações seguintes incluírem starters com o mesmo tipo.

 

Pokémon de que menos gosto:

 

  • Azurill

 

Este vem no seguimento do que escrevi antes sobre Pokémon bebé. Azurill é outro caso de redundância - ao ser a pré-evolução da Marill, um Pokémon já de si amoroso - mas é ainda pior pois nem sequer partilha o tipo com a sua evolução. É apenas do tipo Normal (Normal/Fada na sexta geração), o que o torna ainda menos útil em combate - como se os stats de Pokémon bebé não fossem suficientes para lhe dar esse estatuto.

 

Pokémon através das gerações - Somewhere over the rainbow

09.jpg

 

A primeira geração é aquela que a maioria dos fãs recordam com maior nostalgia. No entanto, no meu caso, isso acontece com a segunda geração. Johto é a minha região preferida, os seus lendários (tirando um) encontram-se entre os meus preferidos, a sua banda sonora é a minha preferida e o jogo Pokémon Crystal é o meu preferido. Tentarei explicar porquê a seguir.

 

Mesmo colocando de parte toda a nostalgia, muitos concordam que estes jogos estão muito bem feitos, opinião reforçada pelos remakes Heart Gold e Soul Silver, mas isso é conversa para outra ocasião (aproveito, desde já, para definir a regra: os remakes serão abordados na geração em que foram lançados). Na minha opinião, o principal motivo para estes jogos terem funcionado tão bem foi o facto de, ao contrário do que aconteceria nas gerações seguintes, estes jogos terem sido concebidos como uma sequela direta aos seus antecessores, Red, Blue e Yellow. Em termos de mecânicas, corrigiram as maiores falhas dos primeiros jogos, tornando a experiência de jogo mais fluida e equilibrada. Apresentaram uma região nova, com Pokémon novos, mas incluíram a região antiga, Kanto.

 

O enredo destes jogos volta a não ser nada por aí além, mas não deixa de ser interessante. Decorre três anos após os eventos dos jogos da primeira geração. A organização criminosa volta a ser o Team Rocket, que se encontra ainda a lidar com a grande derrota de três anos antes, em Kanto. Nestes jogos, têm vários esquemas em funcionamento (tráfico de caudas de Slowpoke, forçando evoluções de Magikarps, etc), enquanto procuram o seu antigo líder, Giovanni, que nunca mais fora visto após a humilhação de ser derrotado por uma criança de dez anos. Não tenho nada a apontar ao papel do Team Rocket nestes jogos, só acho uma pena a organização criminosa ser de novo derrotada antes de Giovanni regressar do exílio. Teria outro impacto se, no clímax do enredo (isto é, quando o Team Rocket invade a torre de rádio), Giovanni aparecesse (e, de caminho, se cruzasse com o filho, o nosso rival)... e fosse de novo derrotado por uma criança. O arco de Team Rocket termina, aliás, demasiado cedo no jogo, tendo em conta que este, ao incluir duas regiões e dezasseis ginásios, é um dos mais longos de toda a franquia. Depois dos eventos na torre de rádio, tudo o que acontece é o roubo de uma peça da PowerPlant, em Kanto, obra de um membro do Team Rocket isolado, desorientado e... hilariante.

 

De resto, quando chegamos a Kanto, detetamos sinais da passagem do tempo, tanto no cenário como nas personagens. E, bem no fim do jogo - esta é a parte preferida dos fãs em geral - reencontramos Red, o protagonista dos jogos da primeira geração, e combatêmo-lo.

 

11.jpg

Há algo mais épico do que isto?

 

Estas são as razões pelas quais a maior parte das pessoas gostam destes jogos. Agora indico as minhas. Para começar, gosto das várias funcionalidades introduzidas nesta geração: o relógio, o ciclo dia/noite, os dias da semana. Dava-me motivo para jogar quase todos os dias, já muito depois de ter completado o jogo: para levantar as bolas que o Kurt fazia com os Apricorns (embora agora saiba que essas bolas não funcionavam de acordo com as intenções), para entrar nos concursos de captura de insetos, no National Park; para embarcar no S.S.Anne, tanto no sentido Olivine-Vermilion como Vermilion-Olivine, e enfrentar uma mão-cheia de treinadores (boa maneira de ganhar dinheiro e treinar Pokémon), participar no Buena's Password.

 

Gosto bastante do PokéGear, aliás, que inclui telefone e rádio. O primeiro permite manter o contacto com treinadores com quem tenhamos lutado, que podem convidar para repetir combates, alertar para o aparecimento de certos Pokémon em certas áreas, oferecer itens (só em Pokémon Crystal) ou pura e simplesmente dizer uma baboseira ou outra (o eterno Youngster Joey, com o seu "top percentage" Ratatta". Também o rádio tem a sua graça, sobretudo o já mencionado Buena's Password (um destaque para a fala da Buena, quando a rádio é invadida pelo Team Rocket: "Today's Password? HELP, of course!" Impagável!).

 

Uma das coisas que mais adoro nesta geração é a mitologia de Johto. Tirando Celebi, os lendários destes jogos são os meus preferidos da franquia. No caso de Lugia, isso deve-se muito ao meu filme preferido de Pokémon. Quanto a Ho-oh e ao trio Suicune, Raikou e Entei, as razões são mais complexas. Admito, desde já, que projetei imenso nestes lendários. A mitologia à volta deles encontra-se sediada em Ecruteak Town, nomeadamente nas duas torres: a Tin Tower (Bell Tower nos remakes; em português, Torre do Sino) e a Burned Tower (em português, Torre Queimada. Cento e cinquenta anos antes dos eventos dos jogos da segunda geração, a segunda Torre teria sido atingida por um relâmpago que, por sua vez, provocara um incêndio. Nesse incêndio três Pokémon teriam falecido. A chuva acabaria por apagar esse incêndio e, graças a Ho-oh, esses três Pokémon seriam trazidos de novo à vida sob a forma de Raikou (representando o relâmpago que provocara o incêndio), Entei (representando o fogo que consumira a Torre) e Suicune (representando a chuva que apagara o incêndio). 

 

11.jpg

 

Um aparte só para referir algumas teorias que circulam por aí, que defendem que os três Pokémon que morreram no incêndio seriam um Vaporeon, um Jolteon e um Flareon, ressuscitando, respetivamente, como Suicune, Raikou e Entei. Faz bastante sentido, na minha opinião. Os tipos coincidem e cada par é parecido em termos de stats - aliás, tanto o Vaporeon e o Suicune são conhecidos por usarem o ataque Aurora Beam. Além do mais, esta teoria explica o facto de as Kimono Girls (que se destacam por usarem Eeveelutions) viverem em Ecruteak e que os três sacerdotes que temos de enfrentar antes do encontro com o Suicune, na versão Crystal, possuam um Vaporeon, um Jolteon e um Flareon. São demasiadas coincidências. Tanto quanto sei, nunca foi confirmado oficialmente, mas eu acredito nesta teoria.

 

Regressando à mitologia de Johto, no que toca à série animada, a história é um pouco diferente. Segundo essa narrativa, Ho-oh visitaria frequentemente a Burned Tower - antes de ela arder, evidentemente - e aí seria venerado pelos humanos. O incêndio que destruiu a Torre teria resultado, não de um desastre natural e sim de mãos humanas, que ambicionavam o poder de Ho-oh para si. Como resultado, Ho-oh fugira da Torre em chamas - não sem antes trazer à vida Suicune e os outros dois - e nunca mais fora visto por olhos humanos... tirando Ash, no seu primeiro dia como treinador. Segundo as lendas, Ho-oh encarregara as três bestas que criara de assegurar a paz entre humanos e Pokémon, só regressando em definitivo quando se atingisse a harmonia entre as duas espécies - o Ho-oh tem a mentalidade de uma candidata a Miss América, portanto.

 

Muitos fãs da franquia não consideram a série animada como cânone, compreensivelmente. No entanto, quando vi os episódios que apresentam a mitologia que descrevi acima (este e este), estes tiveram grande impacto em mim. Mais: a minha fan fiction sobre Pokémon, que refiro aqui no blogue de vez em quando, centrava-se precisamente nesta versão das lendas de Ecruteak, nas três bestas e em Ho-oh. É de admirar que me sinta tão ligada a eles, hoje em dia?

 

 

eternal hapiness.jpg

 

Mesmo sem fan fiction, o papel de Ho-oh na série animada é suficientemente fascinante, pela maneira como aparece no episódio-piloto (quando a segunda geração nem sequer tinha sido anunciada), no momento em que Pikachu e Ash formam uma ligação pela primeira vez (provavelmente o momento mais bonito de toda a série), e noutros momentos marcantes da vida do protagonista. Não me parece, aliás, que seja coincidência que o nome do herói seja a palavra inglesa para "cinza" e Ho-oh ser baseado numa fénix. 

 

Talvez isso explique o facto de Ash, aparentemente, ter dez anos há quase duas décadas: ele é parte fénix! Vai-se regenerando de tanto em tanto tempo e nunca envelhece! A brincar a brincar, existe uma teoria sobre isso na Internet, baseada num dos textos da Pokédex sobre o Ho-oh. Reza esse texto que quem avista o Ho-oh ganha felicidade eterna. Se felicidade eterna para Ash equivale a uma jornada sem fim pelas diferentes regiões do mundo Pokémon, está tudo explicado. Por outro lado, há quem especule que o papel de Ho-oh na série animada é ser um guia distante para Ash, algo que ele esteja destinado a perseguir sem nunca conseguir encontrar, e que Ho-oh só descerá dos céus e se encontrará com Ash no último episódio da série animada - se esta algum dia acabar.

 

Vou fazer outro aparte só para referir que existem outras criaturas fictícias inspiradas pelo mesmo conceito de Ho-oh entre as minhas favoritas. Só depois desta publicação é que descobri que o Birdramon, um dos meus Digimon preferidos, é mais uma fénix do que uma ave de rapina. Mais, a forma Extrema da sua linha evolutiva chama-se, na versão japonesa, de todos os nomes possíveis, Hououmon e, na versão americanizada, Phoenixmon. Evidentemente, tanto o Ho-oh como o Phoenixmon (vou usar o nome americano para evitar assonâncias desnecessárias) foram inspiradas pela mesma figura mitológica: a fénix chinesa, cujo nome em japonês é Hō-ō. Esta criatura pouco tem em comum com o conceito ocidental da fénix, mas também é uma ave imortal, símbolo de elegância e virtude. Acho, de facto, uma enorme coincidência um dos meus Pokémon preferidos e um dos meus Digimon preferidos tenham uma origem semelhante. Não foi intencional, juro, só reparei nisto há pouquíssimo tempo! Talvez o meu Patronus seja, afinal, uma fénix... mas seria uma enorme presunção da minha parte dizer que o meu Patronus é o mesmo que o do Dumbledore.

 

 

O que é certo é que eu gosto imenso do Ho-oh, sempre gostei. Ainda hoje, quando vejo um arco-íris, às vezes imagino o Ho-oh voando sobre ele, tal como no episódio-piloto, servindo-me de guia, de símbolo de harmonia e de esperança, tal como tem servido a Ash.

 

Por sua vez, do trio Entei-Raikou-Suicune, o último é o meu preferido, disputando com o Ho-oh o primeiro lugar entre os meus lendários favoritos. Para começar, foi o primeiro dos três que me apareceu enquanto jogava a versão Silver. Ainda me lembro da emoção que foi. Uns anos mais tarde, voltaria a experimentá-la ao encontrá-lo na versão FireRed - na altura, não sabia que podia encontrá-lo nesse jogo. Além disso, o Suicune é a mascote da versão Crystal, a minha preferida de toda a franquia. O maior motivo para a minha preferência pelo Suicune, no entanto, é o papel que ele desempenha na minha fan fiction, ou seja, são sobretudos aspetos projetados por mim. Eu sei que isso é batota, de certa forma, mas, se estavam à espera de argumentos cem por cento isentos e racionais, estão no blogue errrado.

 

Vou então falar da versão Crystal. Muitos desvalorizam-no como apenas uma cópia melhorada de Gold e Silver mas, na minha opinião, essas melhorias são significativas. Antes de mais nada, é o primeiro jogo em que se pode escolher uma personagem feminina como avatar do jogador, o que para mim significou muito. O desenho da personagem feminina é um dos meus preferidos, aliás (foi um crime não a terem incluído nos remakes, mas isso é conversa para outra altura...). Este foi, também, o jogo que introduziu animações nos sprites dos Pokémon, o que tornou o jogo um tudo nada mais orgânico (para depois desaparecerem em Ruby/Sapphire e FireRed/LeafGreen, mas isso é mais outra conversa para outra altura). Também se fizeram melhorias ao telefone do PokéGear, com os diálogos dos outros treinadores a variarem mais, desenvolvendo o carácter a cada um deles. Adicionaram, também, a possibilidade de esses treinadores nos oferecerem itens, incluindo pedras evolutivas - o que é excelente, tendo em conta que, em Gold e Silver, só as conseguimos muito mais tarde no jogo e apenas uma de cada.

 

tumblr_inline_nvcop2tSHH1rxieut_500.png

 

Por fim, em Pokémon Crystal, o Suicune desempenha um papel muito mais relevante no jogo. Esta exposição extra provavelmente contribuiu para que se tornasse um dos meus preferidos. Crystal é, aliás, o primeiro jogo que envolve um Lendário diretamente no enredo - por outras palavras, que impede o jogador de prosseguir o jogo até participar nos eventos em questão. Por um lado, isso pode ser irritante quando uma pessoa quer apenas vencer os ginásios e seguir para a Elite 4 e preocupar-me mais tarde com o Suicune. Por outro, é uma mais-valia para um jogador mais desinformado, que falha parte do jogo por ignorância. Quando joguei a versão Silver pela primeira vez, por exemplo, só libertei o Suicune, o Entei e o Raikou da Burned Tower numa fase bem mais avançada do jogo do que era suposto.

 

Apesar de gostar imenso destes jogos, estes não deixam de ter as suas falhas. As mecânicas, ainda que significativamente melhores que nos jogos anteriores, continuavam a deixar a desejar. O caso mais flagrante é o sistema de armazenamento dos Pokémon, que nos obrigava a mudar de "box" manualmente, quando estas ficavam cheias, ou o jogo não nos deixaria apanhar mais Pokémon.

 

Além disso, estes jogos não têm ordem fixa para a conquista dos crachás. Depois de Ecruteak, podemos escolher se seguimos para Olivine primeiro ou para Mahogany. Isso por um lado é bom, sobretudo em comparação com jogos mais recentes, em que o percurso é muito linear, não vão os jogadores perderem-se. Por outro lado, isso faz com que os níveis dos Pokémon dos treinadores não passem da casa dos vinte durante grande parte do jogo. Só depois do último ginásio é que combatemos com Pokémon acima dos trinta e poucos e os Pokémon da Elite 4 só vão até ao nível cinquenta. Mesmo depois da Elite 4, os líderes de ginásio em Kanto, exceptuando o último, voltam a só ter Pokémon entre os nível quarenta e cinquenta. Tudo isso dá um ar de estagnação e facilitismo desnecessário a uns jogos tão bem feitos noutros aspetos. Confesso, aliás, que esses jogos me deixaram enviesada e ainda hoje estranho quando, noutros jogos, encontro ginásios em nível quarenta ou cinquenta.

 

11.jpg

  

Chegamos, então, à música. Na minha modesta opinião, os jogos Gold, Silver e Crystal possuem a melhor banda sonora de toda a franquia, explorando a fundo as capacidades do sistema 8-bit. Seria, aliás, capaz de escrever uma entrada à parte, com a mesma extensão que esta, até agora, só sobre a música da segunda geração. Em primeiro lugar, estes são capazes de ser os únicos jogos em que gosto dos temas de todas as cidades - e, tendo em conta que estes jogos incluem duas regiões, isso é notável. O de New Bark Town, a primeira cidade, por exemplo, parece incluir uma flauta verdadeira e é muito reconfortante - adequado àquela que é a nossa casa no jogo. O tema de Violet City e de Olivine City deixa qualquer um alegre. De tantas vezes apanhar o Magnet Train para ir de Johto a Kanto e vice-versa, o tema de Goldenrod City faz-me pensar em comboios. Os temas das cidades em Kanto, aliás, são, naturalmente, remixes dos temas da primeira geração e, na sua maioria, considero-os melhores. Gosto imenso do tema de Vermilion City, por exemplo: ganhou um carácter mais sereno, bem adequado a uma cidade portuária. Outro de que gosto muito é o de Lavender Town: é o antídoto perfeito para a versão sinistra da primeira geração. Nestes jogos, a música é triste mas também reconfortante, agridoce - assinalando, no meu ver, o facto de o drama com a mãe do Cubone e o Team Rocket já ter sido resolvido há algum tempo e a paz ter regressado à cidade.

 

No entanto, no que toca a cidades, o meu tema preferido é o de Ecruteak Town. Possui um carácter ao mesmo tempo exótico e triste, o que combina bem com as lendas da cidade: fascinantes mas trágicas. A versão que gravaram para a série animada, com orquestra completa, é lindíssima. É pelas histórias e pela música que Ecruteak é a minha cidade preferida de todos os jogos da franquia.

 

10.jpg

  

Os temas das routes estão ao nível de temas homólogos de outros jogos, mas, tendo eu gostado tanto dos jogos da segunda geração, esses temas - como o da route 29da route 30, da route 32, da route 38 (como passava muitas vezes por esta route quando andava à caça do Raikou, do Entei ou do Suicune - na Silver - este tema ficou-me associado a isso). Um dos melhores de toda a franquia, contudo, é o da route 26. Esta route é aquela que une Johto a Kanto. Fãs destes jogos, como, eu recordarão para sempre o momento em que, depois de cruzarmos o lago que vai de New Bark Town a esta route pela primeira vez, no preciso momento em que chegamos a terra e esta música começa a tocar, um NPC (non-playable characters, ou seja, personagens no jogo não controladas pelo jogador) dirige-se automaticamente a nós e diz: "Hey! Do you know what you just did? You took your first steps into KANTO!". Não há como não ficar entusiasmado. Esta música encontra-se, portanto, associada a euforia e triunfo - até porque, nesta altura do jogo, já derrotámos os oito ginásios de Johto e vamos a caminho da Elite 4, logo, a confiança está em alta. Esta também tem uma versão gravada para a série animada, que tenho ouvido enquanto jogo Pokémon Go. Por sua vez, em Kanto, gosto imenso do remix que fizeram para o meu tema preferido na primeira geração: The Road to Cerulean City.

 

Por fim, queria referir o tema dos créditos finais (que passam depois de se vencer a Elite 4 e de se vencer Red). O que é fascinante é que existe uma versão deste tema para a série animada que, ao contrário dos casos que referi até agora, tem uma emotividade completamente diferente. A versão do jogo é um tema muito alegre, festivo. A versão para a série animada dá-me vontade de chorar. É extremamente agridoce, dá mesmo a sensação de fim de história, em que as coisas não voltarão a ser o mesmo. E a verdade é que, com a terceira geração, houve muita coisa que não voltou a ser o mesmo... mas isso é conversa para a próxima entrada.

 

Em suma, é uma mistura de sentimentalismo e aspetos mais objetivos que fazem da segunda geração a minha preferida. 

 

Pokémon preferidos:

 

  • Espeon e Umbreon

 

11.jpg

 

Já tinha dito no texto anterior que as Eeveelutions em geral encontram-se entre os meus Pokémon preferidos e como tudo isso começou. Agora vou contar a sequela dessa história. Nesta geração, obtém-se um Eevee relativamente cedo no jogo. Quando joguei a versão Silver pela primeira vez, tinha-se passado relativamente pouco tempo desde o meu episódio com o Vaporeon. Logo, quando arranjei um Eevee, fiquei contente e conservei-o na equipa até que arranjasse uma pedra para evoluí-lo. O jogo ia prosseguindo e eu, claro, não encontrei pedra nenhuma, mas não tirei o Eevee da equipa (na altura, não tinha bem a noção dos ataques que ele não ia aprendendo ao mantê-lo por evoluir). Até que um dia, ou melhor uma noite - lembro-me perfeitamente das circunstâncias: estava já em Kanto, defrontando a Erika, em Celadon - o Eevee começou a evoluir. Eu desatei a chamar pelo meu irmão:

 

- Mano, o Eevee 'tá a evoluir, o Eevee 'tá a evoluir, 'tá a evoluir para Umbreon, 'tá a evoluir para Umbreon!

 

Só mais tarde percebi como funcionavam aquelas evoluções - maximizando a felicidade/amizade do Eevee. Se essa se maximizar durante o dia, evolui para Espeon. Se se maximizar durante a noite, evolui para Umbreon. Depois disso, naturalmente não descansei enquanto não arranjei um Espeon. Mesmo assim, esse meu primeiro Umbreon tornou-se uma das estrelas da minha equipa nesse jogo. Acho que não chegou a aprender nenhum ataque do tipo Negro, mas ensinei-lhe o Zap Cannon e o Iron Tail. Eu, pelo menos, considerava-o um adversário de respeito e orgulhava-me dele.

 

Não que goste menos do Espeon. Para começar, na minha opinião, é o mais bonito das Eeveelutions, tirando apenas o Vaporeon. Gosto mais de usá-lo em combate do que o Umbreon, hoje em dia - por o Espeon ser mais ofensivo e ter um conjunto de ataques interessante. Umbreon é ótimo em termos defensivos, é um tanque, mas não aprende ataques de jeito para fazer muito mais do que engonhar em combate. De qualquer forma, acho que o Espeon e o Umbreon funcionam bem como um par, como antíteses um do outro - sobretudo tendo em conta que, tal como referi antes, eles representam a dualidade sol/lua, conceito que dá título aos próximos jogos.

 

 

  • Quagsire 

tumblr_inline_nvcop2tSHH1rxieut_500.png

 

Desde que voltei a jogar Pokémon com frequência, nos últimos anos, tenho vindo a desenvolver um maior apreço pelos Pokémon do tipo Terra. Estes são eficazes contra o tipo Elétrico, Fogo, Veneno, Rocha e Ferro, o que os torna muito úteis. Combinamos o tipo Terra com o tipo Água e, para além das eficácias todas, só ficamos com uma fraqueza: o tipo Erva. Este, por sua vez, tem uma infinidade de fraquezas, todos terão na equipa pelo menos um Pokémon capaz de resolver o problema. Foi por isso que o Quagsire que usei em Heart Gold fez com que a espécie subisse imenso na minha consideração. Também gosto do seu desenho.

 

  • Mareep, Flaafy e Ampharos

 

11.jpg

 

Tal como no caso acima, este foi um gosto que se desenvolveu nos últimos anos. Para começar, sempre gostei dos "grunhidos" do Mareep e da Flaafy: os "méééé" muito fofos. Quase tenho pena de os evoluir para Ampharos. Digo "quase" porque Ampharos é atualmente o meu Pokémon Elétrico preferido. Atrevo-me a dizer, aliás, que, neste momento, é um dos melhores do tipo Elétrico. Pode aprender ataques variados, o que lhe confere uma enorme versatilidade. Teve a sorte, também, de ganhar uma Mega Evolução que lhe dá um Special Attack absurdo. Usei dois nos meus recentes jogos na Heart Gold e na White 2 (este último foi já transferido para os nossos jogos da sexta geração) e só me trouxe benefícios.

 

 

Pokémon de que menos gosto:

 

  • Wobbuffet

 

Este é um daqueles Pokémon que só existe para chatear. Tem HP que nunca mais acaba, apenas aprende o Counter, o Mirror Coat (ataques que pegam nos últimos sofridos pelo Pokémon e devolvem-nos com juros ao adversário), e o Destiny Bond (que leva o seu adversário consigo, caso o Wobbuffet seja derrotado nessa jogada) e tem como abilidade o Shadow Tag, que impede o adversário de fugir ou de trocar de Pokémon. Se tiverem o azar de se cruzar com um Wobbuffet nos vossos jogos, preparem-se para perder anos de vida e sanidade mental.

 

  • Pichu, Cleffa e Igglybuff

 

Ao contrário de muitos fãs, eu não tenho nada contra os Pokémon bebé por princípio. Podem não ser os mais úteis em combate - longe disso, por norma - mas ao menos derretem-nos o coração com a sua fofura. A sério, quem consegue resistir ao Togepi? Dito isto tudo, o Pichu, a Cleffa e o Igglybuff não precisavam de existir. São as pré-evoluções do Pikachu, da Clefairy e do Jigglypuff, respetivamente, Pokémon que já se destacavam por serem amorosos. As suas pré-evoluções não acrescentam absolutamente nada, nem sequer são mais fofinhos que as suas evoluções - pelo contrário, são versões mais deslavadas de três dos Pokémon mais adoráveis de toda a franquia. Como dizia o outro, não havia necessidade...

Pokémon através das gerações - Grandes jogos em alicerces frágeis

10.jpg

 

A primeira geração de jogos Pokémon compreende as versões Green (exclusiva do Japão), Red, Blue e Yellow. Em fevereiro, comemoraram-se vinte anos desde o lançamento dos primeiros jogos. Estes estabeleceram a fórmula: três Pokémon iniciais (designados entre os fãs por starters); pelo menos um rival; uma região para explorar; oito líderes de ginásio a vencer de modo a obter a qualificação para a Liga Pokémon; uma organização criminosa, com o respetivo líder, para o jogador derrotar; a Liga Pokémon, constituída pela Elite 4 e um Campeão. Até os Pokémon, nas gerações seguintes, acabarão por seguir a fórmula definida por estes jogos: para além dos starters, temos sempre, perto do início do jogo, um Pokémon Voador, um do tipo Normal (geralmente pouco útil), uma ou duas linhas evolutivas de Insectos. Mais tarde no jogo, encontramos um chamado "clone do Pikachu": um Pokémon do tipo Elétrico, fofinho, mas pouco brilhante em termos de stats, um Pokémon inspirado em gatos, outro em cães e, claro, os Lendários. 

 

Agora com Pokémon Go, tenho reparado que os primeiros 151 Pokémon possuem um charme muito próprio, que Pokémon de outras gerações não têm. Pode ser mera nostalgia, o facto de terem sido os primeiros (não tinham Pokémon anteriores com quem competir, ao contrário dos seus sucessores). Pode ser a simplicidade dos desenhos, em contraste com a complexidade dos designs de muitos Pokémon mais recentes. Não que essa simplicidade seja sempre uma virtude: vários Pokémon da primeira geração acabam por ser parecidos entre si (Rhydon parece-se imenso com Nidoking/Nidoqueen; Gastly e Cloyster têm praticamente a mesma cara); Ekans e Arbok pouco diferem de cobras normais; Grimer e Muk são meras massas disformes. Mas é inegável que os Pokémon da primeira geração têm um je ne sais quoi que os demais Pokémon não têm.

 

Os primeiros jogos foram um sucesso estrondoso quando foram lançados, como é do conhecimento geral, mas estes jogos possuem uma série de defeitos e glitches que só se tornam mais óbvios com o tempo. Não que isso não seja de esperar nos primeiros jogos de uma longa série. Os tipos diferentes de Pokémon tem vários desequilíbrios, com o Psíquico a ser o mais gritante. Em teoria, o tipo Psíquico seria vulnerável a Inseto e Fantasma. Na prática, o tipo Insecto demoraria várias gerações a ganhar ataques decentes; por um glitch, os ataques do tipo Fantasma não tinham efeito em Pokémon do tipo Psíquico e, mesmo sem este erro, os únicos Fantasmas da primeira geração eram também do tipo Veneno, que é vulnerável ao ataques Psíquicos. Existem outras coisas que funcionavam mal nestes jogos, aparentemente pequenas, mas que tornavam tudo mais complicado, sem necessidade: o facto de termos de abrir uma série de menus para usar HMs ou montar na bicicleta; o facto de o tema musical da bicicleta se sobrepor a todos os outros; o espaço limitado para itens; o facto de estes itens não estarem compartimentados (não imaginam a quantidade de Master Balls que eu e os meus irmãos perdermos, ao a selecionarmos por engano durante um combate); os sprites de vários Pokémon eram francamente feios (e os da versão Green, japonesa, eram piores), entre outras coisas.

 

09.jpg

 

De uma maneira paradoxal, os erros do jogo podem constituir um dos seus maiores apelos, para quem saiba manipulá-los a seu favor. O glitch que permite aos jogadores capturar um Mew de nível sete é um exemplo. No meu caso, o glitch que eu explorei foi o MissingNo. Em miúda, este fascinava-me e assustava-me ao mesmo tempo, pelas histórias que ouvia sobre os erros que poderia provocar ao jogo. Por esse motivo, nunca o capturei. No entanto, pura e simplesmente derrotá-lo permite multiplicar certos itens e eu abusei dessa possibilidade para obter infinitas Master Balls e Rare Candies. Acho que nunca joguei um único jogo em Red ou Blue em que não usei Rare Candies para fazer doping aos meus Pokémon, por pouco que tenha sido. Eis o meu mea culpa: eu fazia batota.

 

Existem muitos outros glitches que podem ser explorados, incluindo um que envolve Bulbasaurs explosivos, atravessar paredes, uma maneira de vencer o jogo em tempo recorde e uma cidade inteira toda desconjuntada, já denominada entre os fãs por Glitch City. Podem descobrir mais sobre este lado secreto dos jogos da primeira geração nestes vídeos.

 

Mas não é só de erros e glitches que são feitos estes jogos. Também são feitos de personagens e falas memoráveis: como o Professor Oak, que não se lembra do nome do neto; o velhote maldisposto por não ter bebido café (sim, eu sei que nos jogos originais eles está embriagado mas - falo por experiência - abstinência de cafeína também pode ser incapacitante), o treinador que gosta de calções ("Hi!I like shorts! They're confy and easy to wear!"). Mas penso que a personagem mais popular desta geração, e de quem os fãs têm mais saudades, é o rival, conhecido na comunidade por Blue Oak, ou Gary Oak, o seu homólogo na série animada. Numa altura em que os rivais nos jogos Pokémon são cada vez mais amigáveis (e mais fáceis...), muitos de nós suspiram por um adversário como Blue: que aparece para nos desafiar quando menos esperamos (com um tema inconfundível) , está sempre vários passos à nossa frente, trata-nos com arrogância e desdém. Não que gostemos, propriamente, de ser tratados assim, antes porque sabe muito melhor quando conseguimos vencê-lo. Não é por acaso que, para muitos, o melhor combate da série animada seja aqule que opõe Ash e Gary, em plena Liga Pokémon (em Johto). Depois de ser várias vezes tratado abaixo de cão por Gary - ainda que este vá melhorando com o tempo - Ash finalmente vence o seu rival e a audiência não podia ficar mais feliz. É como...

 

10.jpg

 

Bem, é como Portugal conquistar o Europeu à França. Agora que penso nisso, em termos de futebol, a França tem sido do Gary Oak da Seleção Portuguesa: sempre vários passos à nossa frente, de todas as vezes que nos cruzamos com eles em campeonatos de seleções; sempre tratando-nos com desdém; incrivelmente satisfatório finalmente vencê-los, na sua própria casa, arrebatando-lhes a Taça no processo.

 

(Por favor, não levem a mal eu estar sempre a falar do Euro 2016. Estive anos e anos à espera que Portugal ganhasse um título. Agora que finalmente o conseguiu, quero "dizê-lo cantando a toda a gente", celebrá-lo ao máximo. Até ao próximo Europeu, pelo menos. Esta não vai ser a última referência ao Euro 2016 nesta série de textos, sequer.)

 

Duvido que a Nintendo volte a criar um rival assim, contudo. Também admito que Blue é demasiado estereotipado e íamos cansar-nos depressa se todos os rivais fossem como ele. E nem todos os rivais amigáveis são desinteressantes... mas falaremos deles em textos futuros.

 

Para além destas personagens, a primeira geração não oferece muito em termos de enredo e história, tirando os confrontos com o Team Rocket. Esta é a organização criminosa original e, com uma única exceção, considero-a a mais consistente em termos de motivação. Enquanto outras organizações em jogos futuros têm objetivos muito complexos e um bocadinho parvos, por vezes, o Team Rocket é pura e simplesmente uma sociedade de ladrões com traços de Máfia. Não será por acaso que o seu líder se chama Giovanni. Já que falo dele, mencionar rapidamente que o líder do Team Rocket foi, durante muitos anos, o melhor vilão da franquia, na minha opinião - sobretudo pela maneira como o retrataram na série animada: o patrão de Jessie, James e Meowth, escondido por sombras nas suas primeiras aparições, financiando a criação de Mewtwo, entre outras coisas. Nos jogos da primeira geração, os Rockets são responsáveis pela morte da mãe do Cubone, cujo fantasma assombra Lavander Town, pelo Game Corner de Celadon e pelo assalto à Silph Company, em Saffron City - nada de muito excitante, tirando o primeiro caso. A história da mãe do Cubone é apenas uma de várias que contribui para que Lavender Town seja uma das cidades preferidas de toda a franquia como tema de lendas urbanas. Tirando isso e algumas pistas sobre as origens de Mewtwo, não temos muito mais em termos de enredo nestes jogos.

 

09.jpg

 

Quem dê uma olhadela aos meus blogues perceberá que a música é um denominador comum a quase todas as minhas paixões. Pokémon não é exceção. Considero mesmo as bandas sonoras como uma parte essencial da experiência dos jogos, ajudando a definir a emotividade de cada momento: seja ele familiar e reconfortante, inocente, misterioso, sinistro, intenso, super intenso, soleneeufórico, triunfante. Acredito, aliás, que a música composta por Junichi Masuda (não sei se ele ainda é o actual compositor) contribuiu para o sucesso dos jogos. Assim sendo, todos os textos desta série incluirão uma secção dedicada às bandas sonoras.

 

Sendo estes os jogos originais, era natural que os seus temas se tornassem icónicos. Alguns deles - como o tema de abertura (e de toda a franquia, na verdade), o dos Centros Pokémon, dos ginásios, da evolução, entre outros - regressariam em todas, ou quase todas as gerações seguintes, com as suas próprias variações. Pessoalmente, nesta geração o meu tema preferido é o intitulado The Road to Cerulean City from Mt. Moon. Ainda gosto mais da versão gravada para a série animada, com orquestra completa - tenho-a colocado a tocar enquanto jogo Pokémon Go. Estas e outras. Acho, de resto, incrível que Masuda tenha conseguido criar temas tão variados, com tanto carácter, com as limitações do sistema 8-bit.

 

Em suma, os jogos da primeira geração causaram um grande impacto aquando do seu lançamento, merecidamente, ainda que tenham sido construídos em alicerces frágeis e o tempo não tem sido meigo para com eles. No entanto, quase todos os defeitos que apontemos a Red e Blue podem ser justificados pelo facto de terem sido os primeiros jogos. Os criadores estavam a criar tudo do zero, às cegas, ainda sem saber ao certo o que resultava ou não. E, se a franquia conseguiu ter tanto sucesso nessa altura, lançar várias sequelas, sobreviver vinte anos e continuar popular, esses jogos originais fizeram alguma coisa bem. Mais: podem passar mais vinte anos, podem lançar mais dez gerações de jogos e eu suspeito que uma grande parte da comunidade de fãs da franquia continuará a manter Kanto e os primeiros 151 Pokémon no coração.

 

Irei terminar cada um dos textos desta série com os Pokémon de que mais gosto e menos gosto de cada geração. O número poderá variar, mas vou tentar limitá-los a três. Assim, sem mais de longas...

 

Pokémon preferidos:

 

  • Eevee e Vaporeon

 

06.png

 

Esta vem com uma história da primeira vez que joguei um jogo Pokémon - a versão Blue - até ao fim. Tinha onze anos. Nessa altura, já tinha descoberto o Missigno mas acho que ainda não o tinha usado para multiplicar Rare Candies ou, se tinha, tinha-os usado muito pouco - lembro-me de ter vários Pokémon em nível 51 quando cheguei à Elite 4, era óbvio que não estava a aproveitar-me dos infinitos Rare Candies! A Elite 4 estava a correr-me bem (mais ou menos: aquele Aerodactyl do Lance, com o seu Hiper Beam, ainda assustou...), até chegar ao Blastoise de nível 65 do rival. Consegui reduzi-lo a mais ou menos 1 HP mas ele, de repente, desata a usar Hydro Pumps, cada um deles abatendo os meus Pokémon com um só golpe. No fim, só me restava um Vaporeon, um dos tais de nível 51. Ao contrário dos meus outros Pokémon, o Vaporeon sobreviveu ao Hydro Pump (claro que um Pokémon de Água vai resistir a ataques do tipo Água mas eu ainda era muito verde nestas coisas, naquela altura) e, com um Surf, derrotou o Blastoise e ganhou-me o título de campeã. Eu fiquei histérica na altura e de imediato fiz de Vaporeon o meu Pokémon preferido, estatuto que mantém até hoje. Tal fez com que olhasse para o Eevee e para outras Eeveelutions de outra maneira - mais sobre isso adiante. Também ajuda o facto de o Eevee ser um dos Pokémon mais queridos de sempre.

 

 

  • Charizard

 

10.jpg

 

Yep. Sou uma dessas pessoas nada fixes que gosta do Charizard, que escolhe quase sempre o Charmander. Pior ainda, muita dessa afeição ao Charizard deriva da série animada. Mas eu avisei que sou sentimental. Todos concordam, mesmo assim, que o relacionamento entre Ash e Charizard é um dos mais interessantes. Ash resgata-o, ainda sob a forma de Charmander, depois de o teu treinador original o ter abandonado, quase lhe provocando a morte. No início, os dois dão-se bem. No entanto, Charmander evoluiu para Charmeleon e depois para Charizard antes que Ash estivesse preparado para isso e o Pokémon deixa de lhe obedecer. Especula-se se esta rebeldia de Charizard é inspirada na mecânica dos jogos, em que um Pokémon obtido por troca deixa de obedecer a partir de um certo nível, a menos que o jogador já tenha conquistado um determinado número de crachás de ginásio - se, de uma maneira semelhante, Charizard considera que Ash não é suficientemente competente como treinador para merecer obediência. Ash demora imenso tempo a ganhar controlo sobre Charizard e paga caro por isso. Consegue, finalmente, renovar o laço com Charizard depois de, como já tinha referido antes, passar a noite inteira a cuidar dele após Charizard se ferir num combate. Depois disso torna-se, inquestionavelmente um dos melhores Pokémon de Ash, tendo protagonizado alguns dos melhores combates da série animada: o já referido com Gary, contra o seu Blastoise; contra o Blaziken de Harrison; contra o Articuno de Noland. 

 

Eu concordo que o Charizard foi sempre muito sobrevalorizado e que a própria franquia o tem favorecido descaradamente em relação a outros Pokémon (ele precisava mesmo de duas Mega Evoluções?). O Venusaur e o Blastoise em nada são inferiores a Charizard, na minha opinião. No entanto, continuo a gostar imenso de Charizard por ser a estrela da equipa de Ash.

 

Pokémon de que menos gosto:

 

  • Jynx

 

Este Pokémon sempre causou muita controvérsia por, alegadamente, ter sido baseado num estereótipo racista. A Game Freak acabou por lhe mudar a cor da pele de negro para roxo, mas o desenho Jynx continua a causar-me impressão. Com os seus olhos, boca e seios exagerados, parece-me uma caricatura às mulheres, negras e não só. Não gosto mesmo nada.

 

  • Grimer e Muk

 

Já os tinha referido quando falei dos desenhos pouco inspirados de certos Pokémon desta geração. Estes Pokémon são constituídos por poluentes tóxicos, encontrados em esgotos industriais, que tornam a terra estéril à sua passagem. Não me atrai em nada.

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados

Comentários recentes

  • Sofia

    Claro, a maior parte das pessoas é̶ ̶n̶o̶r̶m̶a̶l, ...

  • Simple Girl

    Li esta análise (e a primeira parte), não costumo ...

  • Sofia

    Missão cumprida, ah ah! Piadas à parte, não é prec...

  • Anónimo

    eu estou completamente v-i-c-i-a-d-o nas suas anal...

  • Anónimo

    Nada, eu que agradeço por você analisar tão bem. S...

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion

Em destaque no SAPO Blogs
pub