Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Álbum de Testamentos

Mulher de muitas paixões e adoro escrever (extensamente) sobre elas.

Homeland/Segurança Nacional - segunda temporada

AVISO: Esta entrada contém informações relevantes sobre o enredo de Homeland/Segurança Nacional, pelo que só é aconselhável lê-la caso tenham visto a segunda temporada da série - incluindo o último episódio.
 
 
Depois de uma excelente primeira temporada, as expectativas estavam elevadas para a segunda temporada de Homeland/Segurança Nacional, como podem ver na entrada que publiquei sobre a série AQUI. Agora, que a segunda temporada já acabou, posso dizer que Homeland não desiludiu, que, aliás, é a melhor coisa que passou pela televisão nestes últimos tempos. E as pessoas começam agora a reparar nisso. 
 
Os pontos fortes da primeira temporada são trazidos para a segunda, alguns dos quais com direito a desenvolvimento. Temos Brody agora candidato a vice-presidente dos Estados Unidos, mas à beira de perder o controlo quando se vê obrigado a ter um papel mais ativo nas atividades terroristas de Abu Nazir - a cena do "para quê matar um homem quando se pode matar uma ideia" nunca foi muito credível. Agora percebeu-se que a intenção era infiltrar Brody no topo da hierarquia política.
 
Entretanto, a CIA descobre, finalmente, que Carrie tivera razão desde o primeiro momento, em relação a Brody. O episódio em que este é confrontado e interrogado - Q&A - é o melhor de toda a temporada: intenso, sufocante mas também comovente, deixa-nos pregados ao assento enquanto toda a duplicidade de Brody é desmontada.
 
 
Aqui vira a maré, Brody começa a trabalhar como agente duplo (agente duplo é como quem diz... nesta altura ele já é mais agente triplo ou quádruplo). Algo arriscado, visto que Brody é um homem extremamente desequilibrado, consumido pela quantidade crescente de segredos que é obrigado a manter, pelos papéis que tem de representar, pelos efeitos que a sua duplicidade exerce na sua família. Só mesmo uma pessoa igualmente disfuncional é capaz de o compreender, de o ajudar a conservar a sua sanidade mental - Carrie. Ela, apesar de, supostamente, a sua doença bipolar estar sob controlo, parece sempre à beira de um surto psicótico. E este relacionamento, por um lado retorcido, por outro lado tocante, é o grande motor da segunda temporada de Homeland. Já havíamos tido direito a um cheirinho deste romance na primeira temporada, os guionistas quiseram desenvolvê-lo nesta e fizeram-no bem, na minha opinião. "Amor em tempos de terrorismo", como li na Correio TV de há cerca de duas semanas.
 
Outro ponto forte de Homeland é a dúvida constante, que nunca se dilui, nem mesmo quando Brody começa a trabalhar para a CIA. Estará Brody realmente do lado da CIA ou continuará leal a Nazir? Será que Nazir, Roya e os outros terroristas acreditam em Brody ou desconfiam que ele passou para o lado do inimigo? Estará Carrie de facto apaixonada por Brody ou estará apenas a usá-lo, a mantê-lo sob controlo, para que a CIA chegue a Nazir?

BWGEneLCIAAdta3.jpg

 

O último episódio, The Choice, acaba por desiludir um pouco, ao perder demasiado tempo com o relacionamento de Carrie e Brody, agora sem impedimentos - o que lhe retira interesse - e com o arco narrativo dos planos para silenciar Brody, que não dão em nada. Não que seja completamente mau, a parte do atentado esclarece algumas incongruências que se vinham acumulando ao longo da temporada: o vídeo de Brody encontrado por Carrie e Saul em Beirute parece caído do céu - agora percebe-se que a organização terrorista se apoderou do vídeo, gravado aquando do atentado do fim da primeira temporada, para usá-lo contra Brody à primeira oportunidade; o rapto de Brody e consequente reunião com Nazir revelam-se anticlimáticas, o desmantelamento da rede terrorista em solo americano e, mais tarde, a morte de Nazir correm demasiado bem - agora percebe-se que foi tudo planeado por Nazir. Como disse acima, não está totalmente mau mas podia ter sido feito de outra forma, cortando-se na parte do relacionamento estabilizado e no potencial silenciamento de Brody e investindo-se mais na parte do atentado e de tudo o que a ele levou.

Em todo o caso, o final da segunda temporada deixa boas premissas para a terceira: será necessário reorganizar a CIA - estou particularmente curiosa em relação à liderança de Saul, se ele se mantiver como líder - desvendar o atentado e Carrie terá a tarefa adicional de limpar o nome de Brody - algo que será difícil pois a armadilha que lhe foi montada foi trabalho de mestre.

 
Quero, sobretudo, ver se Homeland conseguirá manter o nível de qualidade destas duas primeiras temporadas, sobretudo agora que a série começa a ganhar popularidade, como já mencionei acima. Tenho medo que lhe aconteça o que aconteceu a How I Met Your Mother, por exemplo. Durante os primeiros três, quatro, vá lá, cinco anos, foi muito bem feita mas começou a descarrilar na sexta temporada, mais ou menos na altura em que se tornou a série da moda.

Homeland tem tido, até agora, uma (outra) coisa boa que é o facto de não enrolar. Pode, aliás, parecer, às vezes, que a ação se desenrola demasiado depressa mas, tendo em conta o desequilíbrio das duas personagens principais, tal acaba por ser inevitável. E, de qualquer forma, acho-o preferível, depois de não sei quantas séries arrastando enredos interminavelmente, episódio atrás de episódio, temporada atrás de temporada. Como tal, não me parece que Homeland dure muito mais temporadas sem perder qualidade. No entanto, já merece créditos por estes ótimos dois primeiros anos. Espero é que os guionistas e/ou produtores saibam gerir tudo isto de modo a que esta atinja aquilo que, hoje em dia, é cada vez mais raro numa série: manter-se  acima da média no que toca à qualidade desde o episódio piloto até ao último dos últimos.

Homeland/Segurança Nacional

AVISO: Esta entrada inclui informações relevantes sobre o enredo da série pelo que só é aconselhável lê-la caso tenha visto a primeira temporada de Homeland/Segurança Nacional.
 

 

Visto que hoje estreia na FOX a segunda temporada de Homeland/Segurança Nacional, quis escrever sobre aquela que considero, até ao momento, a série mais bem feita dos últimos anos.
 
Na verdade, não tenho muito a dizer em termos de crítica que já não tenha sido dito antes, sobretudo depois de outro blogueiro o ter feito de forma primorosa, como poderão ver AQUI. Limitar-me-ei, por isso, a fornecer a minha visão pessoal da série.
 
Uma das coisas de que mais gosto em Homeland é o facto de me recordar  24 - aliás, um dos atuais produtores também trabalhou na série protagonizada por Kiefer Sutherland - e as questões que debatia: intolerância religiosa, o choque entre os princípios idealistas e a segurança nacional. Homeland aborda estes temas de forma ainda mais brilhante pois, aqui, praticamente todas as personagens são muito humanas, com virtudes e defeitos, sem pretos e brancos. Isto desde as personagens principais àquelas que apenas participam em um ou dois episódios.
 
Há uns anos, li uma entrevista de Kiefer Sutherland em que este opinava que 24 devia ser mais explícita. Homeland não tem esse problema. Admito que não estava habituada a isso, que demorei algum tempo a adaptar-me. Ainda me questiono se algumas cenas de sexo são absolutamente necessárias. No entanto, faz tudo sentido dentro do contexto. Não se trata de sexo e violência gratuitos, como em Spartacus.
 
Engraçado é ver as legendas da FOX para disfarçar a linguagem violenta. O exemplo mais ridículo é uma deixa que, traduzida literalmente, daria: "Não consegues f*der a tua mulher" mas cuja respetiva legenda é "Não consegues fazer amor com a tua mulher". Tudo a ver...
 
A primeira temporada teve vários episódios marcantes mas, para mim, o mais marcante foi o último. De cortar a respiração, em particular durante a cena em que Brody fala com a filha ao telemóvel. A maneira pueril, crua, como Dana pede ao pai para voltar para casa é de partir o coração. E, obviamente, resulta. 
 
 
 
A premissa com que a primeira temporada é encerrada, "Porquê matar um homem quando se pode matar uma ideia?" deixou-me um pouco de pé atrás. Dá a entender que Brody adotará, na segunda temporada, uma atitude mais diplomática, mais pacifista. É um exemplo bonito, quem me dera que a Al-Qaeda adotasse esta metodologia de matar ideias em vez de pessoas. Mas não sei se funcionará em termos de ficção. 
 
A série - uma das preferidas de Barack Obama - foi uma das grandes vencedoras dos Emmys deste ano, merecidamente e sem surpresas. Daí que, depois de a FOX a ter relegado para segundo plano no ano passado - chegando mesmo, na reta final, a despachá-la com dois episódios por semana e dando maior protagonismo a produções como Spartacus e Walking Dead. Séries bem inferiores mas, pelos vistos, generosamente patrocinadas - esta temporada, Segurança Nacional seja exibida apenas uma semana após a exibição nos Estados Unidos. Tanto quanto sei, tal honra só foi concedida a Lost. Estou ansiosa por ver Homeland. Será refrescante ter episódios novos de uma boa série, numa altura em que, como afirmei anteriormente, é cada vez mais difícil fazê-lo. Espero, por isso, que Homeland se mantenha no topo da qualidade por muitos mais anos. Mas, para já, veremos se consegue fazê-lo nesta sua segunda temporada.

Análise à segunda temporada

Nómada / The Host

 
Melanie Stryder recusa-se a desaparecer.
O nosso Mundo foi invadido por um inimigo invisível. Os Humanos estão a ser transformados em hospedeiros destes invasores, com as suas mentes expurgadas, enquanto o corpo permanece igual.
Quando Melanie, um dos poucos Humanos "indomáveis", é capturada, ela tem a certeza de que chegou o fim. Nómada, a Alma invasora a quem o corpo de Melanie é entregue, foi avisada sobre o desafio de viver no interior de um humano: emoções avassaladoras, recordações demasiado presentes. Mas existe uma dificuldade com que Nómada não conta: o anterior dono do corpo combate a posse da sua mente.
Nómada esquadrinha os pensamentos de Melanie, na esperança de descobrir o paradeiro da resistência humana. Melanie inunda-lhe a mente com visões do homem por quem está apaixonada – Jared, um sobrevivente humano que vive na clandestinidade. Incapaz de se libertar dos desejos do seu corpo, Nómada começa a sentir-se atraída pelo homem que tem por missão delatar. No momento em que um inimigo comum transforma Nómada e Melanie em aliadas involuntárias, as duas lançam-se numa busca perigosa e desconhecida do homem que amam.
Este é um livro sobre extraterrestres escrito pela autora que é mais conhecida por escrever sobre vampiros. Gosto mais deste livro do que dos da "saga Twillight/Crepúsculo", também conhecida como saga Luz e Escuridão, em parte por causa de O Sobrevivente, que também é um livro sobre extraterrestres, mas não só.
 
Quando li "Nómada" pela primeira vez, o conceito de Alma, do alien que toma posse do corpo e da mente de um ser humano, recorda-me Sobrenatural, os anjos e os demónios, que usam igualmente humanos como marionetas. No entanto, após leitura mais cuidada, percebi que as Almas não são apenas, como uma das personagens refere, "a mão que manipula a marioneta", eles, de certa forma, acabam por adquirir a personalidade dos humanos que controlam. Nesse aspeto, Stephenie Meyer ganha pontos pelo conceito e, sobretudo, por não ter retratado as Almas como seres cruéis, que escravizam os humanos por motivos egoístas, mas sim como criaturas que acreditam sinceramente estar a fazer o correto. Na parte final do livro, é dado a entender que é possível um mundo em que ambas as raças possam viver em harmonia.
 
Um dos pontos fortes do livro é precisamente o facto de induzir reflexões sobre o amor e a natureza humana, de nos levar a concluir que nada é, pura e simplesmente, preto ou branco. E o facto de apresentar a Humanidade sob o ponto de vista de um alien é particularmente interessante para mim, que escrevo livros sobre extraterrestres.
 
Ora, o problema de Stephenie Meyer é ser capaz de criar conceitos interessantes à sua maneira, mas ser incapaz de criar enredos que lhes façam justiça. Esta deficiência é clara na saga Crepúsculo e também em "Nómada".
 
Ainda que, como referi acima, as Almas sejam retratadas como pacíficas, de não serem o inimigo cruel que, se calhar, outros autores criariam, julgo que estas premissas pediam uma história com uma tensão diferente, com mais ação. Em vez disso, o livro acaba por se centrar no triângulo/quadrado amoroso Melanie-Nómada-Jared-Ian. Para além de já ser um cliché em Meyer, que já teve um triângulo-amoroso-que-não-chega-a-sê-lo-pois-toda-a-gente-sabe-logo-com-quem-é-que-ela-fica noutros livros, não é assim tão interessante e acaba por conduzir a umas quantas situações um bocado parvas, mesmo quando inseridas no contexto.
 
A própria personagem principal Nómada - também conhecida como Noa - assemelha-se a Bella Swan de Crepúsculo. Na timidez, na baixa auto-estima, na - passe a expressão - choraminguisse. Enerva-me um bocado a maneira como ambas as personagens se fazem de mártires, se sentem culpadas por tudo o que de mau acontece à volta delas quando, na verdade, não têm capacidade de fazer mal a uma mosca. Nómada só não se torna tão patética como Bella pois partilha a mente com Melanie, uma humana completamente diferente, lutadora, que lhe empresta alguma da sua coragem e astúcia.
 
Além de que Stephenie Meyer parece convencida de que o suicídio é prova de amor. As suas personagens não parecem ter personalidade suficiente para ultrapassarem o luto derivado à perda dos respetivos apaixonados, nem mesmo quando até têm família e amigos que, em teoria, lhes dariam razão para viver. É claro que existe o muito apregoado em Harry Potter caso daquele que sacrifica a sua própria vida para salvar a vida de outros - mas eu, por vezes, questiono a bondade de tal ato. No caso de Nómada, ela até tem a hipótese de viver mas recusa-se a isso. Não acho que seja amor condenar os seres amados ao luto, à culpa, ao ódio a si mesmos por a sua vida ter custado a vida de um ente querido. Pelo menos não nestas circunstâncias.
 
Mesmo assim, apesar de tudo isso, considero "Nómada" um bom livro, à sua maneira, sobretudo pelo conceito, por nos fazer sentirmo-nos gratos por (ainda) termos um planeta tão belo como o nosso e por nos fazer refletir sobre a condição humana - algo que a saga Crepúsculo não faz. Por isso, recomendo a sua leitura e aguardo a exibição da versão cinematográfica do livro que, segundo o que consta, chega aos cinemas no próximo ano.
 

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados

Comentários recentes

  • Sofia

    Claro, a maior parte das pessoas é̶ ̶n̶o̶r̶m̶a̶l, ...

  • Simple Girl

    Li esta análise (e a primeira parte), não costumo ...

  • Sofia

    Missão cumprida, ah ah! Piadas à parte, não é prec...

  • Anónimo

    eu estou completamente v-i-c-i-a-d-o nas suas anal...

  • Anónimo

    Nada, eu que agradeço por você analisar tão bem. S...

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Segue-me no Twitter

Revista de blogues

Conversion

Em destaque no SAPO Blogs
pub